"O caos é nosso amigo". Como Trump está discretamente a trabalhar sobre o futuro incerto de Biden

CNN , Steve Contorno, Kristen Holmes e Alayna Treene
5 jul, 08:00
O ex-presidente Donald Trump deixa o palco depois de discursar num comício em Chesapeake, Virgínia, em 28 de junho de 2024. Anna Moneymaker/Getty Images

Os republicanos estão a tentar determinar o que Joe Biden significa para a campanha

Durante grande parte do ano passado, Donald Trump e seus aliados especularam que Joe Biden não seria o candidato presidencial democrata - sugerindo, sem provas, que ele renunciaria antes da convenção e seria substituído por outro candidato.

Agora, com Biden a enfrentar um futuro político cada vez mais incerto, devido às consequências do seu fraco desempenho nos debates, os republicanos estão a tentar determinar o que significaria para a campanha de Trump o facto de o candidato democrata se afastar. E alguns acreditam que o caminho de volta à Casa Branca seria provavelmente mais fácil com Biden no topo da lista.

Trump e os seus aliados têm saboreado os holofotes sobre Biden esta semana, com o antigo presidente a tomar a rara decisão de se manter discreto no seu clube de Nova Jérsia e permitir que Biden seja a história. Trump não tem eventos públicos agendados, e a sua campanha surpreendeu alguns assessores e conselheiros dizendo-lhes para aproveitarem o feriado de 4 de julho.

"O caos é nosso amigo", disse uma pessoa próxima de Trump.

Entretanto, os conselheiros de campanha e os principais aliados têm telefonado a jornalistas e a democratas amigos à procura de pistas sobre o que poderá acontecer a seguir, caso Biden acabe por desistir da sua candidatura à reeleição.

Até agora, a campanha e os seus aliados têm ignorado largamente a vice-presidente Kamala Harris nos seus ataques contra a administração Biden. Mas há sinais de que essa postura está a mudar. Na quarta-feira, um super PAC alinhado com Trump, MAGA, lançou sua salva de abertura contra Harris, atacando a sua supervisão das políticas de fronteira de Biden num e-mail. Perguntou se Harris é "O melhor que eles têm?"

A campanha de Trump insiste que nada mudará nos seus cálculos, quer Biden esteja ou não no topo da lista democrata.

"O presidente Trump derrotará qualquer democrata no dia 5 de novembro porque tem um historial comprovado e uma agenda para Tornar a América Grande de Novo", afirmaram os cogestores de campanha Chris LaCivita e Susie Wiles num comunicado.

Mesmo que Biden não seja o candidato democrata, a campanha de Trump acredita que as questões que provavelmente decidirão a eleição permanecerão as mesmas.

"As questões são as questões, e é com isso que as pessoas se preocupam", disse um conselheiro à CNN.

No entanto, a realidade pode não ser tão clara. As sondagens têm revelado uma falta de entusiasmo em torno dos presumíveis candidatos presidenciais de ambos os grandes partidos, e não se sabe como é que uma mudança poderia alterar a participação dos democratas ou afetar as opiniões dos eleitores indecisos. E enquanto os democratas enfrentam uma crise de tempo para tomar uma decisão antes da sua convenção de agosto, o mesmo acontece com os republicanos, que passaram meses a construir uma operação de dados cuidadosamente elaborada, anúncios de ataque e infraestruturas de campanha em geral, especificamente focados em derrotar Biden.

Como disse um investigador republicano, Trump "prefere ir com o diabo que ele conhece do que com o diabo que ele não conhece".

Nos bastidores, o Comité Nacional Republicano já tinha "livros" de pesquisas de oposição sobre democratas proeminentes que poderiam suceder a Biden em 2028, disseram assessores de Trump à CNN, incluindo a governadora de Michigan Gretchen Whitmer, o senador do Arizona Mark Kelly, o governador da Pensilvânia Josh Shapiro e o governador da Califórnia Gavin Newsom, entre outros.

Os livros "estão constantemente a ser atualizados, porque, sabe, eles são candidatos perpétuos e estão sempre a concorrer a alguma coisa", observou um conselheiro sénior de Trump à CNN.

Ainda assim, dois conselheiros de Trump disseram que não iriam mudar de estratégia ou alterar as pesquisas e os planos até que a situação com Biden se resolvesse.

"Simplesmente não sabemos como é que isto vai ficar no fim de tudo", admitiu um dos conselheiros. "Não vamos mudar nada até sabermos."

Alguns republicanos tinham publicamente antecipado uma saída de Biden da corrida à medida que o declínio físico do presidente se tornava cada vez mais evidente. Durante as primárias presidenciais do Partido Republicano, o governador da Florida, Ron DeSantis, e a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, fizeram disso um ponto focal de suas campanhas, argumentando que os democratas substituiriam Biden e os republicanos não poderiam arriscar colocar Trump contra um desafiante mais jovem e enérgico.

O próprio Trump tinha abordado a perspetiva, dizendo repetidamente que não achava que Biden "conseguisse". Numa entrevista há quase um ano, Trump e o comentador conservador Tucker Carlson opinaram sobre o que aconteceria se Biden abandonasse a corrida.

Depois de Carlson ter sugerido que Harris substituiria Biden na candidatura democrata, Trump previu: "Nem por isso. Quer dizer, acho que talvez houvesse uma disputa livre. Muita gente diz que ela tem de ficar por determinadas razões. Não me parece que isso seja verdade. Acho que as outras pessoas não iriam tolerar isso."

Mas no rescaldo do debate, a equipa de Trump não previu um pânico democrata tão duradouro em torno da viabilidade de Biden continuar a ser o candidato presidencial do partido. Um conselheiro de Trump disse à CNN que se esperava que o pânico democrata passasse dentro de uma semana.

Agora, a equipa de Trump está a preparar-se para qualquer resultado, incluindo a eventual necessidade de montar uma nova campanha centrada num adversário diferente.

"Todos os democratas que pedem a demissão de Joe Biden já foram apoiantes de Biden e das suas políticas falhadas que conduzem a uma inflação extrema, a uma fronteira aberta e ao caos no país e no estrangeiro", disseram LaCivita e Wiles. "Não se engane que os democratas, os media de fluxo principal e o pântano conspiraram para esconder a verdade do público americano."

Os republicanos estão agora a planear como atingir Harris, com as primeiras discussões centradas nas suas declarações anteriores a defender a aptidão de Biden para servir.

"Ela vai ser constantemente forçada a responder a uma pergunta muito simples: porque é que escondeu do povo americano a falta de acuidade mental de Joe Biden?", indicou uma pessoa próxima de Trump.

A maioria das pessoas próximas de Trump continua a acreditar que uma mudança é improvável, citando o relativo baixo reconhecimento do nome dos possíveis substitutos de Biden e os desafios legais de transferir o fundo de guerra da campanha do presidente para um novo candidato. Biden também continua a insistir que não vai a lado nenhum. Numa chamada de campanha desafiadora na quarta-feira, ele disse aos funcionários: "Ninguém me está a empurrar para fora" e prometeu permanecer na corrida.

"Não me vou embora", disse, segundo fontes familiarizadas com a chamada à CNN.

Os esforços para manter Biden na corrida podem vir também da direita. A Heritage Foundation, uma organização conservadora alinhada com Trump, tem estado a preparar-se para este momento desde a primavera e revelou recentemente um manual para desafiar as tentativas dos democratas de retirar Biden da votação em certos Estados com prazos legais para nomear os candidatos.

Num memorando divulgado no mês passado, com um título algo presciente: "Poderão substituir Biden se ele congelar no debate?", a organização destacou três Estados indecisos - Geórgia, Nevada e Wisconsin - onde os republicanos poderão intentar ações judiciais para contestar os esforços dos democratas para mudar de rumo.

Mike Howell, diretor executivo do projeto de supervisão eleitoral da Heritage, reconheceu que qualquer caso vencedor dependeria em grande medida das circunstâncias de uma saída de Biden.

"O momento é muito importante", disse Howell.

Rick Hasen, um especialista em direito eleitoral da UCLA, rejeitou a ideia de que os democratas teriam qualquer problema legal para apresentar um novo nome antes mesmo de Biden ser oficialmente nomeado.

"Não dou qualquer crédito a isso", escreveu Hasen no seu site. "Joe Biden não é o nomeado do partido neste momento, e os Estados geralmente apontam para o nomeado do partido principal como aquele cujo nome está na cédula."

*Betsy Klein e Kate Sullivan contribuíram para este artigo

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados