Grupo de cientistas liderado por portuguesa identifica substância que pode retardar Parkinson

Agência Lusa , BCE
11 jul, 12:04

Investigadores descobriram que a molécula é cerca de 10 vezes mais eficaz do que um vulgar anti-inflamatório através de testes realizados em ratos com inflamação cerebral

Uma equipa científica liderada pela bioquímica Cláudia Nunes dos Santos identificou uma nova substância com efeito anti-inflamatório que pode retardar a progressão da doença de Parkinson, um trabalho distinguido com uma bolsa do Conselho Europeu de Investigação.

O composto, que circula no organismo humano, atua nas células imunes do cérebro, reduzindo "de forma muito significativa a inflamação cerebral, um processo que agrava a doença acelerando a sua progressão", disse à Lusa Cláudia Nunes dos Santos, investigadora principal no laboratório de Nutrição Molecular e Saúde da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa (UNL).

Segundo Cláudia Nunes dos Santos, testes feitos em ratos com inflamação cerebral demonstraram que a molécula em causa é cerca de 10 vezes mais eficaz do que um vulgar anti-inflamatório.

Depois de ter identificado o efeito e o mecanismo de ação da molécula nas células imunes do cérebro e validado a sua eficácia em modelos animais, a equipa de Cláudia Nunes dos Santos avançou para a síntese do composto e começou a "testar o seu efeito em vários modelos celulares relacionados com processos que ocorrem nas doenças neurodegenerativas", como a de Parkinson.

"O seu efeito proeminente na redução da inflamação cerebral nas células imunes do cérebro levou a que nos focássemos neste processo e avançássemos com os estudos e validássemos o efeito num modelo animal de inflamação cerebral", justificou a investigadora.

O próximo passo do trabalho, que envolve a colaboração do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da UNL, é testar a toxicidade do composto obtido em laboratório em ratinhos que reproduzem os sintomas da doença de Parkinson, que afeta os movimentos.

Atualmente, não existe no mercado nenhum medicamento capaz de combater a inflamação cerebral em doentes de Parkinson.

O trabalho da equipa de Cláudia Nunes dos Santos valeu uma bolsa de cerca de 150 mil euros do Conselho Europeu de Investigação, organismo da União Europeia que financia a ciência considerada de excelência.

A bolsa "permitirá atualizar ferramentas, expandir a equipa, avançar a investigação, com foco em aplicações terapêuticas para a doença de Parkinson, e fomentar o potencial comercial dos resultados" obtidos.

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Mais Lidas

Patrocinados