Corpo de alpinista americano encontrado 22 anos depois de ter desaparecido no Peru

CNN , Sahar Akbarzai
10 jul, 09:01
A polícia transporta um corpo identificado como o do alpinista americano Bill Stampfl, no Monte Huascaran em Huaraz, Peru, a 5 de julho de 2024. (Polícia Nacional do Peru/AP)

Cadáver foi encontrado por outros alpinistas dos EUA

O corpo de um alpinista americano foi encontrado, por dois companheiros de escalada dos Estados Unidos, 22 anos após o seu desaparecimento na sequência de uma avalanche nos Andes peruanos.

Os irmãos americanos Ryan Cooper e Wesley Waren encontraram o corpo de Bill Stampfl a 27 de junho no Monte Huascaran, segundo Joseph Stampfl, filho de Bill.

Os alpinistas estavam a descer a montanha na Cordilheira Branca do Peru, depois de uma tentativa infrutífera de atingir o cume de 22.000 pés, quando encontraram o corpo, a cerca de 16.500 pés.

Na terça-feira, Cooper disse à CNN que repararam num objeto que não se confundia com a paisagem e decidiram investigar.

Segundo Cooper, o gelo tinha preservado o corpo e os seus pertences e a aliança de casamento, o capacete, as botas de alpinismo e o casaco de Stampfl estavam todos intactos.

Os irmãos conseguiram identificar Stampfl ao encontrarem um saco preso ao corpo, dentro do qual encontraram o seu bilhete de identidade, uma máquina fotográfica, passaporte, carteira e óculos - todos eles também intactos.

"Alguém gostava dele e alguém queria que ele voltasse para casa. Assim que descobri que era um alpinista americano, soube que tínhamos a responsabilidade de encontrar a família e dar-lhes a notícia", afirmou.

Stampfl e dois dos seus colegas alpinistas e amigos, Steve Erskine e Matthew Richardson, foram mortos por uma avalanche no Monte Huascaran a 24 de junho de 2002, contou a filha Jennifer Stampfl à CNN na terça-feira. Os corpos nunca foram descobertos, exceto o de Erskine, explicou. Stampfl tinha 58 anos de idade na altura.

O corpo foi resgatado e levado montanha abaixo no dia 5 de julho pela Associação Peruana de Resgate em Montanha e pela Polícia Nacional do Peru, após coordenação com Cooper e a família de Stampfl.

O corpo foi levado para uma morgue na cidade de Yungay para ser autopsiado, publicou a Polícia Nacional do Peru no X na terça-feira.

Encontrar a família de Bill

Cooper, natural de Las Vegas, Nevada, telefonou à mulher e informou-a da sua descoberta no mesmo dia em que encontrou o corpo de Stampfl. Pediu-lhe ajuda para encontrar a família de Stampfl, uma vez que ainda se encontrava no Monte Huascaran, com serviço de telemóvel limitado.

Depois de muita pesquisa online, a mulher de Cooper conseguiu localizar Joseph e telefonou-lhe no dia 29 de junho.

"Disse-lhe que sabia a localização do pai dele. Contei-lhe sobre o anel e os objetos pessoais", disse Cooper.

O seu objetivo era ajudar a família a encontrar uma solução. Sem "nenhum corpo, não há como encontrar paz com isso".

Cooper falou também com Jennifer e com a viúva de Stampfl, Janet, ao telefone, antes de enviar fotografias da identificação de Stampfl e de outros objetos à família.

'O meu coração afundou-se'

Após tantos anos, a notícia foi um choque emocional para a família de Stampfl.

"O meu coração afundou-se. Ao fim de 22 anos, já me tinha conformado com o facto de ele estar ali. Ele faz parte da montanha. Como se nunca o fôssemos ter de volta. O facto de o terem encontrado abriu todas as feridas", confessou Jennifer à CNN.

"Não há preparação para o facto de o nosso marido ser morto de repente", afirmou, acrescentando que nunca pensou que o corpo do marido fosse descoberto. "É uma resposta a tantas orações de tantas pessoas".

Janet revelou que o marido adorava escalar montanhas. "Ele gostava muito. Dizia que se sentia sempre mais próximo de Deus quando chegava ao cimo da montanha".

"Depois de 22 anos... fiquei um pouco chocado, demorei algum tempo a processar tudo", confessou Joseph, acrescentando que "agora é altura de o trazer para casa, esperamos".

Depois da autópsia em Yungay, o corpo de Stampfl foi transferido para a cidade de Juarez, explicou Joseph. Stampfl será levado para uma funerária em Lima, onde será cremado, e as cinzas serão enviadas para a família nos Estados Unidos.

'Uma paisagem perigosa'

Embora Cooper esteja grato por ter finalmente conseguido encerrar o assunto para a família Stampfl, a descoberta também foi repleta de tristeza. O alpinista esperava que o corpo de Richardson pudesse estar preso a Stampfl por uma corda, mas não foi esse o caso e "este continua desaparecido até hoje".

Cooper receia também que o aquecimento global possa ter desempenhado um papel na sua descoberta, ao descongelar o gelo naquela que é considerada a cordilheira tropical mais alta do mundo.

"O corpo estava totalmente exposto e já não estava no gelo. O processo de degelo aconteceu", revelou Cooper.

Desde a década de 1950, quase todos os glaciares do mundo têm vindo a recuar, de acordo com um relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas. Em média, os glaciares da região andina - Bolívia, Colômbia, Equador e Peru - perderam mais de 50% da sua cobertura desde a década de 1960.

"A Cordilheira dos Andes está a deteriorar-se mais do que qualquer outra cordilheira da região", afirmou o alpinista, acrescentando que a alteração das condições foi parte do que o impediu de chegar ao cume do Monte Huascaran.

"Os glaciares estão a derreter, a paisagem mudou. Agora é uma paisagem perigosa".

Duarte Mendonça, da CNN, e Verónica Calderson, da CNNE, contribuíram para este artigo.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados