Melhor ou pior? Portugal com 3º recorde consecutivo de casos covid mas com um terço dos internamentos de há um ano (análise)

30 dez 2021, 16:31
Melhor ou pior?
Melhor ou pior?

Rubrica "Melhor ou Pior?" da CNN Portugal compara dados de infeção, óbitos, testagem e internamentos semanais entre 2020 e 2021. Esta quinta-feira é o terceiro recorde diário consecutivo de infeções - mas esse dado não mostra tudo. Óbitos e internamentos continuam muito abaixo dos dados de há um ano. Número de testes realizados é mais de sete vezes superior

PUB

Portugal bateu esta quinta-feira o recorde de casos diários de covid-19: 28.659 infetados em 24 horas. É o terceiro dia consecutivo de recordes: entre terça e quinta, foram quase 73 mil casos. Mas, ao contrário do que se verificou há um ano, mais contágios não significam um grave aumento da mortalidade nem sequer das hospitalizações. Pelo contrário.

A tabela resume dados da semana de natal atualizados a 30 de dezembro (que se refere aos dados da véspera, até 29): Portugal tem uma média de 15.103 infeções diárias nos últimos sete dias. Este valor é mais do quádruplo da média diária de 3.256 casos nos mesmos dias em 2020.

PUB

A contribuir para as infeções está também o aumento enorme de testes realizados: mais de 226 mil em média por dia este ano, mais de sete vezes do que o realizado há um ano. Comparando o número de casos detetados com o número de testes, confirma-se uma proporção menor este ano: 6,7 casos este ano por cada 100 testes, quando há um ano a média diária foi de 10,4 casos por cada 100. Nota: este indicador será aproximado mas não é a taxa oficial de positividade, pois muitos dos casos confirmados podem referir-se a análises em atraso.

PUB
PUB
PUB

(Muito) menos internamentos e óbitos

Importante para comparar a gravidade atual da pandemia é comparar números de óbitos e de internamentos com os de há um ano. Se o número de infetados mais do que quadruplicou, o número de óbitos caiu 80% - e o de internamentos está cerca de 70% abaixo, incluindo em Unidades de Cuidados Intensivos.

A pressão sobre os hospitais é assim menor do que há um ano, quando Portugal estava ainda a entrar na então terceira vaga.

Se os números absolutos são menores do que há um ano, em termos relativos são ainda menos graves. Face à média diária de infetados nesta semana à volta do Natal, o número médio de óbitos é de 0,09% (quando há um ano era de 2,09%); a proporção de internados é de 6,1% (era de 88,4% há um ano) e nos UCI é de 1% (era de 15,4% há um ano).

Pandemia menos grave

A CNN Portugal está a publicar esta análise diária desde que esta terça-feira os números de infeções dispararam: fá-lo para medir não apenas valores absolutos mas também para poder aferir sobre a gravidade comparada com o passado. Como vários especialistas têm apontado, a variante Ómicron, agora dominante, tem uma transmissibilidade muito elevada mas o seu impacto é menor do ponto de vista do desenvolvimento de doença grave e da mortalidade.

PUB
PUB
PUB
-
LEIA TAMBÉM
- Isolamento reduzido para 7 dias. Saiba em que circunstâncias
- Portugal na categoria de risco muito elevado
 - “Os 20 mil não são casos, são infeções. Não há alarme"
- Onde é que isto vai parar?
- Devem as crianças voltar à escola?
- O que une e o que separa os peritos
- Fauci: falta pouco para vivermos sem controlos pandémicos
- Tenho um teste positivo. E agora?
- O que precisa saber sobre as medidas para o fim de ano
-

Estes indicadores mostram que a pandemia está mais alastrada mas é menos grave agora nesta semana do Natal do que era há um ano. Para isto contribuirá a vacinação e possivelmente uma menor virulência da variante Ómicron.

Em face disto, vários especialistas têm referido que poderemos vir a mudar a estratégia na pandemia, aprendendo a “viver com ela” em vez de tentar erradicá-la. Portugal juntou-se hoje aos países que já estão a reduzir os períodos de quarentena para casos positivos. Não há ainda consenso sobre esse tipo de medidas. Os matemáticos preveem que o número de contágios continue a subir ao longo das próximas semanas.

PUB
PUB
PUB

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados