PSD/Madeira diz que no próximo ano letivo 96% dos professores da região vão estar vinculados

Agência Lusa , MBM
21 mar 2023, 14:02
Sindicatos dos professores em reunião com o Ministério da Educação (Lusa/JOSÉ SENA GOULÃO)

150 docentes vão passar a integrar os quadros

Mais de 96% dos professores da Madeira estarão vinculados no próximo ano letivo, indicou hoje o PSD regional, precisando que serão cerca de 150 os docentes que vão passar a integrar os quadros.

“Em 2023/2024 serão mais de 96% os professores vinculados e em lugar de quadro na região. Trata-se de uma situação ímpar nos nossos sistemas educativos e que se traduz em estabilidade para todos”, afirmou o deputado do PSD Nuno Maciel.

O social-democrata falava no Período Antes da Ordem do Dia da sessão plenária da Assembleia Legislativa da Madeira, no Funchal.

Nuno Maciel salientou que, “até 2025/2026, todos os professores terão o seu tempo de serviço recuperado” na Madeira, ao contrário do que acontece no continente, apontando que “o socialismo está a matar a escola pública em Portugal”.

“A cada ano que passa recupera-se um ano e meio do tempo de serviço sem greves à porta das escolas”, frisou.

“Aqui não há agitação social, aqui não há tumultos nem greves. Aqui há serenidade na classe docente, aqui há diálogo e confiança entre professores e Secretaria da Educação”, reforçou o deputado do PSD.

Em resposta à intervenção do social-democrata, o deputado do PS (maior partido da posição) Rui Caetano reconheceu que “o Governo da República não tem conseguido resolver o problema dos professores no país”.

O eleito ressalvou, porém, que apesar do investimento do Governo Regional (PSD/CDS-PP), os professores “para acederem ao 5.º e 7.º escalões perdem tempo de serviço”.

O deputado socialista apontou ainda que estão registados na região autónoma “cerca de 8 mil jovens que não estão a trabalhar nem estão a estudar”.

Por seu turno, o deputado único do PCP, Ricardo Lume, considerou “positivo” este concurso de vinculação extraordinária de professores, mas lamentou que tenham demorado “tanto tempo”.

Antes da intervenção do PSD, o Juntos Pelo Povo (JPP) utilizou a declaração política semanal para criticar o Governo Regional, que, na sua opinião, “continua a apostar na política de betão e investimentos sem retorno”.

Na sessão plenária de hoje foi também apreciado um projeto de resolução do JPP que recomenda ao executivo madeirense (PSD/CDS-PP) a disponibilização de valências de suporte imediato de vida nos municípios de Santana e Porto Moniz, no norte da ilha, localidades onde foram encerradas as urgências noturnas.

A recomendação não acolheu, porém, a concordância da maioria PSD/CDS-PP, com a deputada social-democrata Rubina Leal a classificar o documento “perfeitamente minimalista”.

Relacionados

Educação

Mais Educação

Mais Lidas

Patrocinados