"Puxámos o travão de emergência". Protesto da plataforma Parar o Gás em Sines reuniu mais de 150 pessoas

CNN Portugal , SG/JGQ com Lusa
13 mai 2023, 23:00

Protesto, que juntou mais de 150 manifestantes, começou com duas horas de atraso. No final, ativistas fizeram um balanço positivo do protesto, garantindo ter fechado uma torneira de emergência de Gás Natural Liquefeito numa das estações ao longo do gasoduto

O protesto organizado pela plataforma Parar O Gás no Terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) da REN, no Porto de Sines (Setúbal), que reuniu mais de 150 pessoas, terminou por volta das 20:30.

De acordo com a porta-voz do grupo, Catarina Viegas, a decisão justifica-se pelas várias ações realizadas pelos manifestantes que “anunciaram a vitória” ao final do dia.

“Com as ações que realizamos hoje foi fechada a torneira do gás e, por isso, decidimos dar por terminada a ação”, explicou a responsável em declarações à agência Lusa.

Ao que a CNN Portugal conseguiu apurar, um grupo de apoiantes da plataforma terá entrado "numa das estações do gasoduto que sai do porto de Sines rumo a norte e fechou a torneira de emergência de LNG", tendo ainda lá deixado um cartaz onde se lê "parámos o gás".

Inicialmente, o grupo de ativistas anunciou que iria prolongar o protesto durante a noite para tentar impedir a eventual “entrada de gás, tanto por via marítima, como terrestre” no Terminal de GNL da Rede Elétrica Nacional (REN).

“Entretanto, reunimos todas as diferentes frentes de bloqueio e decidimos que os objetivos estavam cumpridos e estamos a abandonar as duas portarias” de acesso ao terminal de gás natural liquefeito, onde se encontravam desde as 13:30, adiantou.

O protesto, que juntou mais de 150 manifestantes, começou com duas horas de atraso, cerca das 11:30, porque, segundo a organização, os autocarros onde seguiam foram parados e revistados em operações ‘stop’ da GNR perto de Sines.

Vestidos com fatos brancos, "uma espécie de uniforme de luta", explicaram aos jornalistas, os ativistas ergueram cartazes a exigir justiça climática e o fim dos combustíveis fósseis, enquanto entoavam o cântico "Gás é morte, morte é Gás".

Por volta das 13:30, um grupo de dez ativistas acorrentou-se aos portões da entrada principal da infraestrutura para “bloquear fisicamente” o seu funcionamento e alertar para a necessidade de “reduzir a utilização de um recurso fóssil não renovável”, disse à Lusa Ana Maria Valinho.

Às 18:40, a jovem lisboeta continuava no local com um “cadeado de bicicleta” à volta do pescoço e, junto a ela, outros jovens com “pequenos tubos” nos braços com a frase “Parar o Gás” resistiam no acesso à porta principal do terminal, sob o olhar atento das autoridades.

Segundo a porta-voz da plataforma, durante a tarde alguns ativistas da Greenpeace e apoiantes da plataforma Parar o Gás, “bloquearam por via marítima, com recurso a barcos e os próprios corpos dentro de água, a entrada no Porto de Sines”.

“Embora tivesse havido alguma intervenção policial foi possível contornar as forças policiais”, afirmou.

Contudo, fonte da Polícia Marítima de Sines disse à Lusa que o Porto de Sines está a “operar normalmente, sem qualquer constrangimento”.

A ação reivindicou o fim do gás fóssil para a produção de eletricidade e que esta eletricidade passe a ser produzida por fontes de energia renovável até 2025.

Clima

Mais Clima

Mais Lidas

Patrocinados