Dezenas de pessoas protestam em Lisboa contra "racismo institucional e estrutural" em Portugal

Agência Lusa , BCE
7 jul, 17:42
Protesto contra o racismo em Lisboa (LUSA)

Vestidas de branco e de punhos fechados e erguidos, cerca de 50 pessoas, na maioria mulheres negras, participaram no “ato de solidariedade” com Cláudia Simões, condenada por ofensas à integridade física de um agente da polícia

Meia centena de pessoas protestaram este domingo, em Lisboa, contra “o racismo institucional e estrutural” em Portugal, a propósito da sentença atribuída a Cláudia Simões por ter mordido um agente policial depois de este a ter agredido.

O caso remonta a 19 de janeiro de 2020, numa paragem de autocarro na Amadora, quando Cláudia Simões, cozinheira, se envolveu numa discussão entre passageiros e o motorista de um autocarro da empresa Vimeca, pelo facto de a sua filha, à data com 8 anos, se ter esquecido do passe.

Chegados ao destino, o motorista decidiu chamar a polícia e, após alguns momentos de tensão, o agente Carlos Canha decidiu imobilizar Cláudia Simões, no chão, junto à paragem de autocarro, depois de a mulher se recusar a ser identificada.

O caso ganhou mediatismo com a posterior difusão nas redes sociais de vídeos da confusão à saída do autocarro e de imagens dos ferimentos de Cláudia Simões.

A sentença do tribunal de Sintra, conhecida no dia 1, condenou Cláudia Simões por morder o agente da PSP Carlos Canha, enquanto o polícia foi absolvido das acusações de agressão na detenção da cozinheira.

A juíza Catarina Pires aplicou uma pena de oito meses de prisão a Cláudia Simões, suspensa na execução, por um crime de ofensa à integridade física qualificada.

Já o polícia Carlos Canha não foi condenado por ter agredido Cláudia Simões, embora o tribunal lhe tenha aplicado uma pena suspensa de três anos por ter agredido outros dois cidadãos Quintino Gomes e Ricardo Botelho, que foram levados para a esquadra na sequência do mesmo caso.

No protesto realizado hoje, Célia Pires e Joacine Katar Moreira foram-se revezando nas palavras, recorrendo a um megafone.

“Este é um ato de solidariedade com uma mulher, negra, vítima de violência policial racista”, disseram e repetiram, em português e em inglês, chamando a atenção dos muitos turistas que passavam pelo Cais das Colunas neste domingo.

“Achamos que é importante que este caso seja também conhecido lá fora”, justificou Célia Pires, enquanto vários turistas de passagem filmavam o protesto com os telemóveis e questionavam os portugueses presentes sobre as suas razões.

“Descolonizar a mente” e “25 de Abril para toda a gente” foram algumas das frases inscritas nos cartazes dispostos aos pés do grupo de manifestantes, que, durante uma hora, fizeram “apelos à justiça” e entoaram “De punho em riste, Cláudia resiste”.

O protesto pretendeu “chamar a atenção” para “uma injustiça clara com uma vítima de brutalidade policial”, disse Célia Pires, considerando que houve “muito pouca” reflexão sobre o caso na opinião pública.

É preciso – defendeu – uma discussão “profunda, perceber quais são as verdadeiras raízes” que explicam a sentença do tribunal de Sintra.

“O racismo é estrutural, institucional, personifica-se neste caso, mas é mais profundo e mais abrangente do que este caso”, assinalou.

A associação SOS Racismo considerou a sentença “inaceitável” e uma “prova de que a Justiça em Portugal tem cor e de que o racismo goza de proteção institucional”.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados