opinião
Coordenador de Grande Reportagem e editor de Religião e Cidadania TVI/CNN Portugal

Entrelinhas na entrevista com o Papa Francisco

6 set, 22:48
“Fátima deixou-me mudo”. Papa Francisco relata a sua experiência em Portugal

1. “A diversidade”

Há os que vão à frente, mais adiantados, por vezes muito depressa, na expectativa de abrir um caminho por desbravar, por onde todos possam passar, e há os que vão mais atrás porque não conseguem acompanhar ou porque recusam acelerar o passo, na convicção de que têm um ritmo seguro e é melhor não puxar sob risco de perderem o músculo. E, depois, há ainda os que vão a meio, garantindo um corpo comum, não perdendo no horizonte a ousadia dos que vão à frente, nem deixando totalmente os mais cautelosos que vão atrás.

Este podia ser um ensaio, em analogia, das palavras do Papa na entrevista a Maria João Avilez, emitida pela TVI e CNN Portugal. Quando questionado sobre a dinâmica do sínodo da sinodalidade – a merecer outra análise mais à frente –, quase com uma dimensão conciliar, tal a relevância do que está em causa, o Papa Francisco compara o processo a uma corrida. Recusando a ideia de uma “guerra eclesiástica”, vê as tensões com naturalidade, sem esconder a preocupação. São diferentes velocidades num mesmo caminho e “um pastor tem de ser universal”. O clericalismo, “que é uma perversão, retira essa universalidade ao pastor e torna-o pastor de um sector ou de uma modalidade pastoral”. Uma mensagem incisiva para os irmãos do episcopado.

“É preciso deixar que os processos acabem”, diz o Papa, que não hesita em criar condições para lançar processos cujo alcance, usando a linguagem religiosa, depende do Espírito Santo ou da (in)capacidade humana de o entender.

A Igreja não é, nunca foi, monolítica – é recordar a história das origens deste movimento de matriz judaica a que se chamou cristianismo – e quando tentou impor uma hegemonia apadrinhou a desumanidade.

Se “não há sínodo sem a presença do Espírito Santo” – “seria um parlamento” –, o Papa recupera as palavras de Basílio de Cesareia, que “define o Espírito Santo como harmonia”. Com esta ideia, conclui Francisco, no sínodo “está a diversidade”, “cada um diz o que sente ou o que pensa”.

Este é um Papa com uma estrutura mental de inclusão, numa linha mais próxima de João XXIII ou de Paulo VI. Devidamente contextualizadas no tempo, à memória vêm, por exemplo, as admoestações a teólogos da libertação no tempo do Papa João Paulo II, com o cardeal Joseph Ratzinger como prefeito da Doutrina da Fé. Num gesto corajoso, porque as memórias carregam ainda muitos preconceitos, Francisco apressou-se a reabilitar estes teólogos.

O Papa Bergoglio não se cansa de apelar à não exclusão na Igreja, que “não pode permanecer fechada em si mesma” (Francisco, 05.06.2022). Sustentado pelas narrativas evangélicas, insiste que todos têm um papel a desempenhar, “há lugar para todos” (Francisco, 29.06.2022), até para os que se sentem fora.

O tom foi dado logo no início do pontificado quando, numa meditação matinal, defendeu uma “comunidade do sim” (…), contraposta à “Igreja do não” (Francisco, 05.05.2013).

Esta atitude de inclusão sobrepõe-se a aspetos mais racionais e estratégicos de uma personalidade ou instituição. Um modelo de pensamento em “inclusão” determina a ação.

Para algumas correntes de pensamento cristão católico, a “inclusão” está sujeita à normalização e disciplina, implica assim uma perspetiva segregadora. Para o Papa Francisco, a normalização e disciplina não podem ser argumento para a “exclusão”. É esta a chave de leitura. A montante não está o direito ou o regulamento. A montante está o evangelho e o conceito de misericórdia insondável. As normas estarão algures a jusante do caminho, como propostas e desafios que carecem de uma permanente reflexão no tempo, em cada tempo. O discernimento de que o Papa tanto fala deve ser individual e institucional.

2. “Um ato de justiça”

“Em todos os processos existem os que estão bem no processo, os que vão mais à frente, os que vão mais atrás”, disse o Papa na entrevista transmitida pela TVI e CNN Portugal. “No amadurecimento”, acrescenta, “há quem não ache bem, esperam, estão mais atrasados”. É “a teologia do caminho: uns vão à frente a correr e outros para trás”.

Isto aplica-se também, como o próprio enfatizou, ao papel da mulher na Igreja. Com a reflexão teológica sobre a ordenação de mulheres num difícil impasse, Francisco dá sequência à intuição de Paulo VI e aprofunda as possibilidades de empoderamento de mulheres pelo serviço. “Faltavam mulheres na administração da Igreja”, diz, legitimando assim as recentes nomeações. Nunca as estruturas administrativas da Santa Sé tiveram tantas mulheres em cargos de influência na decisão. Com esta dinâmica, é mais um processo aberto por Francisco, dando cumprimento ao que considera a “maternalidade” da Igreja. Como explicou, “mulheres na Cúria é um processo cultural, um processo de justiça”. Há 100 anos, constata, uma pessoa que dissesse isto seria considerada “maluca”. 

Ter agora três mulheres no dicastério que escolhe os novos bispos da Igreja é mais, muito mais do que um gesto simbólico.

3. “Não pode continuar”

Tem estado em destaque a veemência com que Francisco se referiu aos abusos sexuais de menores por agentes da Igreja. O Papa repete três vezes a palavra “monstruosidade”. Não desvalorizando o problema na Igreja, recorda que há muito mais casos em contexto familiar – uma forma assertiva de realçar que se trata de um problema social, transversal, e não exclusivo da Igreja católica como a dinâmica mediática pode dar a entender – e reforça que os abusos sexuais de menores são um drama para ser enfrentado e não escondido, “nem que fosse um só”.

Na verdade, Francisco limita-se a replicar o que tem dito no reforço da “tolerância zero”. Mas esta entrevista é dada a uma jornalista portuguesa, para emissão numa televisão portuguesa, e em Portugal decorre uma investigação por uma Comissão Independente, nomeada pela própria Conferência Episcopal, que já revelou a dimensão do drama, não muito diferente do verificado noutros países cultural e socialmente comparáveis ao nosso.

Sem se pronunciar em concreto sobre a situação em Portugal e os casos já conhecidos, nomeadamente o de Lisboa, o Papa reafirma que “um sacerdote não pode continuar a ser sacerdote se for abusador”, até porque “é doente ou um criminoso”.

Não seria de, para lá das leis e das prescrições, refletir sobre o impacto destas palavras? Há sacerdotes que, tendo cometido abusos, reconhecidos pela própria Igreja – que, pelas práticas da altura, se limitou a afastá-los dos locais e circunstâncias em que prevaricaram –, continuam no ativo.

4. “Olhem para a janela”

Embora tendo abordado temas vários, foram as Jornadas Mundiais da Juventude de Lisboa, em agosto de 2023, que deram o mote à entrevista. Ecoa o apelo do Papa aos jovens, para que abram e “olhem para a janela”, sem “vistas curtas”, com um “ímpeto positivo de esperança” porque “há um caminho”, bem como a referência à “linguagem comum e criativa” das novas gerações. “Ainda que falem diversas línguas e sejam de outras culturas” têm nestas cíclicas Jornadas uma oportunidade de encontro, de “universalização da juventude”.

Se não teve tempo, na entrevista, para refletir sobre as dificuldades reais das novas gerações – muito sujeitas aos humores de uma “economia que mata” –, não deixou de sublinhar que há uma “cultura da juventude”, de “linguagem progressista”, com a qual é preciso saber dialogar sem “duplo sentido” ou “hipocrisia”, sem dizer “uma coisa, pensando outra”.

5. “João XXIV”

Este retrato da juventude é feito por um homem com 85 anos. Uma idade que não lhe permite dar a certeza de que estará nas Jornadas de Lisboa. No meio de sorrisos, é na resposta a esta dúvida que Francisco – intencionalmente, pelo subconsciente ou mero acaso – deixa mais uma interessante pista de reflexão: “O Papa vai [às Jornadas de Lisboa], vai Francisco ou 'João XXIV', mas o Papa vai”.

Ao referir-se a um hipotético sucessor de nome João XXIV, o Papa argentino traz à memória João XXIII, o Papa do aggiornamento, que ousou convocar o revolucionário Concílio Vaticano II. Na segunda metade do século XX, foi o acontecimento que sintonizou a Igreja com o mundo. Muitas das mudanças ou possibilidades saídas do Concílio estão ainda por realizar, como se verifica no atual ímpeto reformista.

Sem diminuir a relevância das Jornadas Mundiais da Juventude, o sínodo sobre a sinodalidade na Igreja, lançado por Francisco em 2021 e cuja dinâmica só termina em outubro de 2023, tem – ou devia ter… – uma importância para o devir da comunidade católica e da sociedade, que um encontro internacional de jovens católicos, acontecimento imediatista e circunscrito, não tem.

Na dinâmica sinodal, foram auscultadas as comunidades. Na síntese portuguesa desse trabalho, elaborada pela Conferência Episcopal, as “bases” católicas dizem que a Igreja mantém uma “atitude demasiado hierárquica, clerical, corporativa, pouco transparente e resistente à mudança”, que dá prioridade à “manutenção da sua imagem, ao invés de preservar a segurança da comunidade”. Um lúcido estado da arte que leva sectores mais conservadores a lançar petições de contestação ao documento. Não se reveem na forma como a maioria dos católicos se vê e relaciona com a Igreja.

Esta contestação interna às evidências tem sido sentida em quase todos os países e não é muito diferente da verificada no Concílio Vaticano II (1962-1965). João XXIII morreu no decorrer dos trabalhos. Valeu a continuidade garantida pelo sucessor Montini – Papa Paulo VI.

Qualquer que seja a motivação de Francisco, seja o subconsciente ou a ausência de uma qualquer motivação, tratando-se apenas de uma sugestão ao acaso – também temos de admitir este pressuposto… –, a ideia de um sucessor de nome João XXIV realça uma evidência: os processos abertos por Francisco precisam de um sucessor que agarre esta vontade reformista com a mesma coragem e determinação.

João XXIII não concluiu os trabalhos do Concílio. E se fosse um João XXIV a concluir os trabalhos do sínodo convocado por Francisco que, na essência, se desenha na concretização do Vaticano II?   

Pelo prisma desta “alma” católica reformista brilha também a luz dos comprometidos com o evangelho, pela justiça, pela solidariedade, pela corresponsabilidade e inclusão. Optando pela periferia, é com eles que o “reino dos céus” desce à terra para, na ação pragmática, combater a indignidade humana e contrariar “castas” que segregam.

 

Notas

Francisco, educado como católico mariano, diz que ficou “mudo” na Cova da Iria diante da “Virgem do silêncio”. Sustenta assim a experiência da ecodevoção de Fátima, na era da velocidade e do ruído.

Político, social, familiar… entre religiões, o diálogo afirma-se na prática. “Ao dialogar, nunca se perde. O diálogo é deixar de lado o instinto e ouvir.”

A tranquilidade quanto à natureza humana e os sinais do tempo. “Eu não me atrevo a dizer que atualmente tudo é mau. Há coisas muito boas, atualmente. O trigo e o joio estão juntos, crescem juntos e na colheita vão separar-se. Temos de nos habituar…”

Foi surpreendente a força anímica do Papa Francisco no acolhimento à equipa da TVI e CNN Portugal. Sabemos que mantém em aberto a possibilidade de uma resignação – que o próprio classifica como gesto de grande humildade – e já o ouvimos elogiar a decisão de Bento XVI, mas não pareceu ser um homem com a intenção de, no curto ou médio prazo, deixar funções. “Eu penso ir [às Jornadas de Lisboa]”, mas “seja o que Deus quiser”.

Opinião

Mais Opinião

Patrocinados