Cinquenta hectares de áreas queimadas em Proença-a-Nova vão ser reflorestados

Agência Lusa , DCT
24 out, 11:24
Incêndio em Oleiros

O projeto 'Motor Verde' é uma iniciativa da Fundação Repsol, que visa a criação de florestas, reflorestamento de terras queimadas ou não cultivadas para promover a compensação das emissões de dióxido de carbono (CO2)

O município de Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, é parceiro do projeto 'Motor Verde', que vai permitir a reflorestação de 47,62 hectares do território concelhio que foi afetado por incêndios.

“Devido ao trabalho que se tem desenvolvido ao longo dos últimos anos, nomeadamente com a criação do Regulamento Municipal de Reconversão de Áreas Florestais em Agrícolas, e também do conhecimento dos eventos últimos de fogos florestais, fomos contactados pela Fundação Repsol para sermos parceiros neste projeto de reflorestação que estão a desenvolver”, explicou esta segunda-feira à agência Lusa o presidente da Câmara de Proença-a-Nova, João Lobo.

O autarca salientou que esta “é mais uma oportunidade para se concretizarem ações reais no território, naquele que é o objetivo mais amplo da sua transformação e ordenamento”.

O projeto 'Motor Verde' é uma iniciativa da Fundação Repsol, que visa a criação de florestas, reflorestamento de terras queimadas ou não cultivadas para promover a compensação das emissões de dióxido de carbono (CO2).

Esta iniciativa está alinhada com o Pacto Ecológico Europeu e com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, bem como com os fundos europeus da próxima geração.

João Lobo realçou alguns dos projetos que estão em curso no concelho de Proença-a-Nova, no âmbito da floresta, como o “Condomínio de Aldeia” e as Áreas de Intervenção de Gestão da Paisagem (AIGP), que irão nascer em 7.500 hectares na zona norte do município.

Em Portugal, o “Motor Verde” vai ser implementado em Proença-a-Nova e Mação (distrito de Santarém), com áreas de 47,62 hectares em cada um dos concelhos, o que implica a plantação de cerca de 105.194 árvores de espécies autóctones.

Segundo a autarquia de Proença-a-Nova, a plantação destas árvores irá permitir a captura de 23.238,1 toneladas de CO2, prevendo-se o envolvimento de 33 pessoas nos trabalhos a desenvolver.

Patrocinados