Mundial 2022: França-Polónia, 3-1 (crónica)

4 dez 2022, 17:18

História da naturalidade

A campeão do Mundo deu uma prova cabal da sua qualidade e venceu com máxima naturalidade a Polónia, que deixou uma imagem bem melhor daquela que apresentou na fase de grupos, mas não conseguiu disfarçar as debilidades coletivas.

Um triunfo por 3-1, com direito a bis de Kylian Mbappé e vários momentos para a história, ainda que a maior conquista da tarde seja a passagem aos quartos de final do Mundial 2022.

FILME DO JOGO

A Polónia aguentou os primeiros minutos agressivos dos gauleses e a meio da primeira parte até conseguiu equilibrar forças e superiorizar-se na posse de bola. Já os bleus, recuaram propositadamente e adotaram uma postura mais expectante, sabendo de antemão que poderiam fazer estragos com os dois homens rápidos das alas, Kylian Mbappé e Ousmane Dembelé.

Apesar da boa réplica, e de ter colocado os gauleses em apuros, tendo valido Raphael Varane a salvar o golo em cima da linha de baliza, perto do intervalo, foram os gauleses que inauguraram o marcador, num dos momentos históricos da tarde.

Olivier Giroud, o avançado que vive no limbo do amor e do ódio dos adeptos, tornou-se o melhor marcador de sempre da seleção francesa, com 52 golos, ultrapassando o histórico Thierry Henry! Após um passe de Mbappé (que já começa a ameaçar o recorde de Giroud), o atacante do Milan finalizou à ponta de lança.

Na segunda parte, a França continuou a explorar o espaço deixado pelos polacos que se tentavam balançar para o ataque e contou com um Mbappé endiabrado. Nos últimos 15 minutos, o astro – já podemos denominar desta forma – do Paris Saint-Germain aplicou dois pontapés pontentíssimos e bateu Szczesny, que até teve uma boa prestação neste Mundial.

Se no momento do primeiro golo, Mbappé igualou os oito tentos de Cristiano Ronaldo em Campeonatos do Mundo, no segundo chegou à marca de, por exemplo, Eusébio e Lionel Messi. Pequeno aviso: ainda nem sequer completou 24 anos.

Mas, tal como o desempenho da França, o resultado não foi perfeito. Apesar da vitória segura, os gauleses ainda não apresentaram muita alegria e brilhantismo na sua forma de jogar e voltaram a sofrer, tal como aconteceu em todos os outros jogos anteriores. No último lance do jogo, Robert Lewandowski voltou a falhar um penálti, mas teve a oportunidade de repetir e, aí, não desperdiçou.

Os campeões do mundo estão apetrechados de qualidade individual e são claros candidatos à conquista do título, mas o desafio dos quartos de final promete ser mais duro: Inglaterra ou Senegal?

Relacionados

Patrocinados