Estado britânico torna-se acionista de uma empresa de festas sexuais

CNN , Michelle Tohac
29 jun, 07:30
Killing Kitties

Contribuintes britânicos detêm agora oficialmente ações de uma empresa que organiza festas sexuais

Um empréstimo do governo concedido à empresa Killing Kittens para ajudá-la a atravessar a pandemia converteu-se numa participação no capital da empresa, confirmou o British Business Bank na terça-feira.

A Killing Kittens, que organiza festas de adultos lideradas por mulheres em cidades incluindo Londres e Nova Iorque, garantiu o investimento em 2020 do Future Fund do governo britânico, que foi concebido para ajudar as startups a sobreviverem à pandemia do coronavírus.

A empresa foi fundada por Emma Sayle em 2005, e organiza festas só para membros em locais exclusivos onde os "estereótipos de género estabelecidos" são desafiados, de acordo com o seu website. Registou um aumento de 330% no tráfego no seu website durante os bloqueios do coronavírus, e agora chama-se a si própria "a rede social adulta de crescimento mais rápido".

A certa altura, a pandemia forçou a empresa a alterar todos os seus eventos e workshops online, acelerando os planos existentes para entrar na indústria da tecnologia do sexo - um sector em rápido crescimento que engloba produtos e negócios focados em melhorar experiências sexuais.

A Killing Kittens tem agora uma aplicação móvel que permite aos utilizadores conhecerem-se uns aos outros "para encontros casuais, amizade, parceiros de sexo ou uma relação a longo prazo", de acordo com uma descrição no seu website.

O Future Fund do governo concedeu anteriormente à empresa um empréstimo de 170 mil libras (cerca de 210 mil euros). O programa, que é financiado a partir de receitas fiscais, fornece tipicamente um financiamento de dívida entre 125 mil e cinco milhões de libras (entre 145 mil e 5,5 milhões de euros) a empresas, sujeito a um financiamento pelo menos equivalente de investidores privados.

O governo adquiriu participações em muitas outras empresas através do fundo. A partir deste mês de março, 337 empréstimos convertíveis que tinham sido concedidos a empresas de todo o país também se transformaram em ações, depois de esses players terem angariado mais fundos.

Questionado sobre o investimento do K KITTEN na terça-feira, um porta-voz do British Business Bank disse que "candidaturas que preenchiam todos os critérios de elegibilidade receberam investimento".

"O future Fund utilizou um conjunto de termos padrão com critérios de elegibilidade publicados", acrescentou o representante numa declaração. "O processo proporcionou uma forma clara e eficiente de disponibilizar o financiamento tão ampla e rapidamente quanto possível sem a necessidade de longas negociações".

A Kittten não respondeu imediatamente a um pedido de comentários.

Após o investimento inicial em 2020, Sayle brincou que nunca "tinha previsto ter Boris como um acionista silencioso", referindo-se ao primeiro-ministro britânico Boris Johnson.

Patrocinados