Voos noturnos em Lisboa ascenderam a 43 na semana entre 7 e 13 de novembro

Agência Lusa , DCT
15 nov, 19:36
Avião

O Governo autorizou mais voos noturnos no aeroporto de Lisboa a partir de 18 de outubro e até 28 de novembro, para mudar o sistema de gestão de tráfego aéreo, apesar do parecer negativo dos ambientalistas

A NAV Portugal contabilizou 43 voos no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, no período noturno, entre 7 e 13 de novembro, permitidos por uma portaria do Governo, para a implementação do novo sistema de gestão aéreo.

Em comunicado, a empresa indicou que, “durante o mesmo período houve três voos de operação não regular, entre as 02:00 e as 05:00, que serão avaliados pela Autoridade Nacional da Aviação Civil no que diz respeito ao cumprimento da lei e dos regulamentos sobre a matéria”.

A NAV anunciou ainda que foi “concluída a entrada em operação do sistema Topsky para a torre de controlo do aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto”, acrescentando que o “sistema agora em operação tem correspondido até ao momento aos rigorosos requisitos, regulamentação e 'performance' estabelecidos e expectáveis”.

Segundo a gestora, “neste momento o sistema está instalado com sucesso, no Centro de Controlo de Tráfego Aéreo de Lisboa e nas Torres de Controlo de todos os aeroportos da Região de Informação de Voo de Lisboa, (Porto, Faro, Lisboa, Cascais, Funchal e Porto Santo)”.

A NAV garantiu que, “conforme plano e calendário aprovados”, conta “terminar a migração do sistema a 28 de novembro de 2022”.

“A presente fase implica ainda o funcionamento em paralelo dos dois sistemas, o novo Topsky e o antigo Lisatm, este último como ‘backup’, assegurando-se os níveis de redundância requeridos, o que exige um esforço adicional da equipa NAV e obriga a regulações e reduções de capacidade desde o início da sua implementação inicial a 18 de outubro passado, e por um período de seis semanas”, indicou.

De acordo com a organização, “estas reduções, articuladas com as companhias aéreas em julho, implicam um ajustamento dos seus planeamentos", bem como "de outras regulações não relacionadas com a NAV Portugal, como por exemplo as condições climatéricas adversas na Europa, greves e outros constrangimentos de cada parceiro que podem contribuir para maiores desafios na operação de cada um dos agentes”.

“Temos também consciência dos transtornos que a instalação deste novo sistema – essencial e imprescindível, pela regulamentação internacional, pelas novas funcionalidades e pela limitação de vida útil do antigo sistema – poderá ter vindo a causar à população que habita junto ao Aeroporto Humberto Delgado”, referiu, na mesma nota, assegurando que tudo tem feito até agora, e continuará “a fazer até ao dia 28 de novembro de 2022, para reduzir ao máximo qualquer perturbação que esta imprescindível transição possa estar a causar”.

O Governo autorizou mais voos noturnos no aeroporto de Lisboa a partir de 18 de outubro e até 28 de novembro, para mudar o sistema de gestão de tráfego aéreo, apesar do parecer negativo dos ambientalistas.

O diploma cria um regime excecional relativo à operação de aeronaves no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, durante o período temporal "estritamente necessário para assegurar o processo de mudança de sistema de gestão de tráfego aéreo, tendo início no dia 18 de outubro e não se prolongando para além" do dia 28 de novembro de 2022.

O limite de voos noturnos é derrogado pela portaria, permitindo a operação de aeronaves no Aeroporto Humberto Delgado entre as 00:00 e as 02:00 e entre as 05:00 e as 06:00, não sendo estes movimentos aéreos contabilizados, mas os movimentos aéreos têm limites máximos semanais.

Na primeira semana, entre 18 e 23 de outubro, não podem exceder 168, na segunda semana 86 voos, na terceira 75, na quarta 45, na quinta 30 e na última semana, entre 21 e 28 de novembro, mais 20 voos.

O projeto Topsky, comum a mais outros seis países e coordenado pelo Eurocontrol, foi apresentado pela NAV em 2019 e prevê um investimento de 103,8 milhões de euros, até 2023.

 

Economia

Mais Economia

Patrocinados