Cerca de 30 mil alunos sem todos os professores atribuídos

Agência Lusa , MJC
3 mai, 13:09
Mário Nogueira, da Fenprof (Lusa/ Miguel A. Lopes)

Mário Nogueira, da Fenprof, alertou para um eventual agravamento da situação, tendo em conta que este ano deverão reformar-se cerca de cinco mil docentes, mas só deverão chegar às escolas mil novos professores

Cerca de 30 mil alunos continuam sem todos os professores atribuídos, segundo uma estimativa da Fenprof, que alertou para um agravamento da situação tendo em conta a previsão de reforma de cinco mil doentes ainda este ano.

“Há cerca de 30 mil alunos que não têm todos os professores neste momento”, anunciou esta sexta-feira o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, à saída da primeira reunião negocial no Ministério da Educação, Ciência e Inovação para definir a forma de recuperar o tempo de serviço congelado aos docentes e medidas excecionais para ultrapassar a falta de docentes nas escolas.

Aos jornalistas, Mário Nogueira disse que o número hoje avançado tem por base um levantamento feito pela Fenprof na segunda-feira, tendo em conta os pedidos de professores feitos pelas escolas.

O sindicalista alertou para um eventual agravamento da situação, tendo em conta que este ano deverão reformar-se cerca de cinco mil docentes, mas só deverão chegar às escolas mil novos professores.

“Há alunos em Benavente sem aulas de Inglês desde o início do ano”, lamentou Mário Nogueira.

A falta de valorização da profissão é apontada pelos sindicatos como uma das principais razões para a falta de professores nas escolas, um problema que se regista em muitos outros países, que também se debatem com o envelhecimento da classe.

Relacionados

Educação

Mais Educação

Patrocinados