O simbolismo por detrás da surpresa da Rainha no Jubileu

CNN , Lauren Said-Moorhouse e Max Foster
7 jun, 12:00
Jubileu de Platina da rainha Isabel II, Londres, junho de 2022

ANÁLISE. Isabel II tinha faltado a parte dos eventos organizados para o Jubileu de Platina. Mas no último dia assomou à varanda. E isso tem um significado.

Foi o final perfeito para uns quatro dias triunfantes de celebrações do Jubileu de Platina: Sua Majestade surpreendeu as multidões com uma aparição na varanda do Palácio de Buckingham.

Claro, os foliões em baixo tinham vindo assistir ao final, e muitos esperavam calmamente um vislumbre da própria monarca. A Rainha, bem ciente disto e sempre comprometida com os seus deveres, não teria querido desapontar.

Fez sempre parte do plano a Rainha aparecer, mas com os seus problemas de mobilidade a limitá-la, a sua presença ao longo das festividades só ia sendo confirmada dia após dia. Neste caso, só recebemos notícias com cerca de uma hora de antecedência.

Os espectadores com “olho de águia” foram avisados de que algo estava a ser preparado apenas alguns minutos mais tarde, quando a bandeira real foi hasteada sobre o palácio - o sinal de que a monarca estava na residência.

Foi um fim-de-semana de júbilo - uma celebração dos 70 anos do reinado da Rainha, que tocou sobre os seus muitos desafios, as suas responsabilidades mundiais como líder da Commonwealth, e até os seus interesses pessoais.

Poucos teriam esperado que a jovem de 96 anos aparecesse em cada evento, mas a sua ausência após a sessão de abertura de quinta-feira fez muitas sentir a falta da sua monarca, suscitando mais uma vez preocupações com a sua saúde.

Este fim-de-semana, Charles assumiu a responsabilidade de representar a monarca em várias ocasiões, incluindo no desfile de domingo, onde recebeu uma saudação dos soldados e oficiais no topo da procissão, à medida que esta passava.

No futuro, veremos o Príncipe de Gales a subir mais vezes ao palco - algo a que até a Rainha aludiu na sua mensagem de agradecimento, divulgada no domingo à noite.

"Embora eu possa não ter assistido pessoalmente a todos os acontecimentos, o meu coração tem estado convosco; e continuo empenhada em servir-vos o melhor possível, apoiada pela minha família", afirmou.

Consciente da visibilidade em torno do seu Jubileu de Platina, sem precedentes, a Rainha certificou-se em dar ao público um olhar sobre o futuro da monarquia, optando por ter os próximos três reis britânicos - os Príncipes Carlos, William e George - ao seu lado na varanda.

Uma visão do futuro da monarquia já tinha sido apresentada em alguns dos eventos do jubileu através da inclusão dos reais mais novos - nomeadamente as crianças de Cambridge, que apareceram na frente e no centro do camarote real, tanto no concerto de sábado à noite como no desfile um dia depois.

Com uma vida inteira de serviço perante eles, este fim-de-semana demonstrou às crianças o que o papel real implica e os holofotes que irão partilhar nos próximos anos, ao mesmo tempo que ofereceu ao público um raro vislumbre de um lado menos formal da dinâmica da família real.

A Rainha disse também que estava “honrada” com as celebrações. Um dos seus maiores pontos fortes nas últimas sete décadas tem sido a sua capacidade de unir as pessoas, e através das celebrações jubilares ela queria fazê-lo mais uma vez. A Rainha acrescentou que esperava “que este renovado sentido de união seja sentido durante muitos anos”. A sua mensagem então também falou da divisão e da agitação que a sociedade - e a sua família - tem enfrentado nos últimos anos.

Emily Nash, colaboradora de realeza da CNN e editora de realeza da revista Hello!, disse que o jubileu também ofereceu à família uma oportunidade de fazer um reinício, depois de um período tumultuoso.

"Isto é a marca real por excelência. Eles estão lá fora, com um aspeto fantástico, alegre e glorioso, tal como seria de esperar a partir dos postais. E realmente, após um terrível par de anos, este é até certo ponto um exercício de uma nova marca. Trata-se de recordar às pessoas o que a família real faz melhor e apresentar a sua versão idealizada que as pessoas em todo o mundo conhecem e amam".

Nem toda a gente no Reino Unido foi absorvida pelas celebrações jubilares. Enquanto multidões se aglomeravam na capital, alguns jovens britânicos evitavam ativamente as festividades, dizendo que não tinham fé na Coroa e que esta não era representativa da Grã-Bretanha moderna. Resta saber se eles foram influenciados pelos acontecimentos dos últimos dias.

No entanto, as celebrações conquistaram os corações e mentes de muitos no país e em todo o mundo. Estima-se que mil milhões de pessoas assistiram ao “People’s Pageant” no domingo. Para uma Rainha no crepúsculo do seu reinado, deve ter-lhe dado um grande sentido de otimismo ver milhares de pessoas a invadir as ruas e esperar que a monarquia esteja a modernizar-se o suficiente para virar uma esquina.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados