Rangel quer voto dos descontentes, Rio mantém estratégia com “upgrade”

22 nov, 08:03
Rui Rio e Paulo Rangel (Lusa/Mário Cruz)
Rui Rio e Paulo Rangel (Lusa/Mário Cruz)

Moção de Rangel recusa bloco central e alianças “radicais”, mas não diz tudo sobre o dia seguinte às eleições. Rio insiste na reforma dos sistemas político e de justiça e aposta tudo ao centro. A uma semana da ida às urnas no PSD, o que une e separa os dois adversários

PUB

Nem à esquerda, nem à direita. A moção de Paulo Rangel fecha a porta a coligações pós-eleitorais com todas as “forças políticas radicais”, de qualquer lado do espectro político. Também rejeita a solução de bloco central, mesmo num horizonte de dois anos. Mas não fala de outras soluções que incluam o PS.

Na moção de estratégia global que o eurodeputado vai levar ao congresso do PSD pode ler-se que o partido “deve recusar a solução de bloco central ainda que de meia-legislatura”, e espera uma “vitória em linha com a sua vocação maioritária''.

PUB

São cinco parágrafos, divulgados pelo Expresso, e que a CNN Portugal também teve acesso, a apostar numa maioria clara: a vocação maioritária do PSD traduz-se “preferencialmente na obtenção de uma maioria absoluta, ou na formação de uma maioria estável que sustente um governo com o horizonte de legislatura''.

A pequena parte conhecida da moção nada diz sobre outro cenário possível, ou seja, o que faz no caso de precisar de entendimentos com o PS para governar, ou se os socialistas precisarem do PSD para uma maioria estável, capaz de garantir o cumprimento da legislatura, como defende Paulo Rangel. Quanto a coligações pré-eleitorais, são afastadas em toda a linha, defendendo que o PSD deve apresentar-se com listas próprias às legislativas antecipadas de 2022. 

PUB
PUB
PUB

A citação de Sá Carneiro (que nunca falta) e a aposta nos descontentes

A estratégia eleitoral arranca com a definição daquilo que o PSD pretende ser de 30 de janeiro em diante: “O grande partido popular nacional, que se reencontre com os Portugueses, incluindo aqueles que deixaram de confiar no PSD em favor de outros partidos mais recentes ou, simplesmente, da abstenção”. 

Chega e Iniciativa Liberal não servem, parece avisar Paulo Rangel, e evoca-se Francisco Sá Carneiro para apelar ao voto desses portugueses que não votam:

"O nosso Partido não se pode dirigir apenas aos sociais-democratas, tem de se dirigir a todos os portugueses, e entre eles, aos descontentes”.  

O espectro de Rui Rio e o que ele andou para aqui chegar

Ao centro. É aí que o atual líder do PSD sempre disse que se ganham eleições e “ninguém esperava que agora mudasse”, como refere à TVI uma fonte próxima.

A moção de Rui Rio sublinha o contexto de elevado risco em que se realizam as próximas eleições legislativas e antecipa um cenário de forte contestação e de protestos nas ruas:

PUB
PUB
PUB

“Uma crise social que se instalou durante a pandemia e que poderá refletir-se em movimentos sociais de protesto”.

 

Um cenário, avisa ainda, que pode ser potencialmente agravado com os 9 meses de indefinição de políticas resultantes da dissolução do parlamento, e ainda com a perspectiva de um recrudescimento da pandemia.

A conclusão está no parágrafo seguinte do documento, onde se lê que “as próximas eleições decidir-se-ão ao centro do espetro político-partidário. É esse centro político que determinará qual das opções vingará: ou a continuidade das políticas de esquerda (...), ou a mudança para uma política de libertação da economia e da sociedade portuguesas de forma a retomar um crescimento mais rápido(...)”.

O texto critica a retórica da esquerda sobre as desigualdades sociais, e aproveita o ensejo para atacar o adversário interno, sublinhando que “não a poderemos substituir pela retórica alternativa da mobilidade social'', uma das bandeiras de Paulo Rangel. “Não há mobilidade social sem crescimento e desenvolvimento económico'', sintetiza fonte do núcleo próximo de Rui Rio.

PUB
PUB
PUB

Prioridades não mudam, resultados são “incontornáveis”

Em relação à estratégia que há 2 anos levou a congresso, Rui Rio não terá grande novidade, as diferenças fundamentais estão na ordem em que se elencam as prioridades. Há uma “reorientação dos objetivos”, dizem à TVI, justificando que “naquilo que correu bem só há que dar continuidade”.

Há seis grandes objetivos definidos, que incluem os desafios da demografia, e as reformas da justiça e do sistema político, desde sempre caras ao líder atual dos social-democratas.

O texto da moção começa, aliás, por justificar que “consubstancia a continuidade de uma opção estratégica feita, apresentada, debatida e maioritariamente sufragada nos últimos quatro anos por dois Congressos Nacionais e duas eleições diretas do atual Presidente da Comissão Política Nacional, Rui Rio”, para concluir que “os resultados políticos são incontornáveis". 

Aí elencam-se as vitórias obtidas nas eleições regionais da Madeira, nos Açores, no apoio a Marcelo Rebelo de Sousa nas presidenciais e, por último, o resultado nas eleições autárquicas de setembro passado, onde se destaca a conquista da câmara de Lisboa, pelo seu simbolismo.

PUB
PUB
PUB

Resultados que, segundo a moção, fazem “descolar uma parte significativa do eleitorado que havia dado a vitória ao Partido Socialista em 2015 e em 2019”.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos