Grupo VITA já tem pedidos de ajuda de vítimas de abusos na Igreja

Agência Lusa , MJC
21 mai 2023, 08:16
Psicóloga Rute Agulhas (Lusa/Tiago Petinga)

Na segunda-feira será ativada a linha telefónica de apoio às vítimas

O grupo VITA já começou a receber pedidos de ajuda de vítimas de abusos sexuais no contexto da Igreja, apesar de só começar na segunda-feira a receber chamadas pela linha telefónica de apoio, disse a coordenadora Rute Agulhas.

Em entrevista à Lusa na véspera da ativação da linha telefónica (disponível através do número 915090000, de segunda a sexta-feira, entre as 09:00 e as 18:00), a psicóloga escolhida pela Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) para concretizar o acompanhamento das vítimas de abusos sexuais identificadas pela Comissão Independente (CI) assumiu não ter “nenhuma expectativa formada” quanto aos números das pessoas que vão recorrer ao grupo VITA.

“Já estamos a receber pedidos de ajuda através do e-mail geral@grupovita.pt e estamos a tentar dar resposta a essas situações. Inclusive, temos outros atendimentos marcados. Significa que há algumas pessoas para quem está a ser difícil esperar pelo dia 22, portanto, estão a procurar-nos mais cedo e, naturalmente, nós respondemos desde logo a essas situações. Se vamos receber muitos ou poucos telefonemas? Não sei”, afirmou.

Quase um mês após a apresentação do grupo de acompanhamento, no dia 26 de abril, Rute Agulhas revelou que houve entretanto uma reunião com os anteriores membros da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica, a quem pediram ajuda para chegar ao contacto com as vítimas que denunciaram abusos e que deram origem a 512 testemunhos válidos de casos ocorridos entre 1950 e 2022 em contexto eclesial.

“Pedimos à CI que contactasse as pessoas que os contactaram e que tentassem ver junto dessas mesmas pessoas se estão disponíveis para ser ajudadas pelo VITA e em que medida”, referiu a psicóloga, garantindo que os “canais de comunicação estão totalmente abertos” para as vítimas: “Estamos neste momento a aguardar, não sei se estão à espera do dia 22 de maio para nos contactarem de uma forma mais direta ou se vamos ser contactados via CI”.

Acentuando as diferenças entre a CI – focada no estudo do fenómeno dos abusos sexuais na Igreja Católica Portuguesa – e o Grupo VITA, dedicado ao acompanhamento psicológico de vítimas, a coordenadora realçou também o trabalho de prevenção e tratamento que vai ser feito junto de pessoas que cometeram abusos ou que sentem esse impulso.

“A linha telefónica é para quem quer que nos deseje contactar, sejam vítimas, sejam pessoas que cometeram crime ou que podem estar em risco de cometer, sejam outras pessoas, por exemplo, uma mãe, um pai, um professor, alguém que tenha uma suspeita ou que esteja preocupado com uma situação em concreto. A linha está aberta a todas essas situações”, disse.

Segundo Rute Agulhas, a assistência será diferenciada entre vítimas e abusadores. Para as primeiras estão disponíveis a maioria dos membros do grupo VITA; para os últimos, o trabalho será essencialmente desenvolvido por dois membros da estrutura recém-criada que são especialistas na intervenção a este nível e na prevenção: Ricardo Barroso e Márcia Mota.

“Em termos da própria bolsa de psicólogos, também vamos tentar que haja sempre essa separação, porque, efetivamente, o tema é o mesmo - a violência sexual -, mas são dinâmicas muito diferentes; trabalhar com vítimas ou trabalhar com agressores são mesmo coisas muito diferentes e, portanto, as pessoas precisam também de formações diferentes”, esclareceu.

Além de Rute Agulhas, o grupo executivo do VITA é constituído por Alexandra Anciães (psicóloga com experiência de avaliação e intervenção com vítimas adultas), Joana Alexandre (psicóloga, docente universitária e investigadora na prevenção primária de abusos sexuais), Jorge Neo Costa (assistente social, intervenção com crianças e jovens em perigo), Márcia Mota (psiquiatra, especialista em Sexologia Clínica e intervenção com vítimas e agressores sexuais) e Ricardo Barroso (psicólogo e especialista em intervenção com agressores sexuais).

Relacionados

País

Mais País

Mais Lidas

Patrocinados