"Declarações de ódio fascizante". PCP exige reação dos órgãos de soberania às declarações da associação de ucranianos

Agência Lusa
3 mai, 13:28
Comício do 101.º aniversário do PCP, no Campo Pequeno, em Lisboa (Mário Cruz/ Lusa)

A exigência vem na sequência das declarações do presidente da associação Refugiados Ucranianos, que afirmou não perceber "como é que Portugal, um país democrático, continua a ter um partido como o PCP"

O PCP defendeu hoje que as declarações do presidente da associação Refugiados Ucranianos contra o partido são “reveladoras da natureza antidemocrática” do Governo da Ucrânia e exige um “posicionamento inequívoco dos órgãos de soberania” portugueses.

No sábado, o presidente da associação Refugiados Ucranianos, Maksym Tarkivskyy, disse à agência Lusa não perceber "como é que Portugal, um país democrático, continua a ter um partido como o PCP": “É um partido que está, basicamente, neste momento, a apoiar a guerra”.

Em comunicado divulgado hoje, o PCP defendeu que as declarações contra o partido têm um “nítido e intolerável caráter censório e persecutório que visa todos os democratas e que exige um posicionamento inequívoco dos órgãos de soberania”.

“As declarações de ódio fascizante proferidas por um responsável de uma associação de refugiados ucranianos contra a existência do PCP, na linha de reiteradas manifestações de ingerência da embaixadora da Ucrânia e de afirmações do ministro os Negócios Estrangeiros da Ucrânia igualmente dirigidas contra o PCP, tal como esbirros da PIDE atacavam os antifascistas, são relevadoras da natureza antidemocrática do Governo de Kiev”, sustentou o partido.

O PCP considerou que estas manifestações contra o partido “constituem uma intolerável afronta ao regime democrático em Portugal”, mas não podem, “de modo nenhum, ser confundidas com o todo da comunidade imigrante e dos refugiados ucranianos que há anos encontram refúgio” no país, com os quais os comunistas assumem estar solidários.

“Para os que alimentam dúvidas sobre o total desrespeito pela democracia e a liberdade que há muito se instalou na Ucrânia, estas declarações, feitas em Portugal, alertam para o que este poder constitui na Ucrânia contra o seu próprio povo e tornam patente o seu caráter reacionário e fascizante”, completaram os comunistas.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados