Autoridades registam quase sete mil queixas por ruído em oito meses

9 nov, 07:40
Álcool, ajuntamentos e animação: a noite no Bairro Alto

REVISTA DE IMPRENSA. Em média, são feitas cerca de 29 queixas por dia. Maioria das queixas dizem respeito a música muito alta, obras ou barulho de festas

As forças de segurança registaram 6.988 queixas por causa do ruído nos primeiros meses do ano, avança o Jornal de Notícias desta quarta-feira. Em média, são feitas cerca de 28,8 ocorrências por dia, o que resulta em 873 queixas por mês.

De acordo com o jornal diário, que teve acesso aos números da PSP e da GNR, as queixas são inferiores ao mesmo período de 2021, mas superiores a 2019.

A maioria das queixas referem-se a casos de "música muito alta", "festas em casa ou em estabelecimentos de diversão noturna", obras e "ruído na via pública de pessoas a falarem à porta dos estabelecimentos".

Entre janeiro e agosto, a PSP registou 297 queixas enquanto a GNR registou 6.781. Em 2021, o total de queixas foi de 9.252 e em 2020 foram feitas 6.675 denúncias. Os distritos com mais denúncias são Lisboa, Porto e Faro.

O tema do ruído preocupa as associações ambientais que lembram que tem "impacto no bem-estar da população", como alerta a Quercus, que pede uma maior utilização de medidores de nível de som pelas forças de segurança e, em declarações ao JN, garante que a "legislação em geral não tem sido cumprida". Já a Zero, considera que é necessária maior disponibilização de dados sobre o ruído para conhecer "quais os custos económicos e sociais do ruído".

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados