Covid. Pedro Simas tem uma boa notícia: a IHU não é assunto para preocupação

5 jan, 12:38

Nova variante foi descoberta em França

PUB

Pedro Simas desvalorizou o papel da nova variante descoberta em França, a IHU, que foi detetada em África em outubro e que agora foi identificada em 12 pessoas com histórico de viagem. Em declarações à CNN Portugal, o virologista considerou que “a probabilidade de esta variante que agora foi descoberta em França se tornar a prevalente é muito pequena”.

“Compare com a Ómicron. A Ómicron foi identificada nos primeiros dias de novembro, nos arredores de Joanesburgo. Em duas semanas, ela subiu a sua prevalência para 6%. A meio de dezembro, atingiu um pico e tinha uma dominância de quase 100%.  Teve uma progressão vertiginosa. A probabilidade de esta variante que agora foi descoberta em França se tornar a prevalente é muito pequena.”

PUB

Pedro Simas explica que o facto de a variante Ómicron ser tão transmissível pode acabar por permitir que outras novas variantes não consigam ganhar terreno. “Outras variantes só conseguirão substituir a Ómicron se forem mais contagiosas. Assim como a Delta acabou com a Alpha, a Ómicron acabou com a Delta.”

PUB
PUB
PUB

Variantes mais contagiosas mas menos virulentas, é esse o futuro que o especialista antevê. Uma combinação entre a imunidade adquirida e as características únicas destas novas variantes, como é o caso da Ómicron, que infeta principalmente “as viseiras respiratórias”, acabando por não afetar tanto os pulmões.

“A variante Ómicron tem uma probabilidade de hospitalização de 15%, de acordo com um estudo publicado hoje no The New York Times. A estada do vírus também é mais curta e as pessoas que evoluem para tratamentos de cuidados intensivos é muito pequena”, explicou.

Veja também: O que é mesmo a Ómicron: um ensinamento em sete minutos

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados