Suárez: «Queremos aproveitar o ano espetacular de Darwin no Mundial»

1 out, 12:25
Darwin ao serviço do Uruguai (AP Photo/Matilde Campodonico, Pool)

Uruguai vai defrontar Portugal na fase de grupos da prova que se realiza no Qatar e o experiente avançado aponta a altos voos

A seleção do Uruguai será uma das adversárias de Portugal na fase de grupos do Mundial 2022, e Luis Suárez, referência da «charrua», apontou a altos voos no Qatar.

«O nosso plantel, com uma mistura de experiência e juventude, tem muitas condições e isso é preponderante num Mundial», começou por dizer em entrevista ao jornal espanhol Marca.

Suárez mencionou depois uma lista de jogadores que têm estado em destaque nos últimos tempos, tendo referido um ex-Benfica. «Queremos aproveitar, por exemplo, o grande momento de Fede Valverde, o ano espetacular do Darwin, os bons momentos do Ronald Araújo, que se lesionou, do Rodrigo Bentancur... São jogadores que estão a um grande nível mundial. Marcam a diferença física e tecnicamente. E também estamos nós, dois ou três veteranos que podem estar em campo num quarto Mundial», apontou.

Na mesma entrevista, Luis Suárez estabeleceu comparações entre Valverde, jogador do Real Madrid, e Steven Gerrard, com quem jogou no Liverpool. «Está nos arquivos que em 2017, quando ele se estreou na Seleção, eu disse que ele me fazia lembrar o Steven Gerrard. Tem umas condições parecidas. Um box to box com força, mudança de ritmo, muitas chegada... Não quero comparar, mas as características são parecidas. Vi-o chegar e teve uma evolução bárbara, rodeado de grandes estrelas.»

Suárez passou ainda em revista os anos vividos em Barcelona e no Atlético de Madrid, dois clubes dos quais não saiu como gostaria. «O tempo passa e, por educação e respeito, cumprimentaria Koeman se o encontrasse. Se isso acontecesse, esperava que ele tivesse a grandeza, que teve como jogador no clube, de me dizer dizer a verdade na cara: porque é que eu saí e que não saí por motivos futebolísticos ou técnicos», disse sem concretizar, classificando a passagem pelo Barcelona (2014-2020) com um 12 numa escala de zero a dez.

«Seguramente», respondeu de seguida após ser questionado se sentia que tinha condições para fazer mais uma época no Atlético Madrid, onde esteve de 2020 a 2022. «Mas por alguma razão não renovámos. Saí orgulhoso do meu percurso ali, ganhámos uma Liga depois de muitos anos e os adeptos despediram-se de mim de uma forma muito emocionante. (...) Podiam ter-me comunicado de outra forma, mas depois analisas as coisas e dizes: 'Não há que ampliar as coisas.' Já está, tudo passa. Eu sentia-me confortável, feliz, era mais um e um clube tratou-me de forma espetacular. Olhavam para mim como mais um (para ajudar) e não alguém diferente por vir do Barça.»

Luis Suárez regressou esta época ao país natal para jogar no Nacional Montevideo, clube onde se formou e se estreou a nível profissional. No final do campeonato vai deixar a equipa e o futuro, caso decida não terminar a carreira no imediato, não voltará a passar pela Europa, onde esteve 16 anos. «Já fiz a minha carreira europeia e saí de lá muito orgulhoso. Tive muitas opções, muitíssimas, antes de vir para o Nacional, mas o sentido de vir para o meu país também é este: Groningen, Ajax, Liverpool, Barça, Atlético... Grande carreira na Europa. Por isso não poderia terminar, depois do Atlético, numa equipa inferior. Foi uma trajetória perfeita e assim acabei ao mais alto nível: no Atlético. Por isso fazia sentido vir para o Uruguai, não por ser uma Liga menor, mas para fechar um ciclo», rematou.

Seleção

Mais Seleção

Patrocinados