Macron e Scholz falaram com Putin pelo telefone e pediram-lhe que concorde com um cessar-fogo

CNN Portugal , HCL
28 mai, 16:51
Vladimir Putin. Foto: AP

França e Alemanha pedem a Putin também um compromisso em ter "conversas diretas e sérias" com Zelensky

Os líderes da Alemanha e da França fizeram uma chamada telefónica com Vladimir Putin no sábado, na qual pressionaram o presidente russo a concordar com um cessar-fogo imediato na Ucrânia e a retirar as tropas russas do país, disseram autoridades alemãs.

O Chanceler alemão Olaf Scholz e o presidente francês Emmanuel Macron falaram com Putin durante 80 minutos "por iniciativa deles", de acordo com o gabinete de imprensa do governo alemão.

"O chanceler alemão e o presidente francês instaram a um cessar-fogo imediato e a uma retirada das tropas russas. Exortaram o presidente russo a encetar negociações directas sérias com o presidente ucraniano e a encontrar uma solução diplomática para o conflito", disse o comunicado de imprensa do governo alemão.

Uma declaração do gabinete presidencial francês, o Palácio Élysée, afirmou: "Qualquer solução para a guerra deve ser negociada entre Moscovo e Kiev". No apelo, Macron e Scholz também apelaram à libertação de cerca de 2.500 defensores da Azovstal que foram levados como prisioneiros de guerra pelas forças russas, disse a leitora francesa, numa referência às forças ucranianas que foram capturadas depois de defenderem a fábrica de aço Azovstal em Mariupol durante semanas.

Além disso, os dois líderes instaram Putin a levantar o bloqueio de Odesa para permitir a exportação de grãos ucranianos através do Mar Negro, a fim de evitar uma crise alimentar mundial, de acordo com a declaração.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na sexta-feira que as negociações entre a Rússia e a Ucrânia estavam congeladas, acusando também Kiev de fazer declarações "contraditórias" que Moscovo não compreendeu.

Um dia antes, Peskov disse que Moscovo esperava que Kiev aceitasse o status quo e satisfizesse as suas exigências territoriais, na sequência de observações do antigo Secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger que pareciam sugerir que a Ucrânia tinha de concordar em ceder a Crimea e grande parte da região de Donbas à Rússia.

Numa entrevista de 23 de maio à Reuters, o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak excluiu a hipótese de concordar com um cessar-fogo com a Rússia e disse que Kiev não aceitaria qualquer acordo com Moscovo que envolvesse a cedência de território.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados