Nancy Pelosi em visita surpresa a Kiev, agradece a Zelensky a "sua luta pela liberdade"

Beatriz Céu , atualizada com Lusa às 14:14
1 mai, 09:37

"A vossa luta é uma luta por todos nós. Por isso, o nosso compromisso é estar ao vosso lado até a guerra terminar", acrescentou presidente da Câmara dos Representantes dos EUA

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, chegou na manhã deste domingo a Kiev numa visita surpresa ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, para "agradecer a sua luta pela liberdade".

Na chegada à capital ucraniana - nesta que é uma visita surpresa, uma vez que não foi anunciada - a responsável norte-americana, acompanhada por uma delegação de representantes norte-americanos, cumprimentou Zelensky, num gesto que ficou registado pelos jornalistas no local.

Dirigindo-se ao presidente ucraniano, Nancy Pelosi disse que esta visita serve para "agradecer a sua luta pela liberdade", salientando que esta luta não se restringe apenas à Ucrânia, mas ao resto do mundo democrático. "A vossa luta é uma luta por todos nós. Por isso, o nosso compromisso é estar ao vosso lado até a guerra terminar", acrescentou.

Volodymyr Zelensky publicou um vídeo na sua conta oficial do Twitter no qual confirma a presença da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA em Kiev, agradecendo todo o seu apoio.

"Os Estados Unidos lideram o forte apoio que a Ucrânia está a receber na luta contra a agressão russa. Obrigado por ajudar a proteger a soberania e a integridade territorial do nosso Estado", escreveu Zelensky.

A comitiva norte-americana que acompanha a responsável da Casa dos Representantes conta com outros altos responsáveis que se preparam para aprovar um novo pacote de apoio à Ucrânia, num valor total superior a 30 mil milhões de euros.

Mais tarde, já depois da reunião com o presidente ucraniano, Nancy Pelosi partilhou um vídeo na sua conta oficial do Twitter no qual saúda a "liderança e coragem" de Zelensky, bem como o povo ucraniano "pela sua excelente defesa da democracia", e para garantir o apoio dos EUA "até à vitória" da Ucrânia.

Zelensky, por sua vez, respondeu em inglês, agradecendo à comitiva pela visita e a "todos os americanos" pelo apoio. "Penso que vocês precisam de saber que vamos vencer, e vamos vencer juntos", acrescentou.

E a representante da Câmara Baixa do Congresso dos EUA reforçou: "Estamos convosco até à vitória"

A visita de Nancy Pelosi surge após as visitas dos secretários de Estado e de Defesa Antony Blinken e Lloyd Austin. O presidente norte-americano, Joe Biden, tem vindo a manifestar vontade de viajar para a Ucrânia, depois da sua visita à Polónia, mas ainda não há informações quanto a uma eventual viagem do chefe de Estado norte-americano.

Na sexta-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, viajou até Kiev para cumprir o objetivo de estabelecer um acordo entre os países beligerantes para a abertura de corredores humanitários em Mariupol, uma das cidades mais fustigadas pela guerra na Ucrânia. A visita acabou por ficar marcada por um ataque com mísseis russos que atingiram um prédio residencial, provocando duas mortes e dez feridos.

Nancy Pelosi deixa aviso aos "valentões"

Já na Polónia, Nancy Pelosi foi questionada pelos jornalistas sobre o perigo de o apoio dos EUA poder levar a “algo pior”: “Deixem-me falar por mim mesma. Não se deixe intimidar por valentões. Se o estiverem a ameaçar, não pode recuar. Estamos lá para lutar e não se pode ceder a um rufia”, afirmou, citado pela agência de notícias EFE.

Nancy Pelosi revelou que, no encontro com o presidente ucraniano, reiterou o apoio dos EUA, deixando “uma mensagem de agradecimento do povo americano pela sua liderança e a admiração do povo americano pela sua coragem”.

A líder da Câmara dos Representantes norte-americanos recordou ainda que o presidente Joe Biden pediu ao Congresso que enviasse para Kiev um pacote de ajuda humanitária e militar de 33 mil milhões de dólares (cerca de 31,2 mil milhões de euros).

Na delegação norte-americana a acompanhar Nancy Pelosi está Gregory Meeks, que preside ao Comité dos Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes, Adam Schiff, que preside ao Comité dos Serviços Secretos da Câmara, Jim McGovern, que preside ao Comité do Regimento da Câmara, entre outros responsáveis.

“Estamos numa fronteira de liberdade e a vossa luta é uma luta para todos. O nosso compromisso é estar ao seu lado até que a luta esteja terminada”, afirmou Pelosi ainda em Kiev, durante o encontro com Zelensky que foi filmado e divulgado hoje.

Na conferência de imprensa, o congressista democrata Jim McGovern acusou o presidente russo Vladimir Putin de fazer guerra aos “mais vulneráveis do mundo” e “agravar a fome” com a sua agressão contra a Ucrânia, um dos maiores produtores de cereais do mundo.

Neste sentido, defendeu a prestação de “ajuda direta” à Ucrânia para que as autoridades de Kiev possam distribuí-la onde é mais necessária e “àqueles que mais precisam dela”.

Adam Schiff, que preside ao Comité dos Serviços Secretos da Câmara dos Representantes, adiantou que os legisladores norte-americanos tiveram uma reunião de três horas com Zelensky e a sua administração, durante a qual falaram sobre sanções, armas e ajuda humanitária.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados