Munições fabricadas nos EUA foram utilizadas no ataque ao campo de deslocados de Rafah, revela análise da CNN

CNN , Allegra Goodwin, Avery Schmitz e Kathleen Magramo
29 mai, 06:35
Rafah (Reuters TV)

Pelo menos 45 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas depois de um incêndio ter deflagrado na sequência do ataque militar israelita

Munições fabricadas nos Estados Unidos foram utilizadas no mortífero ataque israelita a um campo de deslocados em Rafah, no domingo, segundo uma análise da CNN do vídeo do local e uma avaliação feita por peritos em armas explosivas.

Pelo menos 45 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas depois de um incêndio ter deflagrado na sequência do ataque militar israelita nos arredores da cidade mais a sul de Gaza, a maioria das quais mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde de Gaza e médicos palestinianos.

Imagens obtidas pela CNN mostram uma grande parte do campo de Rafah em chamas, com dezenas de homens, mulheres e crianças a tentarem freneticamente proteger-se do ataque noturno. Os corpos queimados, incluindo os de crianças, podem ser vistos a ser retirados pelos socorristas dos destroços.

A escalada do ataque israelita em Rafah - onde cerca de 1,3 milhões de palestinianos se refugiavam antes de Israel ter iniciado a sua operação - suscitou uma rápida condenação internacional, com as agências das Nações Unidas, grupos de ajuda humanitária e vários governos a apelarem a Israel para que suspenda imediatamente a sua ofensiva.

Os tanques israelitas foram vistos a avançar para Rafah na terça-feira, pela primeira vez na guerra de sete meses de Israel contra o Hamas, assinalando uma nova fase da ofensiva controversa e destrutiva de Israel.

No entanto, o presidente dos EUA, Joe Biden, não alterou a sua política em relação a Israel, sugerindo que o ataque mortal a Rafah ainda não ultrapassou uma linha vermelha que obrigaria a mudanças no apoio americano, apesar de ter dito numa entrevista à CNN no início deste mês que não permitiria que certas armas americanas fossem utilizadas numa grande ofensiva em Rafah.

A CNN geolocalizou vídeos que mostram tendas em chamas no rescaldo do ataque ao campo de deslocados internos conhecido como “Kuwait Peace Camp 1”.

No vídeo partilhado nas redes sociais, que a CNN localizou geograficamente no mesmo local através da correspondência de pormenores, incluindo o sinal de entrada do campo e os azulejos no chão, é visível a ponta de uma bomba de pequeno diâmetro (SDB) GBU-39 de fabrico americano, de acordo com quatro especialistas em armas explosivas que analisaram o vídeo para a CNN.

A GBU-39, fabricada pela Boeing, é uma munição de alta precisão “concebida para atacar alvos pontuais estrategicamente importantes” e causar poucos danos colaterais, explica Chris Cobb-Smith, especialista em armas explosivas, à CNN. No entanto, “a utilização de qualquer munição, mesmo desta dimensão, implicará sempre riscos numa zona densamente povoada”, afirma Cobb-Smith, que é também antigo oficial de artilharia do exército britânico.

Trevor Ball, um antigo membro da equipa sénior de eliminação de engenhos explosivos do exército americano que também identificou o fragmento como sendo de uma GBU-39, explica à CNN como chegou à sua conclusão.

“A parte da ogiva [da munição] é distinta, e a secção de orientação e asa é extremamente única em comparação com outras munições. As secções de orientação e asa das munições são frequentemente os restos que sobram mesmo depois de uma munição detonar. Vi a secção de acionamento da cauda e soube imediatamente que era uma das variantes da SDB/GBU-39.”

Ball também conclui que, embora exista uma variante da GBU-39 conhecida como Munição de Letalidade Focada (FLM), que tem uma carga explosiva maior, mas foi concebida para causar ainda menos danos colaterais, esta não foi a variante utilizada neste caso.

“A FLM tem um corpo de ogiva composto de fibra de carbono e é preenchida com tungsténio moído até se transformar em pó. Fotos de testes da FLM mostram objetos no teste revestidos com pó de tungstênio, o que não está presente [no vídeo da cena]", afirma à CNN.

Os números de série nos restos das munições também correspondem aos de um fabricante de peças GBU-39 sediado na Califórnia - apontando para mais provas de que as bombas foram fabricadas nos EUA.

Dois outros especialistas em armas explosivas - Richard Weir, investigador sénior de crises e conflitos da Human Rights Watch, e Chris Lincoln-Jones, antigo oficial de artilharia do exército britânico e especialista em armas e alvos - identificaram o fragmento como sendo parte de uma GBU-39 fabricada nos EUA quando analisaram o vídeo para a CNN, embora não tenham conseguido comentar a variante utilizada.

Quando questionada sobre as munições utilizadas no ataque a Rafah, durante o briefing de terça-feira, a secretária de imprensa adjunta do Pentágono, Sabrina Singh, afirmou aos jornalistas: “Não sei que tipo de munição foi utilizada nesse ataque aéreo. Terei de vos remeter para os israelitas para falar sobre isso”.

A CNN também contactou o Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

Principal fornecedor de armas

Os Estados Unidos são, desde há muito, o maior fornecedor de armas de Israel, de acordo com dados do Instituto Internacional de Investigação da Paz de Estocolmo (SIPRI), e esse apoio tem-se mantido apesar da crescente pressão política exercida sobre a administração Biden por causa da ofensiva em Gaza.

No mês passado, Biden assinou uma lei de ajuda externa que incluía 26 mil milhões de dólares para o conflito Israel-Hamas - incluindo 15 mil milhões de dólares em ajuda militar israelita, 9 mil milhões de dólares em ajuda humanitária para Gaza e 2,4 mil milhões de dólares para operações militares regionais dos EUA.

A identificação da munição pela CNN é consistente com a afirmação feita pelo porta-voz das IDF, o contra-almirante Daniel Hagari, num briefing sobre a tragédia na terça-feira.

Hagari disse aos jornalistas que o ataque - que, segundo ele, tinha como alvo altos comandantes do Hamas - utilizou duas munições com pequenas ogivas contendo 17 quilos de explosivos, acrescentando que estas bombas eram “as mais pequenas munições que os jactos podiam utilizar”. A ogiva tradicional GBU-39 tem uma carga explosiva de 17 quilos.

Hagari afirmou que o fogo mortal que ocorreu após o ataque não foi causado apenas pelas armas utilizadas pelos militares israelitas.

“As nossas munições, por si só, não poderiam ter provocado um incêndio desta dimensão”, afirmou Hagari, acrescentando que as IDF estão a investigar “o que poderá ter provocado um incêndio tão grande”.

Além disso, Israel está a investigar se o ataque foi “desencadeado involuntariamente por possíveis armas armazenadas num complexo próximo”.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o ataque aéreo mortal em Rafah foi um “erro trágico”, mas disse que Israel se comprometeu a continuar com a sua operação, apesar da indignação internacional e do aviso dos EUA para não prosseguir.

Kevin Liptak e Samantha Waldenberg, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados