A "HUMILHAÇÃO" de Pedro Nuno Santos na íntegra - numa declaração sem a palavra "desculpa"

CNN Portugal , HCL
30 jun, 18:58

Pedro Nuno Santos considera que o seu erro a propósito do aeroporto não é suficiente grave para se demitir. Paulo Magalhães, editor de política da CNN Portugal, resumiu assim a intervenção do ministro: "HUMILHAÇÃO: até a mim me custou ouvi-lo"

Conjugou o verbo lamentar três vezes e repetiu a palavra "falha" quatro: esta quinta-feira, na sede do Ministério das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos fez um discurso que não chegou aos cinco minutos com o objetivo de atenuar a crise política gerada pela publicação do despacho da nova solução para o Aeroporto de Lisboa sem que os partidos da oposição e o primeiro-ministro fossem consultados. Minutos após a curta declaração de Pedro Nuno Santos, o editor de política da CNN Portugal sublinhou que se tratou de uma “HUMILHAÇÃO”, sustentando que “ainda ontem, em entrevistas na RTP e na SIC Notícias, Pedro Nuno Santos estava cheio de confiança em si" mas que “hoje apareceu com a corda ao pescoço, tipo Egas Moniz". Eis o discurso de Pedro Nuno Santos transcrito na íntegra:

 

"Boa tarde a todos, muito obrigado por estarem presentes. E queria desde logo lamentar esta situação relativa ao despacho sobre a avaliação ambiental estratégica, esta situação criada fruto de erros de comunicação e de articulação que são de inteira… da minha inteira responsabilidade. 

Queria não só lamentar como reconhecer, perante os meus colegas de Governo, perante o senhor primeiro-ministro, também perante o senhor Presidente da República - que é informado pelo senhor primeiro-ministro e depende da informação que o senhor primeiro-ministro tem -, que estas falhas tiveram consequências e causaram esta… esta situação que estamos a viver e pela qual obviamente eu me penalizo profundamente. 

Nós tínhamos um procedimento definido, um objetivo definido pelo senhor primeiro-ministro e a vontade de querer concretizar, de querer realizar, levou a que esse procedimento, esse objetivo, não fosse concretizado, nomeadamente a procura ativa pelo consenso para a realização de uma infraestrutura com a importância de um aeroporto.

Esta é uma falha… é uma falha relevante que assumo, mas que obviamente não mancha aquilo que é o trabalho já longo em conjunto com o senhor primeiro-ministro, ainda antes de sermos Governo, a caminhada que fizemos em conjunto para conseguirmos a liderança do Partido Socialista, para conseguirmos disputar umas eleições que permitiram sob a sua liderança construirmos uma formulação…uma forma… uma solução política inovadora… para a qual poucos acreditavam, mas que nós conseguimos não só na sua longevidade mas também dos resultados um grande sucesso. Trabalho que é obviamente partilhado, liderado pelo senhor primeiro-ministro. Trabalho do qual me orgulho e que foi continuado no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, no Conselho de Ministros, na coordenação de Governo. 

Este trabalho com o primeiro-ministro tem anos. É uma relação profissional, é também uma relação de amizade, que obviamente não é manchada por um momento infeliz, que teve perturbação, que teve consequências negativas na situação que nós hoje, infelizmente, estamos a viver. 

Pedro Nuno Santos lamenta crise política / LUSA

Nós queremos obviamente ultrapassar este momento, retomar o nosso trabalho em conjunto, reconstruir a nossa relação de confiança, de trabalho e é esse o nosso objetivo. Neste quadro, em concreto, o tema que se prende com o aeroporto, seguir aquele que foi o procedimento definido pelo senhor primeiro-ministro - que é público - de procura ativa do consenso, nomeadamente do maior partido da oposição, para garantirmos estabilidade às decisões que envolvam a localização e todas as matérias relevantes para o futuro aeroporto da região de Lisboa e do país.

Por isso, é esse o trabalho no qual vamos estar concentrados, lamentando, obviamente e nomeadamente perante todo o Governo que eu integro, nós termos tido sob a minha responsabilidade esta falha na articulação e na comunicação com o senhor primeiro-ministro, nomeadamente, mas também com os restantes colegas de Governo.

E ficava-me por essa declaração.

(Vai continuar no Governo? - Perguntaram os jornalistas no Ministério)

Obviamente, nós queremos é trabalhar e continuar a fazer este trabalho… e continuar esta caminhada que já leva cerca de sete anos, uma caminhada de sucesso, de grande confiança, de grande proximidade. E esse é um trabalho que nós vamos continuar e, neste caso em concreto e neste caso em concreto, trabalharmos para conseguirmos o consenso necessário e que o primeiro-ministro, por várias vezes, defendeu para o futuro da estrutura aeroportuária da região de Lisboa.

(Senhor Ministro, como é que avança para uma decisão destas? - perguntaram os jornalistas)

Muito obrigado…

Política

Mais Política

Patrocinados