Preços dos combustíveis seguem em queda lenta. Veja as descidas da semana

27 set, 09:22
Combustíveis, gasóleo, gasolina, inflação, preços, economia. Foto: Frank Augstein/AP

Preços dos combustíveis continuam a descer devagar. Esta segunda-feira, confirmaram-se as previsões.

Os preços de venda dos gasóleos já estão menos de oito cêntimos acima do que estavam antes do início da invasão da Ucrânia pela Rússia, a 24 de fevereiro deste ano. As gasolinas 95 estão cerca de 13 cêntimos por litro mais baratos do que então. E as gasolinas 98 estão cerca de dois cêntimos mais baratas.

É o que resulta da análise dos dados oficiais relativos a esta segunda-feira, 26 de setembro, cerca de sete meses depois do início do conflito.

Tal como era estimado no final da semana passada, os gasóleos desceram ontem, tendo as gasolinas pouco variado. O gasóleo simples desceu 2,3 cêntimos por litro para um preço médio final de 1,737 euros, tendo o gasóleo especial caído 2,1 cêntimos por litro face à segunda-feira da semana anterior, para 1,763 euros.  

A gasolina simples 95 e a gasolina especial 95 desceram ambas 0,7 cêntimos por litro, para preços finais respetivamente de 1,688 euros e de 1,708 euros. Já a gasolina 98 ficou apenas meio cêntimo mais barata (fixando-se nos 1,918 euros por litro) e a gasolina especial 98 foi a que menos variou, apenas menos 0,2 cêntimos, para 1,938 euros.

As variações resultam dos preços médios finais praticados em média em Portugal continental, de acordo com dados oficiais da Direção-Geral de Energia e Geologia.

Recorde-se que os preços chegaram a estar mais de 40 cêntimos por litro mais caros do que antes da guerra, com o pico em junho.

Face aos preços de antes da guerra, é preciso considerar a descida da carga fiscal, de 28,2 cêntimos por litro no gasóleo e de 32,1 cêntimos por litro na gasolina, que o governo introduziu em maio e que está anunciado até ao final do ano.

De outro modo, por exemplo a gasolina simples 95 estaria cerca de 20 cêntimos mais cara do que antes da guerra, e o gasóleo cerca de 36 cêntimos mais caro do que então.

 

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados