Príncipe Harry e duque de York vão usar farda nas vigílias pela rainha

Andreia Miranda , Notícia atualizada às 9:45
16 set, 08:01
Família real britânica

"Prevaleceu o bom senso". Depois de ter usado fraque na procissão que levou a urna com o corpo da rainha Isabel II do Palácio de Buckingham para Westminster Hall, o duque de Sussex foi autorizado a usar farda na vigília que acontece no sábado

O príncipe Harry vai usar farda, este sábado, na vigília que os netos da rainha vão fazer à urna em Westminster Hall. A notícia tinha sido avançada pela imprensa britânica e foi confirmada, esta sexta-feira de manhã, por um porta-voz do Palácio de Buckingham, que revelou que à semelhança da vigília dos filhos da rainha, a vigília dos netos vai durar quinze minutos, e que o príncipe Harry, vestido com o uniforme militar, ficará aos pés da urna, ladeado pelas princesas Beatrice e Eugenie. Já o príncipe de Gales ficará na cabeça da urna com os primos Zara e Peter Philips. Os primos mais novos, Lady Louise e James, visconde de Severn, ficarão no centro da urna. 

“Os netos, a convite do rei, fazem questão de prestar as suas homenagens – tal como os pais fazem na noite anterior”, afirmou o porta-voz.

William e Harry serão os únicos netos da rainha Isabel II que estarão de farda. Os restantes netos estarão com casaco matinal ou vestido formal escuro.

Segundo a revista Hello, a decisão terá sido tomada sem que o duque de Sussex tivesse feito um pedido para isso, sendo que estava "preparado para usar o quer que a rainha tivesse planeado".

No entanto, "num ato de bom senso", o príncipe, que fez duas missões no Afeganistão e se afastou dos deveres reais em 2020, foi autorizado a usar a farda militar este sábado. A mesma exceção foi feita para o tio, o duque de York, afastado dos deveres reais depois do escândalo que envolveu Jeffrey Epstein, que vai poder usar farda esta sexta-feira.

O jornal The Mirror avança ainda que a decisão terá sido tomada depois de funcionários do palácio terem intervindo quer por Harry quer pelo príncipe Andrew, que na quarta-feira usaram fraque no cortejo que levou a urna com o corpo da rainha Isabel II do Palácio de Buckingham para Westminster Hall.

"Prevaleceu o bom senso. Foi uma situação absurda, já que o duque de Sussex serviu o país e é um membro altamente respeitado das forças armadas com tudo o que fez pelos veteranos. É importante que todos os netos da rainha se sintam bem-vindos e confortáveis enquanto choram a sua amada avó juntos", acrescentou fonte ligada à família real.

O corpo da rainha Isabel II encontra-se em câmara ardente no Palácio de Westminster, o edifício do parlamento britânico, estando o funeral de Estado marcado para segunda-feira em Londres. 

Além da presença de dezenas de chefes de Estado e de governo, esperam-se centenas de milhar de pessoas nas ruas para prestar uma última homenagem.

Europa

Mais Europa

Patrocinados