Myanmar: junta militar mantém dez mil detidos desde golpe de Estado

Agência Lusa , AM
1 abr, 07:17
Myanmar

Golpe mergulhou Myanmar numa profunda crise política, social e económica, bem como numa espiral de violência

A junta militar que governa Myanmar (antiga Birmânia) continua a manter 10.000 pessoas detidas desde o golpe de Estado de fevereiro de 2021, consideradas presos políticas por uma organização não governamental (ONG).

A Associação para a Assistência aos Presos Políticos (AAPP) indicou na última atualização, de quinta-feira, que menos de mil pessoas foram condenadas, enquanto 52 estão no corredor da morte, incluindo dois menores.

A associação birmanesa, que trabalha a partir do exílio para verificar informações sobre a repressão levada a cabo pela junta militar, afirmou que pelo menos 1.723 pessoas foram mortas pela resposta violenta das forças de segurança e militares.

Desde 1 de fevereiro do ano passado, 13.040 birmaneses foram detidos, dos quais, segundo a AAPP, 3.040 foram libertados.

Entre os que ainda se encontram detidos encontra-se a líder civil deposta e Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, condenada a seis anos de prisão por vários crimes. Suu Kyi ainda terá que responder numa dúzia de outras acusações apresentadas pelos autores do golpe.

O golpe mergulhou Myanmar numa profunda crise política, social e económica, bem como numa espiral de violência.

O exército justificou o golpe com uma alegada fraude durante as eleições gerais de novembro de 2020, cujo resultado foi anulado e que o partido de Suu Kyi ganhou confortavelmente, tal como em 2015, com o escrutínio a ser validado pelos observadores internacionais.

Em meados de março, as Nações Unidas acusaram os militares birmaneses de assassínio em massa, detenção e tortura de civis utilizando métodos que incluem enforcamento de presos, privação de comida e água, isolamento prolongados, eletrocussões, ou mesmo alimentar muçulmanos detidos com carne de porco.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados