Chimpanzés bebés raptados de um santuário. Raptores exigem um resgate

CNN , Xiaofei Xu e Marguerite Lacroix
26 set, 12:00
Chimpanzés raptados

Contrabando de chimpanzés provoca raptos. Muitos dos compradores dos bebés contrabandeados "são pessoas ricas que querem manter animais exóticos nas suas casas".

Um santuário de animais na República Democrática do Congo (RDC) está a confrontar-se com pedidos de resgate, depois de raptores terem raptado três dos seus chimpanzés bebés.

“Esta é a primeira vez no mundo que macacos bebés são raptados para pedido de resgate”, disse à CNN, na sexta-feira, Franck Chantereau, fundador do santuário onde o rapto teve lugar.

O seu santuário, o Young Animals Confiscated in Katanga (abreviado para JACK em francês), fica em Lubumbashi, perto da fronteira entre a RDC e a Zâmbia, numa rota chave do Congo para a África do Sul, através da qual macacos são contrabandeados para o resto do mundo.

Hussein, fotografado numa imagem enviada pelo seu raptor. Foto cortesia Jeunes Animaux Confisqués au Katanga

Os raptores invadiram o santuário por volta das 3 da manhã do dia 9 de setembro, disse Chantereau, e levaram três dos cinco chimpanzés bebés que ele tinha resgatado este ano - César, Hussein e Monga. Mais tarde, ele encontrou os outros dois escondidos na cozinha.

Uma hora após o assalto, a esposa de Chantereau recebeu três mensagens e um vídeo dos chimpanzés raptados dos raptores.

“Disseram-nos que tinham planeado raptar os meus filhos porque era suposto virem aqui de férias. Mas eles não vieram, por isso os raptores tomaram estes três bebés como reféns e exigiram-nos um grande montante de resgate”, disse Chantereau.

Os raptores alegaram ter drogado os chimpanzés e ameaçaram magoá-los se Chantereau não pagasse o resgate.

“Obviamente, é impossível para nós pagarmos o resgate”, disse Chantereau. “Não só não temos o dinheiro, como também temos de compreender que, se seguirmos o seu caminho, eles poderão muito bem fazê-lo novamente daqui a dois meses, e também não temos qualquer garantia de que eles nos devolverão o bebé”.

Chantereau estava também preocupado com a possibilidade de abrir a porta a novos raptos. “Há 23 santuários em todo o continente a fazer isto. Se pagarmos o resgate, isso poderá abrir um precedente e dar ideias a outros, pelo que devemos estar extremamente vigilantes”, disse.

“Não cederemos a este tipo de exigência”, disse à CNN na sexta-feira Michel Koyakpa, assessor de imprensa do ministro do Ambiente da RDC.

“(O rapto) é desumano e antinatural”, disse Koyakpa.

As autoridades ainda estão a investigar e a tentar identificar os raptores, na esperança de os encontrar nos próximos dias ou semanas, de acordo com Koyakpa.

O rapto é “o primeiro do género na história da RDC”, acrescentou.

Esta não é, contudo, a primeira vez que o santuário de Chantereau foi visado. Meses após a sua fundação, em 2006, um grupo de pessoas invadiu-o durante a noite e ateou fogo ao local de sono dos chimpanzés bebés, matando dois dos cinco que lá se encontravam na altura.

Em setembro de 2013, o centro de educação do santuário foi incendiado, mas não houve vítimas, segundo Chantereau.

Já passaram quase duas semanas desde a última vez que Chantereau recebeu qualquer prova dos raptores de que os chimpanzés ainda estavam vivos, e ele está preocupado.

“Não podemos voltar à nossa vida quotidiana, estamos completamente devastados”, disse ele.

Mas Chantereau disse que o rapto não vai abalar a sua determinação em salvar os chimpanzés bebés das garras dos contrabandistas.

“Para apanhar os bebés, eles têm de matar toda a família na selva, normalmente entre 8 e 10 macacos individuais, e muitos dos bebés macacos morrerão antes de chegarem ao seu destino final”, disse Chantereau.

Muitos dos compradores dos bebés contrabandeados são pessoas ricas que querem manter animais exóticos nas suas casas, de acordo com Chantereau.

“Eles não compreendem as consequências dos seus atos, porque para um pequeno bebé chegar às suas mãos, pelo menos 10 foram mortos”, asseverou.

É também perigoso, pois os chimpanzés crescem rapidamente e um chimpanzé adulto pode matar um humano adulto com as suas próprias mãos.

Chantereau não tem esperanças quanto ao futuro. “Eu sei que infelizmente isso [os raptos] irá acontecer cada vez mais frequentemente”, afirmou.

“Todos estes animais estão a tornar-se cada vez mais raros na floresta. Nós, nos santuários, temos animais, eles são saudáveis. É evidente que é muito mais fácil para estas pessoas atacarem-nos”.

 

Fotografia no topo: César, um dos chimpanzés bebés raptados a 9 de Setembro. Foto cortesia: Jeunes Animaux Confisqués au Katanga.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados