"Vais contar a quem? É o Plácido Domingo e tu não és ninguém!” Antiga colega acusa tenor de assédio sexual

17 jan, 10:59
Plácido Domingo

Casos terão acontecido há duas décadas e cantora espanhola confessa que teve demasiado medo para falar sobre o que lhe tinha acontecido por causa das consequências

Uma antiga colega de Plácido Domingo acusou o tenor de assédio sexual no programa Salvados, do canal espanhol La Sexta, citada pelo The Guardian, dizendo que o caso terá acontecido quando trabalhavam juntos há cerca de duas décadas.

Com a voz distorcida e sob a condição de anonimato, a cantora espanhola contou dois episódios separados que viveu com Plácido Domingo, um deles em que estava a usar calças com bordados nos bolsos traseiros e, à frente de outros colegas, viu o tenor perguntar-lhe "uma questão muito estranha em frente a toda a gente".

“Perguntou-me ‘Posso colocar a minha mão nesse teu adorável bolso?’”, relembrou, na entrevista que foi transmitida este domingo, dizendo que a pergunta foi como "um murro no estômago" e que se questionou como responderia "para tentar manter as coisas normais". 

"Se eu digo não, terei consequências. Nem sequer quero pensar no que poderia acontecer se dissesse "sim". Preocupava-me com o que dizer durante três segundos", afirmou no programa, dizendo ainda que esta "situação inconfortável" a deixou com a sensação que estava "em areia movediça".

O segundo incidente terá acontecido quando atuavam juntos. No final de um espetáculo, quando as luzes se apagavam e a cortina baixava, o tenor terá beijado a cantora na boca sem que nada o fizesse prever.

"Naqueles segundos, quando os olhos se estão a habituar ao escuro, Plácido aproximou-se de mim. Beijou-me na boca e foi um beijo que eu nem sequer vi chegar e por isso não consegui desviar-me do caminho. Não queria ser beijada. O ato tinha terminado, a música tinha parado e a cortina estava a descer. Não havia qualquer justificação", recorda.

A espanhola confessa que teve demasiado medo para falar sobre o que lhe tinha acontecido por causa das consequências para a sua carreira. "É algo que não podes contar. Vais contar a quem? É o Plácido Domingo e tu não és ninguém! São figuras intocáveis, por isso estou às escuras".

A artista afirmou ainda que "gostaria que houvesse algum tipo de figura nos teatros para vigiar, a quem um cantor possa recorrer para pedir ajuda", uma vez que considera "que estas coisas, por vezes, acontecem à frente de todos". 

Quanto às mulheres que denunciaram os casos de assédio sexual por parte do tenor em 2019, a cantora diz que ficou comovida pela sua coragem. 

"Pensei em como elas eram corajosas. É algo que é conhecido no mundo da ópera: uma das primeiras coisas que lhe dizem é: 'Não entre num elevador com Plácido Domingo".

Em 2019, a agência de notícias Associated Press divulgou uma investigação que dava conta de que o cantor espanhol Plácido Domingo teria assediado sexualmente várias mulheres e que usou a sua posição para as punir quando o recusavam. Na reportagem, várias mulheres revelavam ter sido assediadas sexualmente por Plácido Domingo, numa série de acontecimentos que ocorreram ao longo de três décadas, em espaços que incluíam companhias de ópera onde o cantor ocupava cargos de direção. O tenor espanhol chegou mesmo a pedir perdão pelo sofrimento que causou a estas mulheres, mas os casos continuam a surgir.

Já em 2022, o tenor espanhol foi acusado de ter ligações a uma rede de tráfico sexual na Argentina, tendo sido divulgados excertos de áudios nos quais, alegadamente, é possível ouvir a sua voz em conversa com um elemento da rede criminosa e a dar indicações a uma mulher de como chegar até ao seu quarto sem ser vista. O tenor nega todas as acusações.

Música

Mais Música

Patrocinados