Porque foram as abelhas informadas da morte da rainha Isabel II?

20 set, 09:57
Rainha Isabel II e as abelhas (Andrew Milligan/PA Images via Getty Images)

Responsável das colmeias reais cumpriu um ritual secular no Palácio de Buckhingham e na Clarence House

A notícia da morte da rainha Isabel II correu os quatro cantos do mundo e foi transmitida de todas as formas possíveis, tentando não deixar ninguém de fora, nem mesmo os animais.

De acordo com o Daily Mail, no dia a seguir à morte da monarca, o responsável pelas colmeias da rainha, John Chapple, viajou entre o Palácio de Buckingham e a Clarence House para comunicar a morte da rainha Isabel II às abelhas e que estas têm um novo monarca para servir.

Assim, Chapple aproximou-se de cada colmeia e proferiu a frase "a senhora está morta, mas não se vá. O seu mestre será um bom mestre para si" antes de enrolar as colmeias num laço preto. No Palácio de Buckingham existem cinco colmeias e duas na Clarence House, sendo que cada uma contém 20 mil abelhas.

"Estou nas colmeias e é tradição quando alguém morre ir às colmeias, dizer uma pequena reza e colocar um laço preto na colmeia", explicou o responsável.

John Chapple, que trata das abelhas da família real há 15 anos, cumpriu assim o ritual secular supersticioso que, segundo o jornal El País, está enraizado em todo o mundo, sendo que se acredita que impede que as abelhas deixem de produzir mel e a colmeia morra.

A rainha Isabel II morreu, no dia 8 de setembro, aos 96 anos, no Castelo de Balmoral, rodeada pela família. A notícia foi conhecida depois de o Palácio de Buckingham ter informado que a equipa médica que acompanha a rainha estava "preocupada" com a saúde da monarca. Assim que foi dado o aviso, os príncipes Carlos e William viajaram de imediato para Balmoral para acompanhar os últimos momentos de Isabel II.

Com a morte de Isabel II, subiu ao trono o príncipe Carlos, o seu sucessor, o que tornou William no príncipe herdeiro.

Europa

Mais Europa

Patrocinados