Melhor ou pior: proporção entre óbitos e infetados está nos 0,08%

24 jan, 16:26
Melhor ou Pior: dados de 24 de janeiro de 2022

Depois de um domingo com quebra de testes, é provável que os casos reportados amanhã subam mais. Vaga deste ano continua mais alastrada mas menos perigosa que a de há um ano: há agora o quádruplo dos infetados, mas um sexto dos óbitos

No dia em que há um milhão de pessoas isoladas em Portugal, a quinta vaga confirma recordes sucessivos do número de infetados desde o início da pandemia. Sendo segunda-feira, e sabendo que publicados se referem à véspera, as menos de 33 mil infeções hoje reportadas refletem a menor testagem aos domingos: ontem houve cerca de 157 mil testes, cerca de metade dos realizados nos seis dias antes. Amanhã, já com os dados de segunda feira, parece provável que o número de infeções suba.

O que não depende de fins de semana são os óbitos. Ora, na última semana (de 17 a 23 de janeiro) verificou-se uma média de 40 óbitos diários, o que representa mais 39% do que a média de 29 por dia óbitos na semana imediatamente anterior (10 a 16 de janeiro).

Assim assim, as consequências são muito menos severas do que eram há um ano. É o que comprova até este momento a comparação entre a quinta vaga (a atual) e a terceira (de há um ano).

Comparando os últimos sete dias com a mesma semana de há um ano, verifica-se que o número de infetados é agora de quatro vezes o número do ano passado, o que confirma que a pandemia está mais alastrada. Contudo, o número de óbitos é menor em 83%, ou seja, um sexto do que se verificava há um ano.

Se esta menor perigosidade está patente nos valores absolutos, está-o ainda mais em termos relativos: houve na última semana uma proporção entre óbitos e infetados de 0,08%, quando há um ano a mesma proporção era de 1,86%.

Também nos internamentos se confirma a menor perigosidade desta quinta vaga face à terceira, o que os especialistas atribuem sobretudo à taxa de vacinação que agora se verifica. A média de 2079 infetados nos hospitais em cada dia na última semana é quase um terço da média de 5.628 de há um ano. Nas unidades de cuidados intensivos, a diferença é ainda maior: a média de 159 internados em UCI ao final de cada dia é menos 77% do que a de há um ano.

Pandemia menos grave

A CNN Portugal está a publicar há várias semanas esta análise sobre dados semanais para aprofundar a comparabilidade, evitando por exemplo comparar um dia de semana deste ano com um dia de fim de semana do ano passado.

Fá-lo para medir não apenas valores absolutos mas também para poder aferir sobre a gravidade comparada com o passado.

Como vários especialistas têm apontado, a variante Ómicron, agora dominante, tem uma transmissibilidade muito elevada mas o seu impacto é menor do ponto de vista do desenvolvimento de doença grave e da mortalidade, até porque este ano há uma larga cobertura vacinal em Portugal.

Estes indicadores mostram que a pandemia está mais alastrada mas é menos grave neste janeiro de 2022 do que era um ano antes.

Notas: a proporção entre número de infetados e número de testes realizado não é a taxa oficial de positividade, pois muitos dos casos confirmados podem referir-se a análises em atraso (é, ainda assim, uma aproximação a essa taxa).

Da mesma forma, a relação entre internados e infetados é uma indicação, ressalvando-se que muitos podem tornar-se internados apenas algum tempo depois da infeção.

Recorde-se ainda que os números de internados e em UCI são as médias em cada dia (não os novos internados ou os novos em UCI), seguindo-se a metodologia utilizada todos os dias pela DGS, que tem como utilidade medir a ocupação e a disponibilidade dos hospitais. Quando por exemplo se vê uma proporção de 4,2% entre internados e infetados, isso não significa rigorosamente que 4,2% dos infetados sejam internados, mas sim que face ao número de infetados comunicados nessa semana havia uma média de 4,2% de número de internados. São esses os critérios comunicados diariamente pela DGS.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados