Rastreio ao cancro oral vai abranger quase 4.000 reclusos de 20 prisões

Agência Lusa , CF
10 fev 2023, 18:43
Prisão

Cancro oral é o sexto mais comum em todo o mundo, sendo mais frequente nos homens acima dos 40 anos - perfil que se encaixa na maior parte da população reclusa

Quase quatro mil reclusos de todo o país vão ser alvo de um rastreio ao cancro oral, uma iniciativa que arranca no sábado no estabelecimento prisional da Carregueira, anunciou esta sexta-feira a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).

Esta campanha decorre de um protocolo assinado com a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) em outubro e vai abranger 20 estabelecimentos prisionais, num total de cerca de 3.830 reclusos (homens e mulheres), adiantou a LPCC em comunicado.

Segundo a liga, os rastreios aos reclusos com 40 ou mais anos consistem numa consulta com um médico dentista, que permitirá identificar casos suspeitos ou lesões pré-malignas, que serão encaminhadas para acompanhamento no Serviço Nacional de Saúde.

“A realização de um projeto-piloto de rastreio ao cancro oral, recentemente promovido pela LPCC no Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL), foi o ponto de partida para a identificação da necessidade de estender o rastreio ao resto do país”, referiu.

Dados da LPCC indicam que o cancro oral, identificado com um conjunto de tumores malignos que afetam qualquer localização da cavidade oral, dos lábios à garganta, é o sexto mais comum em todo o mundo e corresponde a cerca de 2,8% de todas as neoplasias, sendo mais frequente nos homens acima dos 40 anos.

“Face à experiência que tivemos no EPL, com elevada participação dos reclusos, e onde foram detetados uma lesão maligna e duas lesões pré-malignas, a LPCC decidiu estender o rastreio a outros estabelecimentos prisionais do país, com o apoio da DGRSP”, adiantou o presidente da liga Francisco Cavaleiro de Ferreira, citado no comunicado.

A maior parte da população reclusa é do sexo masculino (cerca de 93%), sendo que 52% tem idade igual ou superior a 40 anos, com elevada prevalência de consumo de tabaco, um dos principais fatores de risco para o cancro oral, em conjunto com o álcool.

“O índice de mortalidade do cancro oral é elevado, pois por norma é assintomático e o diagnóstico precoce e a realização de rastreios a única forma de obter um melhor prognóstico quer para o tratamento, quer para a sobrevida”, salientou ainda a LPCC, uma associação privada criada em 1941.

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados