Mais stressadas, preocupadas, tristes e zangadas: saúde das mulheres piorou em 2021

CNN , Deidre McPhillips
22 set, 09:15
Mulheres que branqueiam a pele arriscam a saúde por “um modelo ocidental ilusório” (Pixabay)

Inquérito global revela que mulheres estiveram mais stressadas, preocupadas, tristes e zangadas em 2021 do que em qualquer outro momento da última década. Saúde das mulheres portuguesas piorou mais do que a média global.

Para as mulheres de todo o mundo, o segundo ano da pandemia da Covid-19 trouxe mais desafios de saúde do que o primeiro.

Em 2020, a empresa de tecnologia médica Hologic lançou um inquérito global em parceria com a Gallup, para avaliar a forma como as necessidades de saúde das mulheres estavam a ser satisfeitas. Os países foram avaliados com base nas respostas das mulheres a perguntas em cinco categorias: saúde geral, cuidados preventivos, saúde mental, segurança e necessidades básicas como alimentação e habitação.

A pontuação global para o Índice Global de Saúde da Mulher em 2021 foi de apenas 53 em 100, um ponto abaixo do que em 2020.

Nenhum país obteve pontuação superior a 70 pontos em 2021, com Taiwan, Letónia, Áustria e Dinamarca nos lugares cimeiros. Três países marcaram menos de 40 pontos: Afeganistão, Congo e Venezuela. Os Estados Unidos desembarcaram em 23º lugar, com 61 pontos em 100.

O estudo mostra que as mulheres portuguesas não só pioraram em 2021 face a 2020, como pioraram mais que a média dos outros países. Portugal surge em 39º lugar no ranking global (com 58 pontos). Onde Portugal pontua melhor é no critério de cuidados preventivos, surgindo em quarto lugar no ranking com 37 pontos, depois de apenas a Letónia, os Estados Unidos e a Zâmbia. Ainda assim, a classificação baixou em relação a 2020, quando Portugal tinha alcançado os 42 pontos.

"O fardo económico e psicológico da pandemia irá pesar durante algum tempo em muitas famílias, e sabemos que afetou particularmente as mulheres", disse Gertraud Stadler, diretora do Instituto de Género em Medicina no hospital de Charite, em Berlim, na Alemanha, que não esteve envolvida no inquérito.

De facto, as mulheres estiveram mais stressadas, preocupadas, tristes e zangadas em 2021 do que em qualquer outro momento da última década, de acordo com um inquérito Gallup que teve em conta a classificação do Índice Global de Saúde da Mulher.

Verificou-se também uma maior probabilidade de mulheres do que homens dizerem que não tinham dinheiro suficiente para pagar alimentos em 2021, numa percentagem que aumentou de 34% das mulheres em 2020 para 37% em 2021.

"Entendemos que só se pode ter impacto e melhorar aquilo que se mede", disse Susan Harvey, vice-presidente de assuntos médicos mundiais da Hologic e antiga diretora de imagiologia de mama da Johns Hopkins School of Medicine.

"No geral, os dados são sóbrios. E compreendemos que precisamos que as mulheres sejam saudáveis para se envolverem plenamente e terem poder. É evidente que chegou o momento de trabalharmos em conjunto e começarmos a encontrar soluções e a melhorar os cuidados de saúde das mulheres".

"O mundo está a falhar às mulheres"

De acordo com a Hologic e a Gallup, as cinco áreas-chave avaliadas no Índice Global de Saúde da Mulher podem explicar a maior parte da variação da esperança de vida da mulher à nascença.

Por exemplo, os autores do estudo descobriram que as mulheres que disseram ter consultado um profissional de saúde no ano passado tinham uma esperança média de vida dois anos mais longa do que as que não o tinham feito.

Os cuidados preventivos são uma área onde os Estados Unidos obtiveram melhores resultados em 2021 do que em 2020. O país ficou em segundo lugar nesta dimensão no Índice Global de Saúde da Mulher, depois apenas da Letónia.

"Foi uma pequena melhoria, mas temos de nos regozijar com isso", disse Harvey. "Globalmente, porém, o mundo está a falhar em matéria de cuidados preventivos para as mulheres".

Cerca de 1,5 mil milhões de mulheres não tiveram acesso a cuidados preventivos no ano passado, disse ela. E, globalmente, menos de 1 em cada 8 mulheres foi rastreada para o cancro em qualquer altura do ano passado, de acordo com o inquérito.

Embora o remédio para esta deficiência possa parecer mais simples, os especialistas dizem que isso reflete as múltiplas camadas de desafios que as mulheres enfrentam.

As mulheres “são sempre as últimas a cuidar de si próprias. Nós somos as diretoras executivas médicas das nossas famílias”, disse Katie Schubert, presidente e diretora executiva da Society for Women's Health Research, um grupo ativista baseado nos EUA que não esteve envolvido no novo estudo.

