Ministra da Cultura lamenta morte de João Paulo Cotrim, editor "exemplar e modelar"

Agência Lusa , DCT
26 dez 2021, 20:25
Graça Fonseca (Lusa/Mário Cruz)
Graça Fonseca (Lusa/Mário Cruz)

Graça Fonseca considera que, “numa carreira multifacetada, em que se notabilizou como autor, editor, jornalista e guionista, importa também realçar o seu compromisso profundo com a programação literária e com a promoção da leitura”

PUB

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou este domingo a morte do escritor, jornalista e editor João Paulo Cotrim, que classificou de uma “figura emblemática da edição independente e da divulgação de banda desenhada em Portugal”.

A cultura portuguesa perde, hoje, um editor exemplar e modelar, que com rigor, profissionalismo e uma boa disposição permanente, deixou uma marca inapagável na edição independente em Portugal e na divulgação da banda desenhada e da ilustração entre nós”, refere Graça Fonseca numa nota de pesar.

PUB

João Paulo Cotrim, natural de Lisboa, morreu este domingo aos 56 anos.

Para a ministra da Cultura, “o percurso profissional de João Paulo Cotrim é indissociável do seu trabalho como editor de livros e revistas, reconhecido por quem com ele trabalhou e pelos muitos leitores que conquistou como um editor completo, simpático e empenhado”.

Nas editoras Abysmo e Arranha-Céus ou em revistas como a Lua Cheia, a LX Comics ou a Ícon, o seu trabalho foi inovador, tanto nas abordagens como nos formatos, destacando-se pelo investimento, muitas vezes arrojado, na componente gráfica das obras e periódicos que editava”, afirmou.

PUB
PUB
PUB

Graça Fonseca considera que, “numa carreira multifacetada, em que se notabilizou como autor, editor, jornalista e guionista, importa também realçar o seu compromisso profundo com a programação literária e com a promoção da leitura”.

Para além do seu notável trabalho como escritor de literatura infantojuvenil, merece especial destaque o seu contributo, enquanto coordenador, na Casa da Leitura, da Fundação Calouste Gulbenkian, e a direção da Bedeteca de Lisboa entre a sua fundação e 2002, tendo, neste último projeto, um impacto muito significativo na preservação, promoção e divulgação da banda desenhada, da ilustração e do cartoon em Portugal, bem como no estímulo à criação nestes meios por parte de autores portugueses”, lê-se na nota.

João Paulo Cotrim dirigiu a Bedeteca de Lisboa desde a sua abertura, em 1996, e até 2002. Durante este período organizou várias iniciativas e exposições.

Foi diretor do Salão Lisboa de Ilustração e Banda Desenhada durante quatro edições e responsável pela sua programação e dos catálogos e da mostra Ilustração Portuguesa.

PUB
PUB
PUB

 

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Artes

Mais Artes

Patrocinados