Figura do dia: o «feiticeiro» português que é comparado a Muller

6 dez 2022, 23:56
Gonçalo Ramos e Otávio no Portugal-Suíça

Gonçalo Ramos marcou um hat-trick na vitória de Portugal frente à Suíça, a sua estreia a titular pela Seleção AA

Três golos e uma assistência.

A estreia de Gonçalo Ramos a titular ao serviço da Seleção Nacional dificilmente podia ter sido melhor, e valeu-lhe alguns registos no livro da história do Mundiais.

O avançado do Benfica foi o escolhido por Fernando Santos para ser a referência ofensiva diante da Suíça e justificou plenamente a aposta.

Aos 21 anos, vivei porventura a maior noite da carreira, mas os genes de futebolista, esses, já lá estavam há muito tempo. Gonçalo é filho de Manuel Ramos, um antigo internacional sub-21 que jogou na Liga ao serviço de Farense e Salgueiros.

 

Era nos sub-21, de resto, que o futebolista nascido no Algarve vinha a fazer carreira internacional, mas os sete golos em 12 jogos no campeonato – é atualmente o melhor marcador – ao serviço do Benfica esta época valeram-lhe o bilhete para o Qatar.

Comparado ao alemão Thomas Muller, algo que não o incomoda, tem a alcunha de feiticeiro entre os colegas. Porquê? Porque tem sorte nos ressaltos.

Este texto foi baseado no perfil de Gonçalo Ramos, que pode ler no dossier dedicado à seleção de Portugal, um dos vários conteúdos publicados no âmbito da Guardian Experts’ Network, a rede de meios de comunicação que tem o Maisfutebol como representante português, para partilha de informação relativa ao Mundial 2022.

Relacionados

Mais Lidas

Patrocinados