Os monarcas britânicos não devem ter opiniões. Ao contrário de Isabel II, Carlos III já exprimiu muitas

CNN , Análise de Luke McGee
26 set, 22:00
Rei Carlos III (AP Photo)

A morte da Rainha Isabel II marcou o fim de uma era para a monarquia em vários aspetos. Foi o último membro da realeza sénior de uma geração que em breve parecerá de outro mundo aos monárquicos modernos.

Durante os seus 70 anos no trono, Isabel deu apenas uma entrevista nos média que se limitou ao tema da sua coroação. Nunca formulou publicamente uma opinião forte sobre qualquer assunto que pudesse ser considerado político ou controverso. Evitou qualquer tipo de intervenção pública sobre a forma como as instituições públicas do Reino Unido devem ser geridas.

Na verdade, os momentos políticos mais controversos durante o reinado de Isabel surgiram da indiscrição de terceiros.

O antigo primeiro-ministro do Reino Unido David Cameron disse que a rainha "ronronou" deleitada quando a Escócia votou para continuar a fazer parte do Reino Unido no referendo sobre a independência de 2014. O jornal The Sun especulou em 2016 que a Rainha apoiava o Brexit, algo que a ex-diretora de comunicação do Palácio de Buckingham, Sally Osman, foi rápida a desmentir numa entrevista na CNN no início da semana passada.

Compare-se isto com a realeza que agora conduz a monarquia a um novo e mais incerto futuro. O filho mais velho de Isabel, agora rei Carlos III, envergonhou a família quando cartas que escreveu ao ex-primeiro-ministro Tony Blair entre 2004 e 2005 foram publicadas.

O Rei Carlos reage quando um membro do público lhe entrega um desenho da sua falecida mãe, num encontro com pessoas que esperavam na fila para prestar homenagem à rainha, a 17 de setembro de 2022.

Embora as cartas parecessem bastante inócuas, centrando-se em coisas como subsídios para agricultores e, curiosamente, os méritos de publicar cartas privadas como estas, o facto de o primeiro na linha de sucessão ao trono estar mais do que disposto a exprimir opiniões políticas ao primeiro-ministro alarmou aqueles que apoiaram a convenção de que a monarquia é apolítica.

Carlos, de forma controversa, também apoiou o uso de dinheiro público para providenciar homeopatia no Serviço Nacional de Saúde financiado pelo Estado do Reino Unido. O NHS England disse em 2017 que deixaria de financiar a homeopatia porque a "falta de provas da sua eficácia não justificava os custos".

Por muito pouco importante que a opinião de Carlos sobre estes assuntos possa ter parecido na altura, vale a pena lembrar que durante todo o seu reinado não sabíamos praticamente nada sobre as opiniões pessoais de Isabel II, muito menos como achava que os fundos do Governo deviam ser distribuídos.

"A monarquia tem grande poder indireto na medida em que pode influenciar a opinião pública sobre um assunto, que é indiscutivelmente mais importante do que os lóbis dos ministros", diz Kate Williams, historiadora real e professora de envolvimento público com história na Universidade de Reading do Reino Unido.

Kate relembra o momento em que Isabel II declarou que os eleitores escoceses deviam "pensar cuidadosamente no futuro" à saída de um serviço religioso na Escócia antes do referendo de 2014. "Embora esse comentário isoladamente fosse provavelmente destinado a ser neutro, no contexto do referendo ambas as partes poderiam alegar que era um apoio à rejeição da independência", acrescenta Williams.

Opiniões mordazes sobre os meios de comunicação

A confusão aparentemente incompatível de um monarca que partilha pontos de vista sobre tais assuntos, enquanto permanece apolítico, torna-se tanto mais obscura quanto mais nos afastamos da falecida rainha.

O príncipe e a princesa de Gales eram, tal como o duque e a duquesa de Cambridge, ativistas muito públicos da saúde mental. William, que assumirá o trono depois de Carlos, falou publicamente sobre as suas próprias lutas com a saúde mental, particularmente após a morte da sua mãe, Diana, princesa de Gales.

William também usou a sua influência para se manifestar contra o racismo no futebol, insinuando fortemente, numa altura em que havia enorme controvérsia no desporto, que apoiava os jogadores que se ajoelhavam antes dos jogos, um problema que tem provocado enormes críticas em muitos clubes de futebol no Reino Unido.

E o agora primeiro na linha de sucessão tem tido uma relação difícil com os meios de comunicação britânicos, particularmente com a BBC, após revelações de que um dos seus jornalistas, Martin Bashir, tinha usado métodos abomináveis para garantir uma entrevista com a sua mãe quando ela estava extremamente vulnerável após o divórcio de Charles.

William, príncipe de Gales conduz o seu irmão príncipe Harry, duque de Sussex, seguido pelos primos à vigília à volta do caixão da avó, Rainha Isabel II, a 17 de setembro de 2022.

Neste momento, o apoio à monarquia é elevado. Assistimos ao luto de tantos pela falecida Isabel II, e solidariedade para com o novo rei, ao assumir o papel da sua vida enquanto chorava a mãe. Mas isso não significa que o apoio se mantenha elevado para sempre.

Charles, num documentário da BBC filmado para o seu 70.º aniversário em 2018, prometeu que não se iria intrometer em assuntos controversos logo que se tornasse rei. Questionado especificamente se a sua campanha iria continuar, disse: "Não, não vai. Não sou assim tão estúpido."

E acrescentou: "Tentei certificar-me de que tudo o que fiz foi política não partidária, mas acho que é vital lembrar que só há espaço para um soberano de cada vez, não dois. Então, não se pode ser o mesmo que o soberano se se for o príncipe de Gales ou o herdeiro."

No entanto, o problema que o rei e o seu herdeiro enfrentam é não poderem desdizer os comentários que fizeram. E o facto de estas opiniões existirem, irá inevitavelmente afetar a relação deles com o público nos anos que se seguem, à medida que nos afastamos da era da inescrutável Isabel II.

Dito isto, o republicanismo nunca foi muito popular no Reino Unido. Ainda na semana passada, durante os eventos oficiais, os protestos limitaram-se principalmente a um pequeno grupo de pessoas, muitas das quais pouco mais fizeram do que empunhar pedaços de papel. Uma reação desproporcionada da polícia, na qual alguns manifestantes foram presos, levou a alguma cobertura mediática e a protestos, mas não alterou os indicadores contra a realeza de maneira significativa.

Minada a capacidade de permanecer neutro

Isabel II era uma monarca particularmente popular. A maioria das pesquisas públicas sobre o assunto mostram que os monárquicos mais velhos acham que o seu relativo silêncio, em comparação com os seus sucessores, foi digno e preservada a integridade da coroa.

Muitos destes apoiantes tradicionais, no entanto, têm sido historicamente céticos em relação a Carlos e preferem que ele siga as pisadas da mãe.

Inversamente, a falecida rainha era popular entre os monárquicos mais jovens, apesar do seu silêncio. É difícil identificar o porquê, mas é plausível ser apenas consequência de Isabel II sempre ter estado no trono e os mais novos não conhecerem outra realidade.

No entanto, o que também é claro é que os mais jovens monárquicos aprovam que a família real fale sobre questões que anteriormente teriam sido consideradas demasiado controversas para a rainha.

"É inteiramente possível que a geração que acha que a realeza deve manter a boca calada e não falar sobre questões como os direitos das mulheres e a saúde mental se desvaneça", diz Joe Twyman, diretor da organização de investigação política Deltapoll.

O Príncipe William, o Rei Carlos III, a Princesa Ana e o Príncipe Harry seguem o caixão da Rainha Isabel II durante uma procissão do Palácio de Buckingham para Westminster Hall a 14 de setembro de 2022.

"Para pessoas de uma certa geração, a ideia de fazer uma vénia à avó sempre que está perante ela só porque ela é a rainha parece uma loucura", acrescentou, em referência à menção após a entrevista de Meghan Markle com Oprah Winfrey no ano passado, na qual ela descreveu como achou surreal a vida real às vezes.

Este conflito no papel preciso do monarca é importante porque a instituição vive ou morre consoante o público achar que vale a pena ou não.

É provável que haja sempre monárquicos tradicionais que defendam todas as suas ações desde que não evolua ou se modernize. Tendem a ser os mais ardentes no apoio.

No entanto, este grupo provavelmente tornar-se-á uma minoria antes de William assumir o trono. Se Carlos viver até aos 99 anos, como o seu pai, William só se tornará rei em 2048. Nenhum cientista social credível poderia dizer com confiança quais atitudes públicas em relação a qualquer coisa se vão ver até lá, seja a família real, as alterações climáticas, ou a igualdade racial.

O facto de o rei e o seu herdeiro já terem dito coisas sobre todas estas questões irá minar drasticamente a capacidade de ambos se manterem neutros em tais questões que estão a ser levantadas no futuro, algo que, por muito grave que seja o assunto, é esperado do soberano.

A verdade é que as suas opiniões percecionadas sobre qualquer uma destas questões, mesmo que baseadas em comentários passados, continuarão a afetar as opiniões públicas e, portanto, a política. Se a má opinião de William sobre a BBC leva a que mais britânicos pensem que o financiamento público deve ser retirado nos anos vindouros, como é que os políticos vão reagir a essa pressão?

A monarquia não tem de abordar estas questões há algum tempo porque, enquanto Isabel II esteve no trono, a visão pública da família e o seu papel era em grande parte estável.

Essa era acabou verdadeiramente. Agora, Charles e William devem navegar por tempos menos certos, equilibrando visões antigas e novas de quem eles são contra a pressão de serem chefes de Estado apolíticos. E, ao contrário de Isabel II, eles vão fazê-lo sabendo que a popularidade em que confiam será menos garantida do que em qualquer ponto do reinado de 70 anos da monarca, o mais longo de sempre.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados