“O Barco do Amor”: como um programa de TV transformou a indústria dos cruzeiros

CNN , Tamara Hardingham-Gil
29 mai, 16:00
O Barco do Amor

De navios a vapor a megaiates, a indústria de cruzeiros passou por uma grande transformação ao longo dos anos. E o mercado disparou

Cerca de 500 mil pessoas fizeram um cruzeiro de férias em 1970. O número saltou para cinco milhões em 1997. O que causou esse súbito aumento de interesse? De acordo com especialistas do sector, isso deve-se principalmente a uma determinada série de televisão de TV que abria com uma música que ficava no ouvido.

"Come aboard, we're expecting you!" ["Suba a bordo, estamos à esperando de si!"]

Produzido pela lenda televisão Aaron Spelling, "O Barco do Amor" foi para o ar pela primeira vez em 1977 e tornou-se um dos programas de maior sucesso da história da TV durante a década em que foi produzido [em Portugal, a série foi então emitida pela RTP].

O programa, que ainda está disponível em serviços de streaming [nos EUA] como a Paramount Plus, foi feito em parceria com a Princess Cruises e os episódios foram filmados a bordo de vários navios da Princess Cruises, sendo o Pacific Princess e Island Princess os mais notados.

“A melhor colocação de produtos”

"O Barco do Amor" centrava-se nas aventuras da tripulação e dos passageiros a bordo de um navio de cruzeiro de luxo. Créditos: Coleção Everett

A série gerou várias variações. O mais recente “reality show” de competição de namoros, "The Real Love Boat" [à letra, “O verdadeiro Barco do Amor”], vai ser filmado a bordo de um navio da Princess Cruises, assim como o espetáculo original, e deve ir para o ar na CBS ainda este ano.

Baseado num livro de não-ficção escrito pela ex-diretora de cruzeiros Jeraldine Saunders, "O Barco do Amor" girava em torno do capitão Merrill Stubing (interpretado por Gavin MacLeod) e a sua tripulação a bordo, enquanto diferentes atores convidados interpretavam passageiros em cada episódio.

Desde então, a série foi descrita como tendo "o melhor product placement” [colocação de produtos para efeitos de publicidade] de todos os tempos, servindo como introdução completa aos cruzeiros a muitos dos seus ávidos espectadores.

"'O Barco do Amor' realmente criou a indústria de cruzeiros", afirma Michael L. Grace, que trabalhou como guionista do programa durante a década de 1980. "Porque tinha 50 milhões de pessoas a assistir e todas queriam fazer um cruzeiro."

Várias linhas de cruzeiro modernas existiam quando a série começou, incluindo a Princess, fundada em 1965 com um único navio a cruzar até ao México. A Royal Caribbean foi lançada em 1968 e a Carnival Cruise Line foi fundada em 1972.

Mas a demografia dos cruzeiros era muito diferente do que é agora.

"O Barco do Amor" era protagonizado por Fred Grandy ("Gopher"), Lauren Tewes (Julie McCoy), Gavin MacLeod (Merrill Stubing), Bernie Kopell (Dr. Adam Bricker) e Jill Whelan (Vicki Stubing), aqui retratados no cenário. Créditos: Coleção Everett

Embora as empresas de cruzeiros estivessem aparentemente interessadas em atrair passageiros mais jovens, muitas pessoas simplesmente não sabiam muitas coisas sobre cruzeiros - e aqueles que sabiam tinham uma ideia muito específica.

"Antigamente, as pessoas diziam que os cruzeiros eram para quase-mortos ou para recém-casados", conta a jornalista de cruzeiros Carolyn Spencer Brown, diretora de conteúdos da Cruise Media. "Então, quando 'O Barco do Amor' apareceu e mostrou pessoas de todas as idades e raças a divertirem-se num navio, isso abriu os cruzeiros a um mundo que realmente não sabia que existia."

A cada semana, dezenas de milhões de pessoas de todo o mundo sintonizavam as façanhas do capitão Stubing, do Dr. Adam Bricker (Bernie Kopell), da diretora de cruzeiros Julie McCoy (Lauren Tewes), do barman Isaac Washington (Ted Lange) e da filha do capitão Vicki (interpretada por Jill Whelan), e de repente viajar num cruzeiro subiu ao topo de muitas listas de desejos.

"Eles [os passageiros] viriam ao navio", diz Grace sobre a fórmula para o espetáculo de uma hora. "Teriam um problema. Então o problema era resolvido e todos eles se reuniam novamente. [Os episódios] eram como pequenos filmes."

Boom de construção de cruzeiros

Os navios Pacific Princess, na foto, e Island Princess eram "as estrelas flutuantes originais" de "O Barco do Amor". Créditos: Coleção Everett

O lançamento de "O Barco do Amor" ocorreu num momento em que a grande maioria dos navios de cruzeiro na água eram antigos transatlânticos que haviam sido convertidos. Havia poucos navios novos em serviço. No entanto, isso mudou rapidamente quando a procura disparou graças ao sucesso do programa de televisão.

"Ele [o programa] correu tão bem que a Princess Cruises estava a esgotar os seus navios", disse o historiador de cruzeiros Peter Knego à CNN. "E isso levou ao primeiro boom de construção de novos navios de cruzeiro no início dos anos 80."

O facto de cenas de "O Barco do Amor" terem sido ocasionalmente filmadas a bordo de cruzeiros da vida real, com os passageiros a servir como extras, só aumentou a sedução. "Muitas linhas de cruzeiro querem criar experiências que provavelmente você não conseguiria criar sozinho", observa Spencer Brown.

O sucesso do programa provocou um boom na construção de navios de cruzeiro. O MS Sovereign of the Seas, da Royal Caribbean, considerado o primeiro meganavio, foi lançado em 1998. Créditos: Hauke-Christian Dittrich/dpa/AP

"Isso [tornar-se um figurante num programa de televisão popular] qualifica-se certamente como algo que não acontece à maioria das pessoas."

Ansiosas para “bater enquanto o ferro estava quente”, as linhas de cruzeiro existentes começaram a encomendar novos navios de cruzeiro, construídos especificamente para responder a esse mercado em rápido crescimento, enquanto novas empresas surgiram, como a Celebrity Cruises, fundada em 1988.

"Naquela época, construir novos navios de cruzeiro era um grande negócio", diz Knego.

Durante a década de 1980, quase 40 novos navios de cruzeiro foram construídos, incluindo o Tropicale, da Carnival Cruise Lines, e o Royal Princess, o primeiro navio de cruzeiro construído de propósito para esse efeito pela Princess Cruises.

"Ele [o Royal Princess] tinha novos recursos, como varandas, que eram bastante raras nos cruzeiros convencionais", acrescenta.

À medida que mais linhas de cruzeiro surgiram e começaram a competir entre si, os cruzeiros tornaram-se mais acessíveis, expandindo ainda mais o mercado.

Foco no entretenimento

"O Barco do Amor" tornou-se um dos programas de TV de maior sucesso de todos os tempos.

"O Barco do Amor" também pode ter desempenhado um papel no foco de grande entretenimento que vemos nos navios de cruzeiro modernos.

Performances musicais estranhas eram frequentemente apresentadas em "O Barco do Amor" e provaram ser um grande sucesso entre os telespectadores. Durante um dos especiais do programa, conhecido como "O Barco do Amor Follies", as estrelas icónicas do palco e do ecrã Della Reese, Ethel Merman, Carol Channing e Ann Miller cantam juntos uma versão de "I'm The Greatest Star", do musical de 1968 "Funny Girl".

"Foi muito espetacular", diz Grace, que está a trabalhar num livro sobre o impacto de "O Barco do Amor". "E o que era tão estranho era que, quando eles se voltavam para as pessoas a assistir na plateia, era como um pequeno clube. Mas o palco era do tamanho de um teatro do West End."

Fora do ecrã, o Island Princess e seu navio-irmão Pacific Princess, os dois navios principalmente usados no início da série, realizaram shows de produção no palco principal que se tornaram populares entre os fãs de cruzeiros. Isso levou à introdução nos anos posteriores de alguns grandes recursos em navios de cruzeiro.

"A Princess e outras linhas de cruzeiros passaram a construir navios com salas de espetáculos de última geração, com palcos enormes, efeitos de som e de iluminação que agora são padrão em navios de cruzeiro modernos", diz Knego, acrescentando que os átrios modernos vistos em navios de cruzeiro hoje também podem ser rastreados até aos navios de "O Barco do Amor".

"Os dois lobbies de deck com a grande escadaria que foi replicado para as filmagens de estúdio eram versões iniciais dos grandes átrios, que agora são recursos populares nos cruzeiros modernos", diz.

Aventuras românticas

O ícone de Hollywood Carol Channing estava entre as muitas grandes estrelas que apareceram na série. Coleção Everett

O romance foi compreensivelmente um factor muito importante em "O Barco do Amor". Embora os enredos de relacionamento certamente mantenham os espectadores entretidos, Spencer Brown enfatiza que esse foco também foi benéfico quando se tratou de manter a noção de que os "cruzeiros são muito românticos".

"Durante muito tempo, a Princess tinha todos os tipos de adereços reforçados que apontavam para o romance", acrescenta. "Eles realmente abraçaram sempre esse conceito. Você poderia ter uma varanda, jantares ao pôr do sol e pétalas de rosa espalhadas na cama. Todas essas coisas adoráveis ​​e românticas."

Judi Patterson, entusiasta de cruzeiros de longa data, e que conheceu seu marido Andy quando ele estava a trabalhar a bordo de outro navio de cruzeiro, o SS Oriana da P&O, era fã de "O Barco do Amor" mas diz que as suas próprias experiências de cruzeiro foram muito diferentes do que foi retratado no ecrã.

"Ele [o show] não tem nenhuma semelhança com a realidade", diz Patterson. "Mas foi divertido. Não sei se as pessoas realmente acreditam que é isso que acontece [nos navios de cruzeiro].”

"Foi divertido assistir e pensar que aquelas coisas podiam acontecer."

As reposições de "O Barco do Amor" ainda estavam a ser exibidas em todo o mundo anos depois do último episódio e a base de fãs do programa permaneceu incrivelmente leal.

Legado duradouro

As estrelas de Hollywood Greer Garson, segundo a contar da esquerda, e Howard Duff, com os atores regulares da série Ted Lange, à esquerda, e Lauren Tewes. Coleção Everett

Spencer Brown, que também conheceu o agora seu marido a bordo de um navio - o casal até ficou noivo num cruzeiro -, acredita que a parceria entre "O Barco do Amor" e a Princess Cruises foi a chave para a sua longevidade. "Eles abraçaram-se de uma maneira realmente sincera", diz. "Os membros do elenco tornaram-se parte da linha de cruzeiro - e ainda o são."

A Princess Cruises costuma realizar cruzeiros de reunião, com os atores de "O Barco do Amor" a aparecerem como convidados especiais. O próximo está programado para outubro de 2022, navegando de Los Angeles para o México.

"As pessoas ficam na fila durante horas apenas para tirar uma fotografia com os membros do elenco", diz Knego, que deve participar da próxima reunião. "Eles [o elenco] dão autógrafos e até hoje é uma situação maravilhosa."

MacLeod era um passageiro frequente nos populares cruzeiros até à sua morte, em 2021.

"As pessoas perguntam-nos sempre porque 'O Barco do Amor' era tão popular e eu digo sempre que foi porque deu às pessoas algo para sonhar", disse o ator em 2015.

O Wonder of the Seas, da Royal Caribbean, é atualmente o maior navio do mundo. Sigrun Sauerzapfe/Royal Caribbean

"Eles podem sonhar em estar em alto mar num cruzeiro e descobrir os maiores destinos do mundo, sonhar com amor e, claro, com finais felizes, já que os episódios terminavam sempre em alta. Tenho orgulho em ter desempenhado um papel no crescimento da indústria de cruzeiros."

Agora uma indústria de milhares de milhões de dólares, os cruzeiros evoluíram consideravelmente desde "O Barco do Amor". Atualmente existem mais de 1.200 portos de cruzeiros em todo o mundo. Mais de 100 novos navios foram construídos durante a década de 1990, sendo a maioria deles significativamente maior do que os navios que apareceram no programa.

O MS Sovereign of the Seas, da Royal Caribbean, considerado o primeiro meganavio, com capacidade para 2.850 passageiros, fez a sua viagem inaugural em 1998, enquanto a Disney Cruise Line se estabeleceu no mesmo ano. O Wonder of the Seas, da Royal Caribbean, um navio de cruzeiro de 18 decks e capacidade para 6.988 convidados e 2.300 tripulantes, é o atual recordista de maior navio do mundo.

Embora a pandemia de covid-19 tenha sem dúvida devastado a indústria de cruzeiros, e os últimos dois anos tenham sido instáveis, as coisas estão mais uma vez a melhorar.

No mês passado, o principal grupo comercial global da indústria de cruzeiros, a Cruise Lines International Association, anunciou que 75% dos seus navios membros já haviam regressado ao serviço - e quase todos previam voltar no final do verão.

Em 2015, a Princess Cruises introduziu o cocktail "The Isaac", bebida inspirada no personagem de Ted Lange na série. Bret Hartman/AP/Princess Cruises

"Para mim, a indústria de cruzeiros é quase vítima de seu sucesso", diz Knego, que administra o canal do YouTube MidShipCinema, dedicado a navios de cruzeiro antigos e novos. Porque os navios agora em voga transportam cinco mil pessoas e são absolutamente maciços”. "Não têm o mesmo tipo de intimidade que havia quando os navios carregavam apenas 800 ou talvez 1.200 pessoas - como os Barcos do Amor."

No entanto há várias empresas de cruzeiros que propõem navios menores para os que desejam uma experiência de cruzeiro mais estilo Barco do Amor. Patterson e o seu marido fizeram muitas viagens com a principal linha de cruzeiros de pequenos navios Viking e vão partir num cruzeiro mundial em janeiro de 2023.

"Agora só viajamos em navios pequenos", diz ela, observando que é um pouco mais caro viajar em navios menores. "Já tivemos a nossa vez nos navios maiores."

Um novo capítulo

"The Real Love Boat", concurso de namoros inspirada no programa, será filmada na Regal Princess. CBS ENTERTAINMENT/Princess Cruise/CBS

O Pacific Princess e o Island Princess, os Barcos do Amor originais, foram descartados nos últimos anos. Knego conseguiu fotografar o Island Princess nos seus últimos dias num ferro-velho na Índia e resgatar alguns dos móveis e decoração, incluindo uma escultura de sereia de bronze e alguns móveis da área do lóbi do navio. Espera trazer alguns dos artigos para o cruzeiro de reunião de "O Barco do Amor" este outono, para que os fãs a bordo "possam ter uma ligação tátil com os navios originais".

Ainda este ano, "The Real Love Boat" verá outro navio Princess, o Regal Princess, no centro do palco num programa de TV, embora num formato muito diferente. “É bom para a indústria de cruzeiros”, diz Spencer Brown sobre a próxima série, embora observe que um reality show é “uma reinterpretação bastante radical” do programa original.

"É bom para todos os cruzeiros porque conta uma história diferente. Conta uma história divertida e romântica."

 

Imagem no topo: os membros do elenco de "Love Boat", da esquerda para a direita: Ted Lange, Gavin MacLeod, Jill Whelan, Bernie Kopell, Lauren Tewes e Fred Grandy. Crédito: TV Guide/cortesia Everett Collection

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados