PSD acusa Pedro Nuno Santos de não saber o que se passa na TAP e diz que a polémica indemnização é “no mínimo revoltante”

Agência Lusa , NM
26 dez 2022, 20:15

Sociais-democratas dizem ainda que "a TAP mentiu ardilosamente na sua declaração e comunicação à CMVM” no comunicado que dizia que Alexandra Reis teria renunciado ao cargo

O PSD acusou esta segunda-feira o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, de não saber o que se passa na gestão da TAP e classificou como “revoltante” o caso que envolve a secretária de Estado do Tesouro.

“O ministro Pedro Nuno Santos não sabe o que se passa na TAP, não sabe como é gerida a TAP, não sabe como é gasto o dinheiro dos portugueses: os mais de três mil milhões de euros que foram colocados na TAP. E isto é muito grave”, defendeu o vice-presidente do PSD Miguel Pinto Luz, em declarações à agência Lusa.

Pinto Luz considerou “no mínimo revoltante” a polémica que envolve a nova secretária de Estado do Tesouro, Alexandra Reis, que segundo o Correio da Manhã noticiou na edição de sábado recebeu uma indemnização no valor de 500 mil euros por sair antecipadamente do cargo de administradora executiva da companhia aérea portuguesa, quando ainda tinha de cumprir funções durante dois anos.

O dirigente social-democrata classificou como “falso” o comunicado da TAP de fevereiro à CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários).

"A TAP mentiu ardilosamente"

“Porque já ouvimos das declarações da senhora secretária de Estado que a indemnização foi de comum acordo e, portanto, a TAP mentiu ardilosamente na sua declaração e comunicação à CMVM”, afirmou, numa referência a um comunicado de fevereiro deste ano enviado pela companhia aérea à CMVM que dizia que Alexandra Reis teria renunciado ao cargo.

Para Miguel Pinto Luz, os esclarecimentos entretanto pedidos pelos ministros das Finanças e das Infraestruturas e Habitação à administração da TAP sobre o caso mostram que “os senhores ministros já não falam com a senhora secretária de Estado”.

“Não era preciso pedir qualquer esclarecimento à TAP, bastava falar com a senhora secretária de Estado que esteve lá e presenciou o referido acordo”, defendeu.

Medina e Pedro Nuno Santos: “Se um cobra imoralmente, o outro gasta irresponsavelmente"

Afirmando que a prioridade do ministro das Finanças, Fernando Medina, é “arrecadar cada vez mais dinheiro dos portugueses”, Pinto Luz atirou: “Se um cobra imoralmente, o outro gasta irresponsavelmente [Pedro Nuno Santos], enquanto o primeiro-ministro, e não podemos esquecer o senhor primeiro-ministro, despreocupadamente sorri e assobia constantemente para o lado e sacode a água do capote”.

Para o dirigente social-democrata, “é grave” o Governo ter “uma secretária de Estado no Tesouro que é tida como a executora da redução da massa salarial da TAP em 25%, despediu trabalhadores, reduziu salários, e na hora da sua saída é altamente premiada pelos serviços prestados a Pedro Nuno Santos e ao PS”.

“É com enorme estupefação que o PSD vê toda esta situação a desenrolar-se, o dinheiro dos portugueses a ser esbanjado e o PS constantemente a confundir maioria absoluta com poder absoluto”, criticou.

Alexandra Reis, atual secretária de Estado do Tesouro, disse esta segunda-feira que nunca aceitou, e que devolveria “de imediato” caso lhe tivesse sido paga, qualquer quantia que acreditasse não estar no “estrito cumprimento da lei” na sua saída da TAP.

Partidos

Mais Partidos

Mais Lidas

Patrocinados