Guerra na Ucrânia, armas nucleares da Coreia do Norte, ascensão da China: a agenda dos líderes das quatro nações. O que é o Quad?

CNN , Jessie Yeung
24 mai, 12:56
Quad

O Quad, ou Diálogo de Segurança Quadrilateral, reúne informalmente os EUA, Índia, Austrália e Japão. Já foi chamado de “NATO asiática”. Pequim diz que é uma “panelinha” anti-China. E está rodeada de tensões

O presidente dos EUA, Joe Biden, programou encontrar-se esta terça-feira em Tóquio com os líderes da Índia, Austrália e Japão, para uma cimeira das nações "Quad".

A reunião ocorre no fim da primeira viagem de Biden à Ásia desde que se tornou presidente, numa visita de cinco dias que começou na Coreia do Sul.

O Quad, ou Diálogo de Segurança Quadrilateral, é um grupo informal focado em segurança que remonta ao início dos anos 2000. Tornou-se mais ativo nos últimos anos, como parte dos esforços para combater o alcance e as reivindicações territoriais da China no Indo-Pacífico.

A guerra na Ucrânia, o programa de armas da Coreia do Norte, Taiwan e um controverso novo acordo de segurança entre a China e as Ilhas Salomão no Pacífico estão entre as questões que provavelmente serão discutidas na cimeira.

Eis o que você precisa de saber sobre o Quad.

Como se formou?

A parceria tem as suas raízes na resposta ao devastador terremoto e tsunami no Oceano Índico em 2004, quando os quatro países criaram um "grupo principal regional" para apoiar os esforços de socorro. Mas o Quad na sua forma atual foi criado em 2007, tendo realizado a sua primeira reunião em maio daquele ano.

Num discurso vários meses depois dessa primeira reunião, o então primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, descreveu sua visão de uma "Ásia mais ampla... uma imensa rede abrangendo todo o Oceano Pacífico, incorporando os Estados Unidos da América e a Austrália". São países que partilham "valores fundamentais", como liberdade e democracia, e têm interesses estratégicos comuns, disse então.

A iniciativa desmoronou-se em 2008 sob intensa pressão da China e a ameaça de retaliação económica, disse Cleo Paskal, membro sénior não residente do Indo-Pacífico na Fundação para a Defesa das Democracias, dos EUA.

Mas foi reavivada em 2017, numa altura de renovadas preocupações em face da rápida ascensão da China como superpotência global e da política externa cada vez mais agressiva de Pequim.

Desde então, o grupo tornou-se mais ativo, com os quatro chefes de Estado a realizar uma reunião virtual simbólica em março de 2021, antes de se encontrarem pessoalmente pela primeira vez em setembro desse ano.

Na altura, um alto funcionário dos EUA enfatizou que o Quad era "uma reunião não oficial", mas qualificou-o como "um formato chave e crítico", acrescentando que "estamos diariamente a aprofundar a coordenação ".

Uma reunião dos líderes do Quad numa cimeira na Casa Branca a 24 de setembro de 2021.

O que faz o Quad?

Embora às vezes apelidado pelos seus críticos de "NATO asiática", o Quad não é uma aliança militar formal - em vez disso, é um fórum estratégico informal, com cimeiras semi-regulares, trocas de informação e exercícios militares.

Não tem o mesmo tipo de acordos militares que são vistos na NATO, como o conceito de defesa coletiva, segundo o qual um ataque a um membro é visto como um ataque a todos os membros.

"É deliberadamente mais amorfo do que isso, para que possa resistir às mudanças de decisões políticas em cada uma das democracias e responder de maneira mais difusa, mas eficaz, a coisas como vacinas ou a economia", disse Paskal.

Os membros do Quad cooperam em áreas como a covid-19 e desastres naturais, alterações climáticas e sustentabilidade.

Mas a segurança e o objetivo de um "Indo-Pacífico livre e aberto" são os seus principais focos, com as quatro nações a destacar frequentemente ameaças como terrorismo, desinformação e disputas territoriais.

Porta-aviões e navios de guerra participam dos exercícios navais do Malabar, com a participação dos EUA, Austrália, Índia e Japão, no norte do Mar da Arábia, a 17 de novembro de 2020.

A cooperação militar aumentou nos últimos anos, com a Austrália a juntar-se aos outros três nos exercícios navais de Malabar de 2020 – a primeira vez desde 2007 que todos os quatro membros participaram nos exercícios.

Em setembro passado, os EUA, o Reino Unido e a Austrália assinaram um acordo de segurança conhecido como AUKUS, que acabará por trazer submarinos movidos a energia nuclear para a região – movimento que desencadeou uma tempestade diplomática com a França e irritou a China.

Em janeiro deste ano, o Japão e a Austrália assinaram um tratado para fortalecer a cooperação em defesa e segurança, com a Austrália a afirmar que o acordo inclui "uma agenda em expansão para o Quad".

Como entra a China nisto?

O Quad tem sido cada vez mais visto como um contrapeso ao crescente alcance da China na região, com todas as quatro nações a experimentar, nos últimos anos, relações turbulentas com Pequim.

A relação Índia-China está sob crescente tensão desde maio de 2020, quando tropas de ambos os lados se envolveram num confronto mortal ao longo de sua disputada fronteira com os Himalaias.

A Austrália e a China estão envolvidas numa série de disputas comerciais desde que Canberra pediu uma investigação independente sobre as origens da covid-19, enquanto Japão e China continuam em desacordo sobre ilhas disputadas no Mar da China Oriental.

A relação EUA-China também se deteriorou, exacerbada por uma guerra comercial, acusações sobre a pandemia e agitação militar.

A localização estratégica de cada uma das nações do Quad - em diferentes cantos do Indo-Pacífico e com a China entre eles - abalou Pequim, que teme um potencial cerco militar. Já condenou o bloco como sendo uma "panelinha" anti-China, emblemática de uma mentalidade "venenosa" da Guerra Fria.

Uma pista de aterragem chinesa numa ilha artificial no Mar da China Meridional, vista a 20 de março.

Intensificando estas tensões, a China reiterou as suas reivindicações territoriais e adotou uma linha mais dura em resposta aos desafios pressentidos. Nos últimos anos, a China construiu posições militares no Mar da China Meridional, apesar de um tribunal da ONU rejeitar as suas reivindicações territoriais ali. Também aumentou as ameaças contra Taiwan - uma ilha autónoma que o Partido Comunista Chinês vê como parte do seu território, apesar de nunca a ter governado - e enviou caças para a sua zona de identificação de defesa aérea.

“A ascensão da China é agora o fenómeno global que não envolve (apenas) as nações vizinhas, mas também a segurança da segurança marítima no Mar da China Meridional, Estreito de Malaca, até ao Oceano Índico”, disse Ken Jimbo, professor da faculdade de gestão de políticas da Universidade Keio do Japão.

Em abril, a China anunciou um pacto de segurança com as Ilhas Salomão, provocando os protestos da Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos. Muitos estavam preocupados com o facto de que isso permitiria à China construir uma base militar na pequena nação do Pacífico, embora o líder das ilhas tenha dito que não tem intenção de que tal aconteça.

Ainda assim, alguns espectadores dizem que o acordo torna a Austrália menos segura e ameaça desestabilizar ainda mais as Ilhas Salomão, onde o relacionamento próximo com o governo com Pequim já provocou protestos.

"O que os países estão a perceber cada vez mais é que o investimento económico da China é projetado para levar a um enfraquecimento da vontade política dentro desses países... o que o traz mais fortemente para a órbita chinesa", disse Paskal, da Fundação para a Defesa das Democracias.

Quais são os outros grandes problemas?

Outras questões que podem surgir na cimeira incluem a segurança de Taiwan.

Uma onda recente de incursões aéreas chinesas levantou receios sobre o futuro da ilha democrática. Autoridades de inteligência dos EUA disseram ao Congresso este mês que a China pode estar a tentar construir um exército capaz de dominar Taiwan, e a ilha enfrenta uma ameaça "aguda" entre agora e 2030.

Os membros do Quad manifestaram o seu apoio a Taiwan, a que os EUA fornecem armas para autodefesa. Na segunda-feira, durante uma conferência de imprensa no Japão, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os EUA interviriam militarmente se a China tentasse tomar Taiwan à força, um aviso que pareceu desviar-se da deliberada e tradicional ambiguidade mantida por Washington.

A Casa Branca rapidamente minimizou os comentários, dizendo que eles não refletem uma mudança na política dos EUA. Mas muitos analistas traçaram paralelos entre a invasão da Ucrânia pela Rússia e a situação de Taiwan - preocupações ecoadas pelo primeiro-ministro japonês Fumio Kishida em maio, quando disse que a paz no Estreito de Taiwan era "crítica" e que os países "nunca devem tolerar" tentativas para mudar o status quo no Leste Asiático.

"Se Taiwan cair para a China, isso quebrará a primeira cadeia de ilhas e comprometerá a segurança japonesa", disse Paskal. "A queda de Taiwan é uma profunda ameaça à segurança para todos os quatro parceiros da Quad."

A Coreia do Norte e o seu programa de armas provavelmente também estarão na mesa, disse Jimbo, professor da Universidade Keio. O país intensificou recentemente os seus testes de mísseis, desafiando a lei internacional e criando alarme no Japão e nos EUA. O país lançou 15 testes de mísseis este ano até agora, em comparação com quatro testes em 2020 e oito em 2021.

A guerra na Ucrânia será outro foco, com a cimeira a ocorrer exatamente três meses depois de a Rússia lançar a sua invasão. Austrália, Japão e Estados Unidos adotaram posturas duras ao condenar a invasão e ao impor sanções a Moscovo – deixando a Índia de fora.

A Índia há muito desfruta de relações amigáveis e de defesa com Moscovo; a maioria das estimativas sugere que mais de 50% do equipamento militar da Índia vem da Rússia. Esses fornecimentos são vitais, dadas as tensões na fronteira da Índia com a China e Paquistão.

Embora a posição da Índia tenha causado "uma quantidade significativa de frustração" entre os outros três membros do bloco, Jimbo disse que "também nos lembra que não nos podemos dar ao luxo de perder a Índia do Quad – por isso, obviamente, vamos perseguir aquilo em que neste momento podemos concordar com a Índia."

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados