António Costa: "Não falo sobre esse processo, aguardo simplesmente”

Agência Lusa , PP
24 jun, 22:53
António Costa recebe a Comissão Técnica Independente e o presidente da Comissão de Acompanhamento (Lusa/MANUEL DE ALMEIDA)

Ex-primeiro-ministro recusa comentar divulgação de escutas do processo Influencer

O ex-primeiro-ministro António Costa recusou esta segunda-feira comentar a divulgação de escutas do processo Infuencer, dizendo aguardar simplesmente.

“Sobre esse tema, não vou falar. Não falo sobre esse processo, aguardo simplesmente”, afirmou aos jornalistas António Costa, em Leiria, à margem de uma conferência na qual foi orador, sobre “Segurança Internacional – Economia e Sociedade", promovida pela ADLEI – Associação para o Desenvolvimento da Região de Leiria.

À pergunta se gosou de ver reproduzidas na comunicação social escutas aparentemente sem incidências criminais, o antigo primeiro-ministro socialista declarou: “Acho que a resposta é óbvia, mas, apesar disso, como já anunciei, não farei qualquer comentário sobre esse processo”.

O Ministério Público (MP) abriu uma investigação a fugas de informação no processo Influencer, depois de ter sido divulgada a transcrição de escutas a conversas telefónicas entre o ex-primeiro-ministro António Costa e o então ministro das Infraestruturas João Galamba.

Segundo a informação divulgada por vários órgãos de informação, a investigação do MP visa as escutas divulgadas na terça-feira pela CNN Portugal, entre elas uma que apanha António Costa a ligar a João Galamba para ordenar a demissão da presidente executiva da TAP, por motivos políticos, depois da polémica indemnização de 500 mil euros à ex-administradora Alexandra Reis.

António Costa demitiu-se do cargo de primeiro-ministro em novembro de 2023, após ter sido divulgado que era alvo de um inquérito instaurado no MP junto do Supremo Tribunal de Justiça após ter sido extraída uma certidão do processo-crime Operação Influencer.

A Operação Influencer levou na altura à detenção de Vítor Escária (chefe de gabinete de António Costa), Diogo Lacerda Machado (consultor e amigo de António Costa), dos administradores da empresa Start Campus Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, e do presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, que ficaram em liberdade após interrogatório judicial.

Existem ainda outros arguidos, incluindo o ex-ministro das Infraestruturas João Galamba, o ex-presidente da Agência Portuguesa do Ambiente Nuno Lacasta, o ex-porta-voz do PS João Tiago Silveira e a Start Campus.

O caso está relacionado com o projeto de construção de um centro de dados na zona industrial e logística de Sines pela Start Campus, a produção de energia a partir de hidrogénio em Sines, e a exploração de lítio no distrito de vila Real, em Montalegre e Boticas.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados