Rainha Isabel II não irá a Londres nomear novo primeiro-ministro britânico pela primeira vez no seu reinado

CNN , Max Foster e Lauren Said-Moorhouse
31 ago, 11:53
Rainha Isabel II na varanda do Palácio de Buckingham

Monarca não fará viagem ao Palácio de Buckingham para receber Boris Johnson e o seu (ou sua) sucessor(a). Dois nomes estão a votação, que acontecerá na próxima semana.

A rainha Isabel II receberá o próximo primeiro-ministro do Reino Unido na sua residência em Balmoral em vez de no Palácio de Buckingham em Londres - uma estreia histórica no seu reinado de 70 anos.

Um porta-voz do Palácio de Buckingham disse que a monarca de 96 anos não fará a viagem de ida e volta de 1.600 quilómetros da Escócia e, em vez disso, o líder cessante Boris Johnson viajará de Londres para norte a 6 de setembro, seguido de uma audiência com o seu sucessor.

Johnson ficou com poucas opções a não ser a renunciar ao cargo de líder do Partido Conservador no início de julho, após meses de escândalos que abalaram o seu governo e levaram a dezenas de demissões ministeriais. O seu anúncio espoletou uma corrida pela liderança com um vasto campo de concorrentes reduzir-se a dois: a Secretária dos Negócios Estrangeiros Liz Truss e o ex-Chanceler Rishi Sunak.

A dupla passou o Verão a tentar angariar apoio entre os 160 mil membros do partido. O resultado da votação será anunciado na segunda-feira.

Como líder do maior partido do Parlamento, o vencedor será convidado pela Rainha para formar o próximo governo e tornar-se o seu 15º primeiro-ministro.

A Rainha encontra-se com Boris Johnson no Palácio de Buckingham em Junho de 2021. Getty Images

A nomeação de um novo primeiro-ministro é uma das principais responsabilidades cerimoniais da Rainha enquanto Chefe de Estado - sendo outras a Abertura Estatal do Parlamento e a assinatura de projetos de lei parlamentares. Em maio, os Príncipes Carlos e Guilherme ocuparam o centro do palco do grande evento, com o herdeiro ao trono a ler a agenda legislativa do governo para o ano seguinte em nome da sua mãe.

Foi a primeira vez que a Rainha falhou o acontecimento em 59 anos. O palácio citou os "problemas episódicos de mobilidade" do monarca, mas recusou-se a divulgar mais pormenores, citando a confidencialidade dos pacientes. Estes problemas contínuos, que enfrentou durante quase um ano desde uma breve estadia hospitalar em outubro passado, também dificultaram a sua presença em outras ocasiões, incluindo as celebrações do seu Jubileu de Platina em junho.

A cerimónia da próxima semana será a primeira em que um primeiro-ministro apresenta oficialmente a sua demissão ou é nomeado fora do Palácio de Buckingham durante as sete décadas em que a Rainha está no trono.

Vários acontecimentos ao longo dos últimos 12 meses foram modificados para "conforto" da Rainha, sendo um dos exemplos mais recentes a sua chegada ao Castelo de Balmoral no início deste mês. O momento é tradicionalmente marcado por uma guarda de honra às portas da extensa propriedade, mas a inspeção das tropas deste ano foi realizada em privado.

Europa

Mais Europa

Patrocinados