Introduzia cocaína na prisão de Coimbra através de encomendas de roupa

Agência Lusa , AM
17 nov, 12:11
Prisão

Suspeita, de 32 anos, já tinha sido condenada pelo crime de tráfico de estupefacientes de menor gravidade, em pena de prisão suspensa na sua execução

Uma mulher de 32 anos é suspeita de ter introduzido cocaína no Estabelecimento Prisional de Coimbra, através de encomendas postais, com vista à sua distribuição por reclusos, mediante contrapartidas monetárias, indicou o Ministério Público (MP).

Numa nota publicada na sua página de internet, o MP de Coimbra informou que a mulher está indiciada pela prática de um crime de tráfico de estupefacientes agravado, tendo sido presente a primeiro interrogatório na terça-feira.

“O Tribunal considerou fortemente indiciado que, entre abril e agosto de 2021, a arguida introduziu cocaína no Estabelecimento Prisional de Coimbra, através de encomendas postais endereçadas a um recluso que ali cumpria pena”, destacou.

Nesse período, por intermédio de outrem, a arguida terá enviado quatro encomendas postais contendo cocaína, dissimulada em peças de roupa, para o Estabelecimento Prisional de Coimbra, com vista à sua distribuição por reclusos, mediante contrapartidas monetárias.

Após o primeiro interrogatório, o juiz de Instrução Criminal determinou que a arguida ficasse obrigada a apresentação periódica diária perante a autoridade policial, para além de estar proibida de se deslocar a qualquer estabelecimento prisional em visita e de contactar com reclusos.

Foi-lhe também determinada “a proibição de contactar com a coarguida”.

A mulher de 32 anos já tinha sido condenada, em 2020, pela prática do crime de tráfico de estupefacientes de menor gravidade, em pena de prisão suspensa na sua execução.

A investigação é dirigida pela 1.ª Secção de Coimbra do Departamento de Investigação e Ação Penal da Comarca de Coimbra, com a coadjuvação da Diretoria do Centro da Polícia Judiciária (PJ).

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados