Paquistão atingido por surto mortal de cólera, com onda de calor brutal no sul da Ásia

CNN , Helen Regan, Sophia Saifi, Asim Khan e Esha Mitra
17 mai, 18:38
Surto de cólera no Paquistão

Temperaturas recorde estão a ter impacto no abastecimento de água. Especialistas alertam, a causa está nas alterações climáticas.

Um surto mortal de cólera ligado a água potável contaminada infetou milhares de pessoas no centro do Paquistão, enquanto o país enfrenta uma crise hídrica exacerbada por uma onda de calor brutal no sul da Ásia.

 

Em partes do Paquistão e da Índia, as temperaturas atingiram níveis recorde nas últimas semanas, colocando a vida de milhões em risco, à medida que os efeitos da crise climática são sentidos em todo o subcontinente.

Os casos de cólera foram identificados pela primeira vez em Pir Koh, uma cidade montanhosa remota na província do Baluchistão, a 17 de abril. Desde então, mais de duas mil pessoas foram infetadas e seis morreram, segundo Ahmed Baloch, do departamento de saúde de Baluchistão.

Os moradores de Pir Koh dizem que não têm acesso a água potável. A falta de chuva este ano fez com que as lagoas próximas secassem, com a única fonte de água a ser uma tubagem que "enferrujou e contaminou o abastecimento de água", disse o morador local Hassan Bugti.

"Os moradores são forçados a beber água suja", disse ele.

O primeiro-ministro do Paquistão, Shehbaz Sharif, ordenou "medidas de emergência" para conter o surto de cólera em Pir Koh, e os militares foram chamados para ajudar a fornecer tanques de água móveis para garantir que a água potável chega à população e estabelecer campos médicos para tratar doentes.

A cólera é uma doença diarreica aguda, que mata milhares de pessoas em todo o mundo em cada ano. É facilmente transmitida pelo consumo de alimentos ou água contaminados com a bactéria fecal Vibrio cholerae. Os cientistas alertaram para os graves impactos das mudanças climáticas na saúde humana, com o aumento das temperaturas incentivando a propagação de patogénicos perigosos, como a cólera.

O surto ocorre quando o Paquistão enfrenta uma grave crise hídrica e uma onda de calor precoce que, segundo o Departamento Meteorológico do Paquistão, persiste em todo o país desde o início do mês.

Jacobabad, uma das cidades mais quentes do mundo, na província central de Sindh, atingiu 51 graus celsius no domingo e 50 graus celsius no dia anterior. As elevadas temperaturas médias na cidade este mês foram de cerca de 45 graus celsius.

É improvável que o calor diminua em breve. Enquanto tempestades de poeira, ventos fortes, chuvas esparsas e trovoadas trouxeram alívio a partes do país nos últimos dois dias, as temperaturas devem voltar a subir a partir de quarta-feira, de acordo com o Departamento Meteorológico do Paquistão.

A ministra paquistanesa para as Alterações Climáticas, Sherry Rehman, disse na segunda-feira que o Paquistão está entre os países com maior escassez de água no mundo e é um dos dez mais vulneráveis ​​stress climático.

As principais barragens do país estão num "nível morto agora, e as fontes de água são escassas e disputadas", disse Rehman à CNN, acrescentando que "esta é uma crise existencial abrangente e deve ser levada a sério".

No verão de 2015, uma onda de calor matou mais de mil pessoas na maior cidade do Paquistão, Karachi.

A Índia sofre com calor

A onda de calor também foi sentida pela vizinha do Paquistão, a Índia, onde as temperaturas na região da capital, Deli, ultrapassaram 49 graus celsius no domingo.

Nos últimos meses, a Índia passou por uma severa onda de calor que viu as temperaturas máximas médias atingirem os níveis mais elevados em 122 anos no noroeste da Índia em abril e em todo o país em março.

O calor escaldante ultrapassou a marca de 49 graus celsius pela primeira vez este ano em Deli, com temperaturas atingindo 49,2 graus na estação meteorológica Mungeshpur de Deli e 49,1 graus na estação meteorológica Najafgarh no domingo, de acordo com o Departamento Meteorológico Indiano (IMD). Nova Deli sofreu durante 14 dias em maio uma temperartura acima de 40 graus celsius.

 

Uma rapariga que vende água usa um guarda-chuva para se proteger do sol enquanto espera clientes em Nova Deli, Índia, a 27 de abril.

Gurgaon, a sudoeste de Nova Deli, registrou sua temperatura mais alta desde 10 de maio de 1966, com 48,1 graus Celsius (118,5 graus Fahrenheit) no domingo, segundo o IMD.

O IMD prevê algum alívio para Deli, com céu nublado e claro nos próximos dias. No entanto, prevê que as altas temperaturas regressem a algumas partes da região no final da semana.

Em alguns estados, o calor forçou escolas a fechar, danificou plantações e pressionou o fornecimento de energia, já que as autoridades alertaram os moradores para permanecerem dentro de casa e se hidratarem. No sábado, a Índia proibiu as exportações de trigo - dias depois de dizer que estava a almejar embarques recordes este ano -, já que a onda de calor reduziu a produção e os preços domésticos atingiram um recorde.

A Índia costuma experimentar ondas de calor durante os meses de verão de maio e junho, mas este ano as temperaturas começaram a subir em março e abril.

Índia e Paquistão estão entre os países mais afetados pela crise climática, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Especialistas dizem que as mudanças climáticas estão a causar ondas de calor mais frequentes e mais longas, afetando mais de mil milhões de pessoas nos dois países.

Chandni Singh, autor principal do IPCC e investigador sénior do Instituto Indiano de Aglomerações Humanas, disse que essa onda de calor "está a testar os limites da sobrevivência humana".

"Esta onda de calor é definitivamente sem precedentes", disse Singh no início deste mês. "Vimos uma mudança na sua intensidade, na sua hora de chegada e na sua duração. Isso é o que os especialistas em clima previram e terá impactos em cascata na saúde".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Clima

Mais Clima

Patrocinados