"Isto remonta a muitos desses diferentes fardos que as mulheres suportam, tanto do ponto de vista de serem cuidadoras como também de fazerem parte da sua comunidade".

Nos EUA, por exemplo, diz Schubert, as mulheres são mais propensas a ir a uma visita de bem-estar para os seus filhos do que para si próprias. E a percentagem de mulheres que não comparecem a uma visita médica essencial às seis semanas pós-parto é "muito impressionante".

A saúde materna precisa de atenção

Apesar de algumas melhorias, os EUA continuam a ser um país com uma situação pouco favorável à saúde geral das mulheres - em parte devido à saúde materna, uma área que os especialistas concordam que merece mais atenção em todo o mundo.

As opiniões sobre saúde e segurança entre as mulheres nos EUA caíram em 2021, tal como as medidas de saúde individual, incluindo a dor e problemas de saúde em geral.

Uma pergunta relacionada com a segurança pediu às mulheres para avaliar se as grávidas obtêm cuidados de saúde de alta qualidade onde vivem. Um estudo publicado em junho apurou que a mortalidade materna nos EUA disparou no primeiro ano da pandemia, especialmente entre as mulheres hispânicas e negras. E novos dados dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA descobriram que mais de 4 em cada 5 mortes relacionadas com a gravidez eram evitáveis.

As nações ricas em geral obtiveram melhores resultados do que as nações de baixos rendimentos no Índice Global de Saúde da Mulher. De facto, a diferença de pontuação entre os países de alto e baixo rendimento quase duplicou de 2020 para 2021, com uma diferença média de mais de 20 pontos. Mas a esperança de vida nos EUA foi inferior à média, apesar dos gastos em cuidados de saúde que se situaram bem acima da média.

De certa forma, as disparidades de género mais amplas nos cuidados de saúde são já bem conhecidas em todo o mundo.

Por exemplo, as mulheres que procuram ajuda médica para um ataque cardíaco em muitos países demoram mais tempo a obter um diagnóstico correto, são tratadas de forma menos consistente e têm menos probabilidades de frequentar a reabilitação cardíaca, disse Stadler.

"Tudo isto combina com resultados piores e mortalidade mais elevada nas mulheres do que nos homens", disse Stadler.

Levantar as mulheres, levantar a sociedade

Os peritos concordam que a melhoria da saúde das mulheres irá elevar a sociedade como um todo.

“As mulheres têm frequentemente o papel de gestoras de saúde nas suas famílias e comunidades. E estão a assumir uma grande parte do trabalho de cuidados, pelo que as crianças, os parceiros, os pais também beneficiam da saúde da mulher”, disse Stadler.

E os efeitos são de grande alcance.

"Sem esta saúde e bem-estar fundacional das mulheres, não seremos capazes de avançar em nenhum dos objetivos relacionados com a estabilidade económica ou equidade no desenvolvimento socioeconómico", disse Schubert. "Isso tudo está realmente aos ombros de um ambiente saudável, de uma pessoa saudável e de resultados saudáveis".

Mas a igualdade de género - na saúde e noutros aspetos da vida - ainda está longe da realidade.

Schubert observou que os ensaios da vacina Covid-19 não incluíam mulheres grávidas.

"A minha esperança seria que nos pudéssemos preparar melhor para sermos mais inclusivos e abrangentes na nossa investigação biomédica, independentemente de estarmos perante uma pandemia ou alguma outra emergência de saúde pública", disse ela. Mas o ritmo da mudança tem sido "excruciantemente lento".

Muito do que é medido no Índice Global de Saúde da Mulher alinha-se com os objetivos identificados pelas Nações Unidas nos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

E um relatório publicado pela ONU Women e pelo Departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU este mês concluiu que, ao ritmo de progresso atual, a igualdade de género não será alcançada até 2030, como se pretendia inicialmente com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Em vez disso, levará séculos.

"É fundamental que nos mobilizemos agora para investir nas mulheres e raparigas para recuperar e acelerar o progresso", disse Sima Bahous, directora executiva da UN Women, sobre esse relatório. "Os dados mostram inegáveis regressões nas suas vidas, agravadas pelas crises globais - em termos de rendimentos, segurança, educação e saúde. Quanto mais tempo demorarmos a inverter esta tendência, mais isso nos custará a todos".

Mas há alguma esperança.

"A minha esperança é que saiamos mais fortes da pandemia", disse Stadler. "A pandemia trouxe à atenção de mais pessoas a importância de comportamentos preventivos. As pessoas aprenderam muito sobre a importância da ação conjunta para se protegerem umas às outras".

 

Nota: este artigo originalmente publicado pela CNN internacional foi editado pela CNN Portugal de forma a incluir mais informações sobre Portugal. 

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados