Olivia Rodrigo, Kendrick Lamar, Billie Eilish e Harry Styles. Como os artistas estão revoltados com a decisão do Supremo em relação ao aborto (e mostram-no em palco)

CNN Portugal , FMC
27 jun, 18:21
Olivia Rodrigo e Lilly Allen cantam "F*uck you" para o Supremo Tribunal dos EUA)

São vários os artistas que se têm pronunciado contra a decisão do Supremo Tribunal dos EUA. Uns escolheram as redes sociais para falar, outros tornaram-se virais ao escolherem o palco para mostrar o descontentamento

Muitos artistas expressaram nos últimos dias a sua consternação depois do Supremo Tribunal dos Estados Unidos ter revertido o direito ao aborto, na passada sexta-feira, depois de quase 50 anos de liberdade de escolha. 

A cantora Olivia Rodrigo protagonizou um momento que se tornou viral, juntamente com a inglesa Lily Allen, em que dedicaram a música "F*ck You" aos juízes do Supremo Tribunal.  

O momento, que decorreu no Festival Glastonbury, no Reino Unido, rapidamente ficou viral:

Rodrigo afirmou estar "devastada e aterrorizada" com a decisão. "Tantas mulheres e raparigas vão morrer por causa disto", lamentou, em conversa com a plateia. 

"Eu queria dedicar a próxima canção aos cinco membros do Supremo Tribunal, que nos mostraram que, no final do dia, eles realmente não querem saber da liberdade", anunciou. 

"A canção vai para os juízes Samuel Alito, Clarence Thomas, Neil Gorsuch, Amy Coney Barrett, Brett Kavanaugh. Nós odiamos-vos, nós odiamos-vos", acrescentou, sendo aplaudida pela multidão. 

Uma das pessoas que congratulou o gesto da cantora norte-americana foi a congressista Alexandria Ocasio-Cortez: "Obrigada Olivia Rodrigo e todos os artistas, atletas e animadores que usam as suas plataformas para falar em indústrias onde há imensa pressão para dizer e fazer pouco porque muitos acreditam que o silêncio é mais rentável".

No mesmo festival, o famoso rapper Kendrick Lamar fechou a sua atuação dramaticamente, revoltando-se contra a decisão. Com uma coroa de espinhos na cabeça e sangue falso a escorrer pela cara cantou "eles julgam-te, eles julgam Cristo. Godspeed ("Que Deus acompanhe", em tradução livre) os direitos das mulheres". 

Também a cantora Billie Eilish aproveitou a sua performance para falar do tema. No mesmo palco britânico, afirmou que era "um dia muito, muito negro para as mulheres nos EUA. E não vou dizer mais nada, porque não aguento pensar mais no assunto". 

Depois destas palavras, dedicou a música " Your Power" a todas as mulheres afetadas, noticiou a BBC. A música retrata o abuso de poder por parte de homens mais velhos em posições hierárquicas superiores. 

Também o artista inglês Harry Styles, num momento espontâneo, mostrou a sua posição face ao assunto. Um vídeo partilhado amplamente nas redes sociais mostra o cantor a pegar num cartaz de alguém do público onde se lia "o meu corpo, a minha escolha". Styles, que está ligado também a causas LGBTI+, levantou firmemente o cartão e colocou-o no palco.

A jovem cantora Lorde também se indignou durante a sua atuação: "Querem ouvir um segredo? Os vossos corpos estão destinados a ser controlados e objetivados desde o momento em que nasceram. Esse horror é o vosso direto de nascença", lamentou. 

"Mas aqui está outro segredo. Vocês têm força. Essa sabedoria também é o vosso direito de nascença. Peço-vos hoje que façam do exercício dessa sabedoria o trabalho da vossa vida, porque tudo depende disso. F**** o Supremo", terminou.

Após ser conhecida a anulação da proteção do direito ao aborto, inúmeras personalidades recorreram às redes sociais para se expressarem. Artistas como Taylor Swift, Madonna, Mariah Carey, P!nk, Cher, Pearl Jam, entre outros, mostraram-se "devastados" com a situação. 

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados