Estónia é país menos dependente da energia importada. Portugal está em 11.º lugar

Agência Lusa , CE
9 mai, 07:11
Lâmpada

Portugal tem uma dependência de 65%, acima da média da União Europeia que se situa nos 58%

A Estónia é o país da União Europeia (UE) menos dependente da importação de energia e Malta, Chipre e Luxemburgo lideram, enquanto Portugal está em 11.º lugar, segundo dados compilados pela Pordata, reportados a 2020.

“Em 2020, Malta, Chipre e Luxemburgo eram os países mais dependentes (mais de 90% da energia importada). O país menos dependente era a Estónia (11%)”, indicou, em comunicado, a Pordata, base de dados estatísticos da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Portugal ocupava o 11.º lugar (65%), acima da média da UE (58%), considerando os 27 Estados-membros, tendo vindo a diminuir a sua dependência desde 2000 (85%).

No que se refere ao preço da energia, em 2021, os portugueses pagavam o 6.º preço mais caro da UE27, enquanto a indústria pagava o 14.º mais elevado.

Já no que se refere ao gás natural, anulando a diferença do custo de vida dos vários países, as famílias portuguesas pagavam o segundo preço mais caro da UE e a indústria o 18.º.

Em 2020, Portugal importou 14.428.482 toneladas de petróleo e derivados, provenientes do Brasil (20%), Espanha (15%) e Nigéria (13%).

Já as importações de gás natural ascenderam a quase 5.600 milhões de metros cúbicos normais (Nm3), com origem na Nigéria (54%), EUA (19%), Rússia (10%) e Argélia (9%).

A UE produziu, em 2020, 573,8 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep) de energia, sendo que França (21%), Alemanha (17%), Polónia (10%), Itália (7%), Espanha e Suécia (6%) foram os que mais contribuíram.

Por sua vez, o consumo de energia primária na UE diminuiu 10% em 2020, face a 1990, e apenas oito dos 27 países aumentaram este consumo, incluindo Portugal (29%).

No entanto, desde 2005 que se verifica uma descida, com 19,5 milhões de tep consumidos em 2020, abaixo da meta proposta para 2020 de 22,5 milhões de tep.

Entre 1990 e 2020, a UE reduziu em 5% o consumo de energia final.

“Dos 27 países da UE, 11 aumentaram este consumo. Portugal foi o 6.º país que mais aumentou o consumo de energia final (26%), embora desde 2007 esteja numa trajetória decrescente. Deste modo, conseguimos superar a meta 2020 a que nos tínhamos proposto: em 2020 consumimos 15 milhões de tep, quando a meta era não ultrapassar os 17,4 milhões de tep nesse ano”, indicou.

Portugal aumentou a sua eficiência energética desde 1995, em linha com a Europa.

De acordo com os dados da Pordata, em 2020, a intensidade energética em Portugal era de 76 tep de energia consumida por cada milhão de euros de riqueza gerada, enquanto, a nível europeu, era de 66 tep.

A intensidade carbónica da economia, por sua vez, tem vindo a recuar desde 1995 na UE, uma tendência que também foi seguida por Portugal.

A Suécia é o país com maior eficiência carbónica e a Bulgária o com pior.

Na UE, as renováveis produziram, em 2020, 41% da energia primária e contribuíram para 22% da energia consumida.

“Portugal foi o terceiro país da União Europeia que mais produziu energia renovável no total da energia produzida (98%). Portugal foi o quinto país da União Europeia que mais consumiu energias renováveis no total do consumo final de energia (34%)”, acrescentou.

A Alemanha foi o país que mais contribuiu para a produção de energia primária através de fontes renováveis, com um quinto da energia total dos países europeus.

Neste ano, a produção de energias renováveis na UE estava dividida entre biomassa (57%), energia eólica (15%), hídrica (13%), solar (7%) e geotérmica (3%).

Em Portugal, o destaque foi também para a biomassa (51%), seguida pelas energias eólica e hídrica (ambas com 16%), solar (4%) e geotérmica (3%).

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados