Boris Johnson agarra-se ao poder: quanta humilhação pode ele suportar mais? (análise)

CNN , Luke McGee
6 jul, 15:11

Boris Johnson está mergulhado noutra crise. Desta vez, pode mesmo ser "game over". Keir Starmer, líder da oposição, descreve os esforços do PM para se agarrar ao poder como “um espectáculo patético”, chamando aos seus apoiantes “um elenco de lista Z de cães que acenam com a cabeça”

O governo conservador de Boris Johnson está numa profunda crise, mergulhado mais uma vez num escândalo que é, pelo menos em parte, da autoria do Primeiro-Ministro.

E desta vez, é muito pior do que todas as outras vezes.

Na terça-feira à noite, depois de dias em que Downing Street tinha estado na corda bamba pela forma como lidou com alegações de má conduta sexual por parte de um membro do governo, dois ministros superiores do Governo demitiram-se.

O secretário da Saúde, Sajid Javid, disse que não podia "em boa consciência" continuar. O ministro das Finanças, Rishi Sunak, também se demitiu, dizendo que as pessoas "esperam, com razão, que o governo seja conduzido de forma adequada, competente e séria". Desde então, mais dois ministros demitiram-se e vários membros conservadores do Parlamento retiraram publicamente o seu apoio à liderança de Johnson.

Johnson continua a controlar o seu próprio destino, por enquanto. As regras do Partido Conservador ditam que se um líder ganhar um voto de confiança, como aconteceu em junho, fica imune a outro desafio durante 12 meses.

No entanto, o caso de Johnson é tão grave que é possível que o Comité dos Conservadores de 1922 possa reescrever as regras para se livrar dele.

Espera-se que o executivo de 1922 se reúna quarta-feira a fim de fixar uma data para as eleições sobre quem deve fazer parte do comité. Se um número suficientemente grande de deputados anti-Boris for eleito para o executivo, então as hipóteses de as regras mudarem aumentam dramaticamente.

Até chegarmos esse ponto, a verdadeira questão é: quanta humilhação pública pode o PM suportar?

Mais ministros irão certamente demitir-se e fontes da oposição estão a falar da perspectiva de deserções. Nas perguntas do primeiro-ministro na quarta-feira, Johnson disse "o trabalho de um primeiro-ministro em circunstâncias difíceis, quando lhe foi entregue um mandato colossal, é continuar e é isso que eu vou fazer".

Mas ele foi esventrado por deputados da oposição, com o líder trabalhista, Keir Starmer, a descrever os seus esforços para se agarrar ao poder como sendo “um espectáculo patético” e a chamar aos seus restantes apoiantes “um elenco de lista Z de cães que acenam com a cabeça”.

A causa imediata da crise foi a quebra depois da demissão, na quinta-feira passada, do vice-chefe Chris Pincher, entre alegações de que ele tinha apalpado dois convidados num jantar privado na noite anterior. Embora não tenha admitido diretamente as alegações, Pincher disse numa carta a Johnson que "ontem à noite bebi demais" e "envergonhei-me a mim e a outras pessoas".

O que causou problemas mais profundos a Johnson, contudo, foram as contorções em que os assessores de imprensa de Downing Street se envolveram para tentar explicar porque é que Pincher esteve sequer no governo, após uma vaga de revelações da sua conduta anterior. Na terça-feira, um antigo funcionário público sénior publicou uma carta acusando efetivamente Downing Street de não dizer a verdade quando afirmou que o primeiro-ministro não tinha conhecimento de pelo menos uma das acusações históricas.

Num esforço para traçar uma linha que estancasse a controvérsia, Johnson emitiu uma declaração em que pedia desculpa e dizia que errara ao ter reconduzido Pincher ao gabinete - que, ironicamente, é responsável pela disciplina partidária - no início deste ano. Mas isso foi ultrapassado em minutos pela demissão dos dois membros do Gabinete.

No Parlamento, na quarta-feira, ele disse "arrepender-se muito" de promover Pincher apesar das preocupações sobre o seu comportamento, acrescentando: "Em retrospetiva, deveria ter percebido que ele não iria mudar".

Os detalhes sobre como Downing Street se meteu numa tal confusão ainda estão por saber. No início, quando novos relatos da conduta histórica de Pincher surgiram à luz da sua demissão, Downing Street inicialmente negou que o primeiro-ministro soubesse alguma coisa sobre as alegações.

Quando se tornou claro que isto não iria tornar-se credível, a equipa de Johnson disse que ele tinha conhecimento das alegações históricas, mas que elas tinham sido "resolvidas". Quando se soube que uma das alegações anteriormente não relatadas contra Pincher se mantinha, o porta-voz de Johnson explicou que "resolvida" poderia significar que ela se mantinha.

Na terça-feira de manhã, Simon McDonald, antigo funcionário público de topo do Ministério dos Negócios Estrangeiros, revelou que Johnson tinha sido informado pessoalmente sobre o resultado de uma investigação sobre a conduta de Pincher.

Independentemente de qualquer justificação que Downing Street tenha tentado dar, o juízo de Johnson - e a forma como lidou com esta última crise - está agora sob sérias reservas.

Um tema comum da pletora de escândalos que o rodeiam - desde o "Partygate", quando Johnson foi multado pela polícia por violar as regras de confinamento, até às suas tentativas de proteger um deputado que tinha violado as regras de lobbying - é como o governo desvia as atenções do problema inicial.

"A maior ameaça a este governo é a sua própria espantosa incompetência", disse um alto funcionário do governo. "A disciplina foi completamente desfeita".

"A equipa em torno do primeiro-ministro parece não fazer ideia de como isto está a correr mal", acrescentaram. "Ninguém é bom a dar entrevistas. Não podemos acreditar numa única linha. Perdemos completamente o controlo".

Um ministro do governo disse à CNN que eles acreditam que um problema chave é a forma como Johnson dá o tom a comportamentos. "É difícil para alguém com uma vida pessoal tão colorida como a sua repreender as pessoas por se comportarem de forma inadequada", afirmou.

A crescente sensação de caos - e a opinião de que o governo perdeu o controlo de mais uma história - não está a fazer nada pelos Conservadores que pensam que Johnson se tornou a maior desilusão eleitoral do partido.

Tanto os índices de aprovação pessoal do primeiro-ministro como os números das sondagens do partido caíram desde que o escândalo do Partygate rebentou. A confiança em Johnson, como líder, parece estar a ir abaixo tanto com o público como com os seus próprios deputados. Os legisladores do Partido Conservador tentaram - e falharam - destituí-lo no mês passado.

Mas os deputados conservadores começam a perder a esperança de que, mesmo que Johnson seja afastado do poder, seja possível desfazer os danos que ele causou ao partido antes das próximas eleições, agendadas para 2024.

Ainda mais preocupante para aqueles que perderam a fé no PM é o facto de que ele parece determinado a continuar a lutar.

Isto alarma os deputados conservadores, especialmente aqueles que se encontram em lugares marginais e que quase perderam a esperança de os manter. Poucos acham que Johnson tem um controlo real sobre como as coisas ficaram más - e não conseguem ver uma forma de fazer o primeiro-ministro ganhe bom-senso.

O mau tratamento pelo governo quanto à demissão de Pincher significa que o escândalo está agora ligado pessoalmente a Johnson. Foi ele quem escolheu nomear Pincher para um cargo de topo no governo - apesar de saber quão graves eram as alegações contra ele, e apesar de saber que se mantinha uma queixa contra ele.

Durante anos, o principal ponto a favor de Johnson foi a sua capacidade de ligação pessoal com os eleitores. A sua marca de populismo otimista era - assim pensavam os deputados conservadores - a força da natureza que fez com que a maioria do povo britânico votasse a favor de Brexit em 2016 e desse aos conservadores uma maioria parlamentar em 2019.

Mas à medida que o governo de Johnson se desvia de uma crise para entrar noutra, os seus deputados temem agora estar a aprender da forma mais difícil o que acontece quando um populista perde a sua popularidade.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados