Prémio Nobel da Química atribuído a três cientistas "pelo desenvolvimento da química bio-ortogonal e da química click"

5 out, 10:55
Anúncio do Prémio Nobel da Química

Carolyn R. Bertozzi, Morten Meldal e Barry Sharpless foram os distinguidos em 2022

O Prémio Nobel da Química de 2022 foi atribuído aos cientistas Carolyn R. Bertozzi, Morten Meldal, Barry Sharpless "pelo desenvolvimento da química click e da química bio-ortogonal".

"O Prémio Nobel da Química deste ano trata não de complicar as coisas, mas antes de trabalhar com o que é fácil e simples. As moléculas funcionais podem ser construídas mesmo tomando um caminho simples", disse Johan Åqvist, presidente do Comité Nobel da Química.

Carolyn R. Bertozzi é professora na Universidade de Stanford, sendo destacada pelo Academia Real de Ciência da Suécia pelo seu trabalho no desenvolvimento da química bio-ortogonal, "levando a química click para outro nível".

Por sua vez, Morten Meldal, professor na Universidade de Copenhaga, e Barry Sharpless, que recebe agora o seu segundo Prémio Nobel, são galardoados por terem apresentado, independentemente um do outro, a "joia da coroa da química click", de acordo com o Comité: a cicloadição catalítica de cobre azida-alcino.

O prémio monetário de 900 mil euros será partilhado em partes iguais pelos três cientistas.

O termo química bio-ortogonal refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados