Quanto é que já deveria ter poupado para a reforma na sua idade? É complicado

CNN , Jeanne Sahadi
10 jun 2023, 15:00
Quanto é que já deveria ter poupado para a reforma na sua idade? É complicado. Foto: Riska/E+/Getty Images

As estimativas de uma empresa norte-americana para um trabalhador nos Estados Unidos

É fácil sentirmo-nos eufóricos ou desanimados quando usamos métricas externas para comparar o ponto em que estamos na nossa vida financeira com o ponto em que "deveríamos" estar para a nossa idade. 

Isto pode ser especialmente verdadeiro quando se trata de poupanças nos Estados Unidos. Isto deve-se ao facto de os trabalhadores já raramente receberem pensões e de a rede de segurança social não cobrir totalmente as despesas da maioria dos reformados, o que coloca sobre cada um o ónus de construir o seu próprio pé-de-meia. 

Assim, quer tenha 35, 45 ou 65 anos, a pergunta que muitos fazem é: "As minhas poupanças estão no bom caminho para me darem o que vou precisar quando me reformar?" 

Para obter uma resposta aproximada, existem muitos indicadores de referência a ter em conta. Mas saiba que estes não são, de forma alguma, o veredicto final sobre o seu desempenho. 

Porquê? Porque a sua vida é complexa, tem muitos objetivos financeiros concorrentes e o que vai precisar individualmente quando se reformar não se reflete necessariamente em valores de referência generalizados, que fazem suposições sobre os seus rendimentos, taxas de poupança e de levantamento, rendimentos do mercado, impostos e outros fatores. Não se esqueça disso, especialmente se estiver desanimado por as suas poupanças não corresponderem atualmente aos objetivos recomendados para a sua idade. Voltamos a este assunto mais abaixo. 

Uma estimativa muito aproximada 

Uma das referências mais flexíveis de poupanças para a reforma com base na idade vem da empresa de fundos mútuos e de planos de reforma T. Rowe Price. 

Os analistas da T. Rowe Price têm como objetivo fazer recomendações que deem à maioria das pessoas uma boa probabilidade de não ficarem sem dinheiro na reforma, que pode durar até 30 anos. 

Entre as suas suposições, eles assumem que as suas poupanças para a reforma estão num plano de poupança para a reforma com impostos diferidos, o que significa que terá de pagar imposto sobre o rendimento quando fizer levantamentos quando estiver reformado. Assumem também que se irá reformar aos 65 anos e que vai levantar 4% por ano da sua poupança. Assumem ainda que começou a poupar quando era um jovem adulto, inicialmente guardando 6% do seu rendimento e depois aumentando as suas contribuições em 1% por ano até atingir um determinado limite. 

Com base nestes pressupostos, eis o que sugerem que as pessoas deveriam idealmente ter em poupanças, representado como um múltiplo do seu rendimento nessa determinada idade. 

30 anos: metade do rendimento bruto atual do agregado familiar 

35 anos: Entre um ano de rendimento e 1,5 vezes 

Idade 40: 1,5 vezes a 2,5 vezes 

45 anos: 2 vezes a 4 vezes 

Idade 50: 3 vezes a 6 vezes 

Idade 55 anos: 4,5 vezes a 8 vezes 

Idade 60 anos: 5,5 vezes a 11 vezes 

Idade 65 anos: 7 vezes a 13,5 vezes 

Assim, por exemplo, se tiver 35 anos e um rendimento de 50.000 dólares, o ideal seria ter 50.000 a 75.000 dólares de reserva para a reforma. 

Aos 55 anos, se o seu rendimento familiar tiver aumentado para $100.000, o ideal seria que as suas poupanças variassem entre $450.000 e $800.000. 

Mas o problema é o seguinte... 

É provável que as poupanças de muitos americanos se situem no nível mais baixo ou abaixo do nível recomendado para a sua idade. O mais recente inquérito sobre a confiança na reforma do Employee Benefit Research Institute, por exemplo, revelou que apenas 36% dos inquiridos avaliaram o valor total das suas poupanças e investimentos em 250.000 dólares ou mais. 

Mas há muitas razões para não desanimar se as suas poupanças atuais estiverem abaixo do objetivo sugerido. 

Por exemplo, se for casado, avalie os seus rendimentos e poupanças em conjunto com o seu cônjuge. Isso dar-lhe-á uma melhor leitura dos recursos que estarão disponíveis para si. Se tiver património na sua casa, isso pode reforçar a sua segurança na reforma se vender a casa e reduzir o tamanho ou se mudar para uma zona de custos mais baixos. 

Não se esqueça também que, embora os objetivos se baseiem na possibilidade de nunca ficar sem dinheiro, isso também significa que atingir esses objetivos lhe dará uma boa probabilidade de morrer com muito dinheiro de sobra. Isso pode não ser uma prioridade para si. Ou pode planear trabalhar para além dos 65 anos, o que dará às suas poupanças mais tempo para se acumularem. 

No entanto, um valor de referência pode constituir um objetivo a atingir. Se não estiver no objetivo escolhido mas quiser estar, a T. Rowe Price tem uma tabela para o ajudar a avaliar quanto mais pode poupar anualmente com base nas suas poupanças atuais. (Outro fornecedor de planos de poupança para a reforma também podem disponibilizar uma calculadora online para avaliar quanto mais pode poupar para atingir diferentes objetivos). 

Uma pessoa de 40 anos com o equivalente a um ano de salário poupado, por exemplo, pode querer aumentar as suas poupanças anuais para 17% do seu rendimento familiar no futuro. Esta percentagem inclui qualquer contribuição equivalente que a entidade patronal ofereça. 

Quando os valores de referência não lhe dizem muito 

Quanto mais se aproxima da reforma, menos úteis são os valores de referência gerais como guia para saber se está no bom caminho – porque o que tem de considerar são as particularidades da sua vida real. 

A forma como vive na realidade – as suas necessidades e desejos e quanto custam – deve guiar a sua reflexão sobre se as suas poupanças estão "no bom caminho", afirma Ann Minnium, planeadora financeira certificada de Nova Jersey. 

"As pessoas utilizam valores de referência e sentem-se confiantes na sua posição, sem se aperceberem de que as despesas são o principal problema", afirma Minnium. "Tive dois clientes reformados diferentes que vieram ter comigo com a mesma quantia de dinheiro. Um dos planos parecia ótimo. O outro era péssimo. Isto deveu-se ao estilo de vida que cada cliente queria ter." 

Simplificando, "eu diria que se as pessoas pouparem 15% a 18% do seu salário anualmente a partir do primeiro emprego, estarão em boa posição para a reforma", sugere. 

É claro que isso está fora do alcance de muitas pessoas. Mas isso não significa que não possa fazer mais para engordar o seu pé-de-meia. Mesmo que não possa poupar tanto para a reforma como recomendado, diz o planeador financeiro certificado Roger Young, vice-presidente da T. Rowe Price, tente pelo menos poupar o suficiente no seu acordo salarial para garantir uma contribuição equivalente do seu empregador. 

Esta equivalência é dinheiro grátis para si (e uma parte da sua remuneração total). Por isso, certificar-se de que recebe tudo pode contribuir muito para reforçar a sua segurança financeira.

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados