Mesmo a tempo do Natal, relembramos os brinquedos mais vendidos nos últimos 70 anos

CNN , Scottie Andrew
17 dez 2022, 13:00
Mesmo a tempo do Natal, relembrámos os brinquedos mais vendidos nos últimos 70 anos (CNN Internacional)

Não é Natal se não houver um brinquedo que é mais cobiçado do que os outros todos. E esse não será o brinquedo mais procurado do ano se a tentativa de o comprar não deixar os consumidores absolutamente loucos. 

Escolhemos dois dos brinquedos mais populares de cada década desde os anos 1950 para ficarmos nostálgicos - os brinquedos que nunca esquecemos, desde o momento em que os desembrulhámos ou, se somos pais, os brinquedos pelos quais passámos as primeiras horas da manhã à espera na fila, a fazer frente a outros clientes para lhes deitar as mãos. Estes eram os brinquedos da moda e, normalmente, aqueles que estavam sempre esgotados nas respetivas épocas natalícias. 

Anos 50: sr. Cabeça de Batata 

Os clientes forneceram as suas próprias batatas quando os brinquedos originais do sr. Cabeça de Batata chegaram às prateleiras. Créditos: Picture Post/Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1952 

Unidades vendidas nesse ano: 1 milhão

O sr. Cabeça de Batata encorajou as crianças a brincar com a sua comida. Hasbro fornecia as bocas e os pés engraçados, os olhos esbugalhados e os pelos faciais e acessórios variados que as crianças espetavam nas batatas verdadeiras dos seus pais. Só na década seguinte é que a Hasbro criou uma batata falsa de plástico, em vez de assumir que os consumidores forneceriam a sua. Algumas aparições deste brinquedo no filme “Toy Story” e quase 70 anos depois, mais de 100 milhões de bonecos-batata foram vendidos em todo o mundo. A batata também está a trabalhar arduamente para se manter relevante - no início deste ano, a Hasbro deixou cair o “sr.” da sua marca. 

Anos 50: arcos de ginástica

Ann Evans de Wales, de onze anos de idade, foi a campeã mundial da maratona do arco de ginástica, vista aqui rodando sete arcos simultaneamente em 1958. Créditos: FPG/Arquivo Fotos/Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1958 

Unidades vendidas nesse ano25 milhões nos primeiros quatro meses

O conceito dos arcos de ginástica já existia há séculos antes de os espertos comerciantes de Wham-O os terem ressuscitado e transformado numa moda dos anos 50. A dança, o exercício e a competição amigável – de quem seriam as ancas que conseguiam manter o seu arco a girar durante mais tempo? No final da década, os arcos de ginástica tinham começado a cair de novo fora de moda... para depois serem trazidos décadas mais tarde, quando os gurus de fitness criaram versões com peso e prepararam as suas aulas em torno dos arcos que eram agora novos e bastante melhores.  

Anos 60: quadro mágico para desenhar

Os quadros Etch-a-Sketch eram usados para criar obras de arte temporárias. Créditos: Alamy Stock Photo via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1960 

Unidades vendidas nesse ano: 600.000

O Etch-a-Sketch foi uma proeza da ciência - alumínio e cargas estáticas usadas para fazer arte - que mantinha as crianças ocupadas durante horas, desde que não agitassem demasiado a sua obra-prima e a apagassem. Ao rodar botões, os utilizadores criavam desenhos e imagens temporárias que podiam ser tão básicas ou tão detalhadas quanto quisessem. Pela sua contribuição para a indústria dos brinquedos, o Etch-a-Sketch foi um dos primeiros a ser introduzido no National Toy Hall of Fame, juntamente com os conjuntos da Barbie e Erector. 

Anos 60: forno Easy-Bake

Quer cozer um brownie do tamanho da sua unha? Não procure mais para além do original forno Easy-Bake. Créditos: Alamy Stock Photo via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1963

Unidades vendidas nesse ano: meio milhão 

Uma introdução engraçada à culinária ou um pequeno risco de incêndio? É difícil de dizer, mas os fornos Easy-Bake Ovens eram cobiçados. Mais de 5 milhões foram vendidos em menos de uma década após a sua introdução, e só se tornaram mais populares com o passar do tempo, particularmente quando Betty Crocker se envolveu e encolheu as suas misturas até ao tamanho miniatura. Ainda é discutível se as sobremesas do tamanho de bonecas alguma vez foram realmente saborosas, mas este gadget impressionou os padeiros em formação.

Anos 70: bola de râguebi

As bolas de espuma originais da Nerf eram bem diferentes deste brinquedo contemporâneo, mas eram mais leves e era menos provável que estragassem a mobília. Cortesia: Hasbro via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1972 

Unidades vendidas: vendas anuais atingiram um pico de 8 milhões em 1979 

Desapareceram os dias dos vasos partidos ou das antenas de TV estragadas - a bola de espuma da Nerf, introduzida em 1969, foi concebida para ser atirada dentro de casa sem preocupar os pais. Esta era uma bola que ainda saltava e voava, mas que não partia a decoração. Depois veio a grande novidade: a bola de râguebi da Nerf de 1972, que fez disparar as vendas e levou à produção de brinquedos como o “Big Bad Bow” e os blasters nos anos que se seguiram. 

Todas as atualizações de alta tecnologia da Nerf como o “Big Bad Bow” ou blasters vieram anos mais tarde, mas a bola original manteve as crianças ativas em dias de chuva e as suas casas intactas. 

Anos 70: as figuras da ‘Guerra das Estrelas’ 

A Kenner vendeu cerca de 300 milhões de figuras de ação entre 1978 e 1985, dois anos após a estreia de “Guerra das Estrelas: O Regresso de Jedi”. Créditos: Don Emmert/AFP via Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1978 

Unidades vendidas nesse ano: 40 milhões

O primeiro filme da “Guerra das Estrelas” estreou em 1977, mas o fabricante de brinquedos Kenner não podia ter previsto a sua imensa popularidade que mudou os paradigmas porque, em vez de vender figuras de ação para os novos heróis intergalácticos das crianças, Kenner enviou-lhes certificados que poderiam usar mais tarde porque ainda não tinham criado figuras suficientes. Assim, no ano seguinte à estreia de “Uma Nova Esperança”, as crianças puderam finalmente brincar com Luke, Leia, R2 e Chewie. Kenner criou mais centenas de figuras, desde Han e Darth Vader a figuras secundárias obscuras, que foram vendidas aos milhões até 1985.

 Anos 80: Cubo de Rubik 

O cubo que confundiu milhões de pessoas. Créditos: Science & Society Picture Library/ Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1981 (embora tenha sido criado um ano antes) 

Unidades vendidas: entre 1980 e 1983, 100 milhões 

O cubo colorido não era apenas para os mais inteligentes, embora tenha sido criado por um professor húngaro para ajudar os seus alunos a resolver puzzles matemáticos. O Cubo de Rubik confundiu e frustrou até os consumidores mais avessos à matemática do início dos anos 80, pelo que, para ajudar aqueles que ficaram presos, um fã de 12 anos publicou um guia sobre como resolver o cubo que vendeu mais de 1,5 milhões de cópias

Anos 80: os bonecos Cabbage Patch 

O mundo enlouqueceu e a única receita médica eram mais bonecos Cabbage Patch. Créditos: Bettmann/CORBIS/Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1983 (embora tenham sido criados antes) 

Unidades vendidas nesse ano: 3 milhões

Havia qualquer coisa nas suas covinhas, sorrisos despretensiosos e nomes únicos (assinados nos seus rabos de tecido) que faziam as crianças e os colecionadores enlouquecerem pelos Cabbage Patch Kids - mas a oferta não era de forma nenhuma suficiente para satisfazer a procura insaciável dos bonecos. A loucura por estes bebés atingiu o seu nível máximo com os motins pelos Cabbage Patch Kids em novembro de 1983, quando os pais apilharam lojas de brinquedos e lutaram contra outros clientes pela quantidade muito limitada dos bonecos que todos queriam ter (ver estas imagens dos motins no arquivo da WABC, a filial da CNN, com os bonecos a voarem pelo ar e a loucura dos pais). 

Anos 90: Tickle Me Elmo  

Ele era giro, era fofinho e quase impossível de encontrar antes do Natal de 1996. Créditos: James Keyser/The Chronicle Collection/ Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 1996  

Unidades vendidas nesse ano: 1,2 milhões

Um Marreta fofinho que se ri e vibra quando lhe fazemos cócegas - o que há para não gostar? Bem, se foi empregado de loja em qualquer uma das lojas que conseguiu manter o Elmo em stock saberá que o Natal de 1996 foi uma época frenética. Um empregado canadiano do Walmart foi hospitalizado depois de um grupo de pais o ter esmagado para agarrar um dos 48 Tickle-Me-Elmo que a loja tinha. A filial da CNN, KGO, provocou os pais na área da Baía de São Francisco mantendo um destes Elmos na prateleira de uma loja de brinquedos local, tirando-os de seguida da sua mão assim que eles estavam convencidos de que tinham finalmente encontrado o brinquedo mais cobiçado da época. Os pais que caíram na armadilha não acharam graça nenhuma.  

Anos 90: Beanie Babies 

Ano de lançamento: 1997  

Unidades vendidas nesse ano: 100 milhões de “Teenie Beanies” foram vendidos com a Happy Meal da McDonald’s em duas semanas 

Os Beanie Babies foram uma das primeiras modas da internet, impulsionados pela quantidade limitada de animais. Os colecionadores revendem frequentemente os pequenos animais de peluche no eBay muito acima do preço pelo qual os compraram – a certa altura as compras de Beanie Babies representavam 10% de todas as vendas no site. Mas poucos anos após o boom dos Beanie, a bolha rebentou - como tinham sido produzidos tantos brinquedos, o seu valor desceu, e os colecionadores que acumularam Beanies para ver se o seu valor iria aumentar ficaram desapontados. 

Anos 2000: trotinetes 

As trotinetes eram perfeitas para mostrar alguns truques ou para andar pelo bairro. Créditos: Bryan Chan/Los Angeles Times/Getty Images  via CNN Internacional

Ano de lançamento: 2000

Unidades vendidas nesse ano: 5 milhões 

As trotinetes eram o raro presente que podia satisfazer pessoas de todas as idades - enquanto as crianças podiam levá-las ao parque de skate, agarrar-se ao guiador enquanto tentavam fazer kickflips, os adultos que se deslocavam para o escritório podiam usá-las para evitar o trânsito. A Bloomberg dá crédito à trotinete por ter dado um impulso que resultou numa “revolução da micromobilidade” com um modo de transporte compacto, sem poluição, que fazia valer a pena levar com uma batida de trotinete no tornozelo. 

Anos 2000: a Wii 

A Wii da Nintendo tirou-nos a todos dos sofás para jogar jogos em movimento. Créditos: Bloomberg/Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 2007 (embora tenha sido criado no final de 2006) 

Unidades vendidas nesse ano: 6,29 milhões

O sistema de jogo da Nintendo de meados dos anos 2000 mudou a forma como jogamos e contrariou a teoria de que todos os jogadores eram pessoas preguiçosas que ficavam sentadas no sofá. Não era assim com estes jogos – “Wii Sports” fez com que os seus jogadores saltassem dos seus lugares e balançassem um comando como se fosse uma raquete de ténis ou um taco de basebol. “Just Dance” pôs os jovens a dançar ao som de êxitos de música pop. Havia até o “Wii Fit”, um jogo concebido para nos pôr a mexer. Com a sua ampla demografia - desde crianças pequenas demasiado novas para a Xbox até aos seus avós - esta consola foi quase impossível de encontrar durante grande parte do seu primeiro ano, exceto para quem tinha contactos na área, para quem era mesmo muito persistente ou para quem tinha uma sorte danada. 

Anos 2010: ‘Minecraft’  

Se foi criança nos anos 2010, há uma boa hipótese de ter adorado - ou conhecido alguém que adorasse – o “Minecraft”. Créditos: Joe Raedle/Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 2012 (embora tenha tido versões anteriores) 

Unidades vendidas nesse ano: 15 milhões

Pela sua animação rudimentar e montagem relativamente livre de guião, o “Minecraft” continua a ser incrivelmente popular entre os jovens. Uma alternativa descontraída aos jogos de vídeo de alta tecnologia, na qual o objetivo principal é construir, destruir, derrotar inimigos, viver, repetir. Mas é significativo, afirmou o New York Times Magazine em 2016, devido ao local de encontro digital que se tornou para jogadores muito jovens - um local para eles aprenderem e dominarem formas de prosperar no mundo digital. 

Anos 2010: tudo o que estava relacionado com o ‘Frozen’  

A febre pelo “Frozen” chegou em grande aos consumidores em 2014 e, entre os bonecos mais vendidos inspirados pelo filme, estava a “Snow Glow Elsa” e uma boneca brilhante da Elsa. Créditos: Anthony Harvey/ Getty Images via CNN Internacional

Ano de lançamento: 2014 (a seguir à estreia do filme em 2013) 

Total de vendas desse ano: 531 milhões de dólares 

Todos queriam construir um homem de neve em 2014, principalmente se o seu nome fosse Olaf. Podemos pôr as culpas na febre do “Frozen” quando a resposta arrebatadora ao filme animado da Disney sobre duas irmãs ligadas à neve inspirou os pais a comprar todo e qualquer brinquedo baseado no filme. Uma boneca destinada a crianças mais pequenas chamada “Snow Glow Elsa” foi o segundo brinquedo mais vendido do ano, e o “Frozen” foi o rei de todos os brinquedos licenciados nesse ano. Com mais de meio bilião em vendas, dominou os corredores de brinquedos, tal como “Let It Go” (português – Já Passou) foi a música do ano que não escapou aos ouvidos de ninguém. 

Relacionados

Tendências

Mais Tendências

Na SELFIE

Patrocinados