Há cada vez mais crianças a engolir pilhas

CNN , Sandee LaMotte
1 set, 09:00
As pilhas de botão engolidas por crianças podem ficar presas no esófago e causar queimaduras ou pior

Um novo relatório revela que um número crescente de crianças está a comer pequenas pilhas de lítio, também conhecidas como pilhas de "botão", que alimentam muitos dos nossos aparelhos de consumo. Estes pequenos objetos têm consequências potencialmente graves, inclusive a morte.

Apesar das campanhas informativas que alertam os pais para os perigos, foram registadas cerca de 7.032 visitas às urgências em consequência de ferimentos provocados por pilhas entre 2010 e 2019, mais do dobro do número de visitas de 1990 a 2009, segundo o último estudo publicado na revista “Pediatrics”.

É uma média de uma visita às urgências a cada 1,25 horas entre as crianças com menos de 18 anos. De acordo com o relatório, as crianças com menos de 5 anos correm maior risco, especialmente as crianças com idades entre os 1 e os 2 anos, que muitas vezes põem na boca objetos que encontram.

Em mais de 87% das visitas, as pilhas de botão foram responsáveis pelos ferimentos em que se conseguiu determinar o tipo de bateria, segundo o estudo.

Mesmo depois de serem retiradas, as pilhas de botão de lítio continuam a ter uma corrente forte. Quando as pilhas ficam presas na garganta de uma criança, a saliva pode interagir com a corrente, o que causa "uma reação química que pode queimar severamente o esófago em apenas duas horas, criando uma perfuração, paralisia da corda vocal, ou mesmo erosão das vias respiratórias (traqueia), ou grandes vasos sanguíneos", advertiu o Hospital Infantil de Filadélfia.

Foi o que aconteceu em 2010 a Emmett Rauch com 1 ano de idade, que comeu uma pilha de botão que tinha caído de um comando de um leitor de DVD, de acordo com os seus pais, Karla e Michael Rauch.

"A pilha abriu um buraco no esófago até à traqueia (via respiratória), permitindo que a bílis do seu estômago refluxasse para os seus pulmões", partilharam os pais na Fundação Emmett's Fight, o website de uma fundação sem fins lucrativos criada pelo casal para educar outros pais sobre os perigos das pilhas de botão.

A pilha também queimou os nervos das cordas vocais de Emmett, disse o Raunchs. Para lidar com as complicações dos seus ferimentos, Emmett foi submetido a seis cirurgias em cinco anos, incluindo a substituição de todo o seu esófago, utilizando uma porção do seu intestino.

"Como mãe, revivo a manhã em que reparámos no que estava a acontecer repetidamente na minha cabeça. Como é que eu não me percebi? Se prestasse atenção ao tipo de pilhas que os controlos remotos precisam!", escreveu Karla Rauch num blogue para o Hospital Infantil de Cincinnati.

Estas pilhas estão em todo o lado

As pilhas de botão estão presentes em todas as casas modernas, mesmo até em sítios que não lhe passam pela cabeça, tais como decorações com luzes, candeeiros pequenos de leitura e postais com música.

Outros objetos comuns que contêm pilhas de lítio são: calculadoras, termómetros digitais, velas sem chama, joias com luzes, consolas e brinquedos, aparelhos auditivos, apontadores laser, bolas saltitantes com luzes, canetas, pequenos comandos, contadores de degraus e aparelhos de atletismo, livros com vozes e músicas, e, claro, chaves de automóveis e relógios inteligentes, segundo o Centro Nacional de Controlo de Venenos.

Para este estudo, foram analisados dados do Sistema Nacional de Vigilância de Lesões Eletrónicas de Produtos de Consumo da US Consumer Product Safety Commission, que rastreia as visitas às urgências em mais de 100 hospitais nos Estados Unidos.

A análise constatou que a ingestão da pilha representava a maioria (90%) destas visitas às urgências associadas às pilhas, a colocação de pilhas no nariz (5,7%), orelhas (2,5%) e boca sem engolir (1,8%).

Embora não sejam tão graves como a ingestão, as pilhas de lítio presas num ouvido ou nariz podem causar lesões significativas, tais como perfuração do septo nasal ou do tímpano, perda de audição, ou paralisia do nervo facial, segundo o relatório.

O que devem fazer os pais?

A prevenção é fundamental. Os especialistas recomendam que não coloque ou troque pilhas em frente de crianças pequenas, pois os objetos brilhantes despertam o interesse. Livre-se imediatamente e em segurança das pilhas expiradas, e guarde as de substituição bem fora do alcance das crianças.

"Procure escolher produtos com compartimentos de bateria que só abram com uma chave de fendas ou uma ferramenta especial, ou que tenham um sistema de bloqueio seguro para crianças. Se não tiver, use fita adesiva forte para manter o compartimento bem fechado", aconselhou o Connecticut Children's Hospital.

O Centro Nacional de Controlo de Venenos recomendou especial prudência em relação a pilhas do tamanho de um cêntimo ou mais.

"A pilha de lítio de 20 mm de diâmetro é uma das mais graves quando ingerida. Estas pilhas podem ser reconhecidas pela sua impressão (números e letras gravados) e muitas vezes têm um destes 3 códigos: CR2032, CR2025, CR2016. Caso sejam engolidas e não sejam retiradas rapidamente, estas pilhas maiores podem causar a morte ou queimar um buraco no esófago do seu filho", observou o centro.

Deve supervisionar sempre as crianças que estejam a brincar com um brinquedo ou dispositivo que contenha uma pilha de botão, e ensine às crianças mais velhas os perigos para que elas possam ajudar.

E se suspeitar que o seu filho engoliu uma pilha ou colocou uma no nariz ou na orelha?

"Ligue imediatamente para o Centro de informação antivenenos, +351213303271 [no caso de Portugal]. É fundamental uma ação imediata. Não espere que os sintomas se desenvolvam", aconselhou a NPCC

Os sinais de ingestão podem ser semelhantes aos de uma criança que engoliu uma moeda, por isso, tenha cuidado, disseram os especialistas. O comportamento característico pode incluir pieira, baba, tosse, vómitos, desconforto no peito, recusa em comer, ou amordaçar ao tentar beber ou comer. Mas para algumas crianças, como Emmett Rauch, pode levar dias até que os sintomas sejam suficientemente graves para serem notados.

"É também importante saber se um íman foi coincinerado com a pilha, uma vez que isto poderia potencialmente causar mais lesões. De acordo com o Texas Children's Hospital, "são normalmente necessários raios-X de todo o pescoço, esófago e abdómen da criança".

Se suspeitar que o seu filho engoliu uma pilha, não o faça vomitar, recomendou o Texas Children's Hospital.

Não dê ao seu filho nada para comer ou beber até que uma radiografia mostre que a pilha se deslocou para além do esófago, informou o Centro Nacional de Controlo de Venenos.

"As pilhas presas no esófago devem ser removidas o mais rapidamente possível, pois podem causar danos graves em apenas 2 horas. As pilhas no nariz ou na orelha também devem ser removidas imediatamente para evitar danos permanentes", aconselhou o centro.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados